PUBLICIDADE

Clássicos: Black Sabbath – “The Eternal Idol” (1987)

“The Eternal Idol” não é tão somente o décimo terceiro full lenght da carreira do Black Sabbath, mas também o primeiro de uma era definitiva antes da reunião do line-up original e o adeus. Era essa, a qual foi interrompida em vez única por “Dehumanizer” (1992) e o curto período de retorno de Ronnie James Dio, que posteriormente retornaria para assumir o formato “Heaven & Hell”, antes que o câncer tragicamente o levasse de nós.

   
TONY MARTIN / TONY IOOMI / REPRODUÇÂO / ACERVO

Apresentando, ao mesmo tempo, “The Eternal Idol” e Tony Martin

Tão logo ocorrera a demissão de Ozzy Osbourne, o posto de vocalista do Black Sabbath experimentou Ronnie James Dio, Ian Gillan, Glenn Hughes, além de alguns cantores que não chegaram a gravar registro algum. Foi então, depois disso, entre 1986 e 1987, que Ray Gillen foi a voz da banda e, nesse hiato, eles gravou “The Eternal Idol”. No entanto, ele não permaneceu no line-up e algum tempo antes que a AIDS o ceifasse, em 1993, formou outra banda, Badlands.

Todos esses detalhes são menos importantes do que dizer que os vocais de Gillen não permaneceram na gravação oficial e é nesse ponto que surge o principal nome da era que mencionamos anteriiormente, Tony Martin. O britânico Anthony Philip Harford, nome de batismo de Tony Martin, chegou a fim de regravar as vozes de “The Eternal Idol” e seguir o caminho do Black Sabbath. Como resultado, Martin se tornou o segundo vocalista mais longevo da história banda, perdendo somente para Ozzy Osbourne.

Apresentações feitas, que tal mergulharmos, em seguida, nas canções do referido disco?

TONY MARTIN / Reprodução / Acervo

Lado A

Assim que os primeiros acordes dedilhados de “The Shinning” começam a soar, Bob Daisley invade a canção com seu fantástico solo de baixo a la Geezer Butler. Salvo os mortos por dentro, é impossível que alguém não se arrepie. Tony Iommi executa mais riffs e solos do seu incrível arsenal e a bateria de Eric Singer (Kiss) coloca ainda mais peso nessa e nas demais canções. Tony Martin, por sua vez, é perfeito em melodia tanto quanto em técnnica, ora fazendo lembrar Dio ora não. Além disso, temos o saudoso Geoff Nicholls, como membro oficial do Black Sabbath, tornando tudo mais belo através de suas teclas.

“Levantem-se para a iluminação / Viva muito, viva agora / Levante-se para a iluminação / Não seja cego pelos tolos novamente / pelos tolos mais uma vez.”

Logo depois, já vem a nossa favorita do disco, “Ancient Warrior”, consolidando o Heavy Doom Metal como subgênero do álbum, ao contrário do seu antecessor, “Seventh Star”, o qual pendeu mais para a veia Hard Rock. Mas não pensem que não teve Hard Rock, porque teve. Logo que o riff da maravilhosa “Hard Life to Love” mostra o seu poder, nos lembramos no mesmo instante da série televisiva Armação Ilimitada, a qual tinha em sua banda sonora muito Hard e Heavy Metal. Bom, o solo de Iommi, mais uma vez, não surpreendentemente, nos deixa boquiabertos.

“Glory Ride” vem na sequência ao propósito de fechar o lado A com o selo da perfeição que o novo Black Sabbath tinha a capacidade de fazer, e cumpre seu objetivo primordial com todos os méritos.

TONY IOMMI / TONY MARTIN / Photo: Andreas-Bornmann

Lado B

Coube a ótima canção “Born to Lose” a missão de dar as boas vindas no Lado B, carregando consigo a promessa de igual o Lado B, mesmo que essa meta não seja lá muito fácil de atingir. Na continuação, o teclado de Geoff Nicholls anuncia “Nightmare”, faixa que mescla alguns elementos presentas na era DIO do Black Sabbath com um pouco de “Seventh Star”, disco antecessor que contou com a voz de Glenn Hughes. Ou seja, uma fórmula que não teria possibilidade alguma de dar errado.

O tema instrumental “Scarlet Pimpernel” deixa explícita a genilidade do mestre Iommi, assim como já ocorrera em outros temais instrumentais compostos durante a sua carreira. Entrentanto, “Scarlet Pimpernel” apenas esquenta o clima para “Lost Forever”, que é uma tempestade de Heavy Doom, a qual conduz a desgraça para as pobres almas dos ouvintes, extasiados pelo poder da música pesada.

Encerrando essa obra prima temos a faixa que se refere ao título, “Eternal Idol”, que inclusive já foi tema do nosso quadro Música & Letra. Se anteriormente dissemos que a veia predominante dessa disco é Heavy Doom Metal, aqui temos o mais puro Doom em corpo e alma, tanto na parte instrumental, quanto na temática lírica. Tony Martin protagoniza uma canção que traz consigo todos os elementos que representam um subgênero, ao passo que sua voz é a principal responsável para que o produto de tudo isso seja divino. Resumindo, foi emocionante resenhar “The Eternal Idol”.

Nota 9,3

Integrantes:

  • Tony Martin (vocal)
  • Tony Iommi (guitarra)
  • Bob Daisley (baixo)
  • Eric Singer (bateria)
  • Geoff Nicholls (teclado) (R.I.P. 2017)

Faixas

  • 1.The Shining
  • 2.Ancient Warrior
  • 3.Hard Life to Love
  • 4.Glory Ride
  • 5.Born to Lose
  • 6.Nightmare
  • 7.Scarlet Pimpernel
  • 8.Lost Forever
  • 9.Eternal Idol
   

Redigido por: Cristiano “BIG HEAD” Ruiz

PUBLICIDADE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Veja também

PUBLICIDADE

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,583SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
261SeguidoresSeguir
1,151InscritosInscrever

Últimas Publicações

- PUBLICIDADE -