Sessão Dualidade: Overkill

PUBLICIDADE

A dualidade é um dos alicerces essenciais no desenvolvimento do Metal e seus subgêneros. E novamente refletindo sobre essa frase que inicia o quadro, só conseguiria pensar em bandas ou projetos nos quais a sonoridade dualística, se ela, a dualidade, for um elemento inerente das mesmas, ou seja, aquela capacidade de transitar entre o caos e a calmaria com maestria, já supracitada aqui. Quando a banda é muito mais aclamada e definida pela sua sonoridade agressiva, suja, pesada, direta e reta durante mais de três décadas, porém possuí um dos melhores exemplares de dualidade já feitos na história do Metal, é essa a premissa que estimula este quadro meus caros.

Depois de algumas semanas revisitando a discografia do gigante do Thrash americano Overkill, eu concluí que ao longo de mais de 35 anos de estrada, nada se compara a “The Years Of Decay” quando se trata da dualidade fundamentada aqui. “Nooossa, mas uma faixa só burtini?” Isso mesmo caro leitor, assim como o saudoso Pantera, o Overkill possui um momento muito distinto dentro de um único registro, que vale a pena ser celebrado aqui.

“The Years of Decay” , faixa que carrega o nome do registro lançado há 31 anos , é uma viagem melancólica, divagante, inicialmente em forma de um monólogo intenso de alguém que já viveu e viu muita coisa, alguém que não pode ser capaz de evitar o decair da vida, o tempo obstinado e severo do qual ninguém é capaz de escapar. ”Os dias se tornam semanas, e as semanas, anos”. Tudo isso cantado na voz inconfundível de um Bobby Blitz que ainda prezava pela melodia do seu vocal, e acompanhado por um dedilhado acústico que casa perfeitamente com tudo que é descrito durante a viagem. Até que sentimos uma sensação de eminência surgindo, a voz de Bobby vai crescendo junto com a bateria, e da inicio a toda a uma revolta interna, inquietante, mas também passa uma ideia de alívio, necessidade de extravasar e se rebelar contra algo. A mensagem que essa música trás é intrigante, dependendo do seu estado de espírito, pode ser interpretada como uma luta diária e constante, uma necessidade de seguir em frente mesmo caminhando pelos “anos de decadência” ou só um desabafo de um músico exausto de extensivas turnês de divulgação, não deixa de ser intrigante.

E a faixa conclui de forma épica com um riff grandioso, cortesia do lendário Bobby Gustafson, enquanto Bobby Blitz e D.D Verni cantam ao fundo.

Se estendendo por quase 8 minutos de audição, essa canção é um diferencial em toda a discografia do Overkill, eu poderia citar outros exemplos, mas nenhum chega perto do que fizeram aqui, uma dualidade musical muito eficiente. Dedico o quadro dualidade de hoje, não só faixa título, mas o registro como um todo desde a faixa “Time To Kill” até “E.vil N.ver D.ies”, até porque, “The Years of Decay” é um dos maiores clássicos do Thrash Metal mundial e merece ser ouvido de cabo a rabo.

The Years of Decay:

Redigido por Giovanni Vaz

PUBLICIDADE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Veja também

PUBLICIDADE
PARCEIROspot_img

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,663SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
152SeguidoresSeguir
960InscritosInscrever

Mais Acessadas

Últimas Publicações