PUBLICIDADE

Resenha: Warshipper – “Essential Morphine” (2023)

“Essential Morphine” é o quarto full lenght da banda brasileira de Death Metal, Warshipper.

   

Três anos após o lançamento do elogiadíssimo “Barren…”, o quarteto sorocabano de Death Metal, Warshipper, lança o seu quarto full lenght, “Essential Morphine”, pelo selo Heavy Metal Rock.

WARSHIPPER / Divulgação / Facebook

Quem já ouviu a discografia do Warshipper, assim como eu, sabe que não há repetição de fórmula entre os registros, porém, após o surpreendente “Barren…” de 2020, as expectativas de como chegaria seu sucessor estavam enormes. Sendo assim, com o disco rolando na playlist, como “Essential Morphine” pode ser avaliado?

Continue comigo e descubra a seguir:

A abertura com “Religious Metastasis” é simplesmente sensacional, pois, durante mais de sete minutos de duração da canção, muitas referências sonoras passam por minha mente.

A introdução, por exemplo, lembra aquela atmosfera sombria do início de “Hell Awaits” (Slayer); Os guturais de Renan Roveran, que também é um dos guitarristas, se assemelham aos de Glen Benton, frontman do Deicide, todavia com um leve toque da escola sueca do subgênero Metal da Morte.

A levada de bateria, com diversos repiques e alternâncias rítmicas, dá a sonoridade um toque de Blackened Death Metal, presente em quase todo o registro. Da mesma forma, os riffs pesados e intensos se combinam com os solos de guitarra carregados de feeling e influência 70’s.

“Migrating Through Personality Spectra”

O começo bem mais acelerado de “Migrating Through Personality Spectra” dava a impressão que estávamos diante de uma composição influenciada na velha escola da Flórida, porém, elementos diferentes vão se mesclando a ela, dando um toque de personalidade com a assinatura do Warshipper.

Inesperadamente, um lindo solo de saxofone lhe dá uma pitada de excentricidade, tornando-a mais interessante. “Perfect Pattern Watcher” assume de cara o Blackened Death Metal, uma das variações de Death que mais me agrada. Destaco a produção dos vocais, a qual dá um ar moderno sem colocar em risco a brutalidade característica do estilo da banda.

Quem toca o saxofone na “Migrating Through Personality Spectra”?

Estamos falando de Theo Queiroz, que inicialmente entrou com a missão de ocupar o posto de guitarrista, substituindo Rafael Oliveira, que posteriormente retornou a banda. Então, Theo assumiu a bateria no lugar de Roger Costa. Não bastasse isso, ainda gravou no álbum:

Guitarra, saxofone, baixo frestless, violão de 12 cordas e teclado, assim como fez vocal de apoio. Ou seja, sua contribuição para o resultado final da obra foi importantíssima.

THEO QUEIROZ / WARSHIPPER / Reprodução / Facebook

Os ingredientes psicodélicos presentes nos registros anteriores seguem no “Essential Morphine” e cumprem o seu papel.

   

A faixa “Morphine” endossa o que acabo de afirmar, inclusive com momentos que flertam com Prog Rock/Metal e até seus instantes mais acelerados não fogem do momento lisérgico da audição.

Covers de míticas bandas nacionais

Dois covers fazem parte do atual full lenght do Warshipper. “The Night of Unholy Archangel“, presente no álbum “Into The Depths to Burn” do Zoltar, extinta banda de Death Metal da qual o baixista Rodolfo Nekathor era baixista/vocal e “The Twin of Icon”, presente no “Heretic Signs”, segundo disco do ByWar, extinta banda de Thrash Metal da qual Renan Roveran era guitarrista.

Duas versões excelentes!

WARSHIPPER / Photo By: Anderson Hildebrando

E não é que o melhor ficou para o final! ”Magnificent Insignificance” é um verdadeiro tutorial de como fazer Metal extremo de alto nível. Nessa canção, há técnica e criatividade de sobra, sem colocar em risco, em nenhum segundo, o peso e a violência sonora. Além disso, há um bônus track, “Guilt Trip”, que foge completamente de tudo o foi feito pelo Warshipper até hoje, uma mistura de Hard Rock e Heavy Metal com toques progressivos. Muito bem feita e executada, ainda que a canção pareça uma carta fora do baralho.

NÃO POSSO DEIXAR DE MENCIONAR QUE O TERMO “MAIS DO MESMO” NÃO EXISTE NO DICIONÁRIO DO WARSHIPPER, POIS HÁ SEMPRE ALGO DIFERENTE E SUPREENDENTE EM CADA NOVO TRABALHO.

Respondendo a questão proposta no início da resenha, “Essential Morphine” evoluiu discretamente em relação ao “Barren…”!

Altamente, recomendado!

Nota: 9,3

Integrantes:

  • Renan Roveran (vocal e guitarra)
  • Rafael Oliveira (guitarra)
  • Rodolfo Nekathor (baixo, vocal na faixa 5)
  • Theo Queiroz (bateria, guitarra, baixo fretless, saxofone, teclado, back vocal)
  • Roger Costa (bateria)

Faixas:

  • 1.Religious Metastasis
  • 2.Migrating Through Personality Spectra
  • 3.Perfect Pattern Watcher
  • 4.Morphine
  • 5.The Night of the Unholy Archangel (cover Zoltar)
  • 6.The Twin of Icon (cover Bywar)
  • 7.Magnificent Insignificance
  • 8.Guilt Trip
   

Redigido por Cristiano “Big Head” Ruiz

CLIQUE NO LINK ABAIXO, A FIM DE CONFERIR A NOSSA RESENHA PARA O ÁLBUM “BARREN” (2020):

PUBLICIDADE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Veja também

PUBLICIDADE

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,583SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
261SeguidoresSeguir
1,151InscritosInscrever

Últimas Publicações

- PUBLICIDADE -