PUBLICIDADE

Resenha: Vulture – “Sentinels” (2024)

“Sentinels”, quarto full lenght da discografia da banda alemã de Speed Metal, Vulture, sai no dia 12/4/2024, pela Metal Blade Records. Ou seja, no dia de amanhã. O sucessor de “Dealin’ Death” chega, portanto, quase três anos após seu lançamento, fomentando muitas expectativas. Afinal de contas, os três primeiros discos do Vulture agradaram, não deixando dúvidas sobre o que viria depois. O quinteto alemão que nasceu na cidade de Dortmund, em 2015, dentre as bandas mais atuais de Speed Metal, é a que melhor representa as tradições desse subgênero.

   
VULTURE / Divulgação / Facebook – “Sentinels” (2024)

Os primeiros gritos do abatedouro

“Screams from the Abattoir” chega espancando os tímpanos sensíveis, trazendo consigo a violência sonora presente na sonoridade do Vulture desde que sua discografia teve inicio, em 2017, com o debut “The Guillotine”. Apesar de podemos definir a sonoridade da banda, precisamente, como Speed Metal, suas canções sempre trouxeram uma irresístivel pitada de Thrash. Tanto que, a primeira vez que resenhamos um álbum do Vulture, notamos a semelhança vocal entre L Steeler e o saudoso Paul Ballof, primeiro vocalista do Exodus. Não tanto pela semelhança de timbres entre Steeler e Ballof, mas pela agressividade com a qual o frontman do Vulture se impõe em suas performances.

Em seguida, temos a nossa canção preferida do álbum, “Unhallowed & Forgotten”, a qual foi seu primeiro single, inclusive em formato de videoclipe. Ela é impressionante tanto quanto as canções “Below the Mausoleum” e “The Court of Caligula”, presentes no álbum anterior, “Dealin’ Death”. Um refrão, absurdamente, energético e grudento a introduz, trazendo, dessa forma, as energias da alma para impulsionar os movimentos do pescoço. Como resultado, a cabeça não para de bater durante seus 3m44s de duração.

O curto tema instrumental “Transylvania” é tão somente uma ponte para a faixa que vem logo depois, “Realm of the Impaler”, a qual foi o segundo single de trabalho. Surpreendentemente, sua letra fala sobre a Transilvânia e Drácula, justamente como sugere o título da pequena faixa que a antecede. Assim como “Unhallowed & Forgotten”, “Realm of the Impaler” também ganhou uma versão em videoclipe.

O abutre desenha as suas lâminas

Acreditamos que o espancamento musical se tornaria menos intenso a partir de agora, porém estavamos completamente equivocados. “Draw Your Blades” evidencia, já inicialmente, os solos e riffs da dupla de guitarristas, S Castevet e M Outlaw. Por outro lado, destaca, igualmente, a importância da cozinha formada pelo baixista A Axetinctör e pelo baterista G Deceiver.

Vulture / Foto: MetalWerne / Reprodução

Partindo de um lindo dueto de guitarras, parecia que “Where There’s a Whip (There Is a Way)” agarraria mais a veia do Heavy tradicional. No entanto, essa impressão desaparece em menos de um minuto, visto que ela acelera o ritmo. Contudo, o tema instrumental “Der Tod Trägt Schwarzes Leder”, que em alemão significa “A Morte Veste Couro Preto”, essa sim, deixa com que o Heavy 80’s dê as cartas. Essa canção não é somente um instrumental aleatório, já que torna a audição mais do prazerosa. Em outras palavras, dá um certo descanso rítmico em altíssimo nível.

Não fosse “Unhallowed & Forgotten” minha favorita, essa seria “Death Row”. Aqui temos uma composição rápida, violenta e, acima de tudo, com refrão avassalador. Se a música que a antecede serviu como devido relaxamento da mente, “Death Row” chegou a fim de incendiar a audição novamente.

A trinca final da Gárgulas

“Gargoyles”, por sua vez, também tem uma pegada mais voltada ao Heavy, mas casa perfeitamente com a proposta sonora do Vulture. Aliás, essa composição possui o solo de guitarra mais perfeito desse registro, indubitavelmente.

Embora também seja mais cadenciada em sua introdução, “Oathbreaker” mergulha profundamente no Speed/Thrash Metal. Nas primeiras vezes que a ouvimos, ela não impressinou tanto, contudo, com o passar das audições, ela foi crescende até tornar-se tão grande quanto as demais.

Vulture / Photo by: Lea Heindl

A canção “Sentinels (Heavier than Time)” serve ao propósito de conduzir o quarto álbum da discografia do Vulture a sua apoteose. E convenhamos, ela realiza essa tarefa com perfeição, deixando nos corações de seus ouvintes uma gigantesca sensação de querer mais e mais. De todos os discos da excelente discografia do quinteto alemão, esse é o possuidor dos melhores refrãos. Em suma, a banda buscou a sua evolução, melhorando em suas quase imperceptíveis deficiências, sem descaracterizar a sua personalidade musical.

Herzlichen Glückwunsch zum hervorragenden vierten Album, Vulture!

   

Nota 9,4

Integrantes:

  • A Axetinctör (baixo)
  • S Castevet (guitarra)
  • M Outlaw (guitarra)
  • L Steeler (vocal)
  • G Deceiver (bateria)

Faixas:

  • 1.Screams from the Abattoir
  • 2.Unhallowed & Forgotten
  • 3.Transylvania
  • 4.Realm of the Impaler
  • 5.Draw Your Blades
  • 6.Where There’s a Whip (There Is a Way)
  • 7.Der Tod Trägt Schwarzes Leder
  • 8.Death Row
  • 9.Gargoyles
  • 10.Oathbreaker
  • 11.Sentinels (Heavier than Time)

Redigido por: Cristiano “Big Head” Ruiz

PUBLICIDADE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Veja também

PUBLICIDADE

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,583SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
261SeguidoresSeguir
1,151InscritosInscrever

Últimas Publicações

- PUBLICIDADE -