PUBLICIDADE

Resenha: Opeth – In Cauda Venenum (2019)

“In Cauda Venenum” é o décimo e terceiro full-lenght da banda sueca Opeth, o quarto após eles terem decidido abandonar definitivamente sua veia Death Metal, o que ocorreu quando estavam produzindo o sucessor do álbum “Watershed” de 2008. O disco conta com duas versões, uma em sueco e outra em inglês.

   

O registro abre com a canção instrumental “Garden Of Earthly Delights”, a qual possui uma sonoridade totalmente voltada ao Progressivo psicodélico dos anos 70, lembrando inclusive os efeitos utilizados pelo Pink Floyd no consagrado álbum “The Dark Side Of The Moon”.

“Dignity”

A faixa “Dignity” da continuidade a tendência Prog Rock 70’s. Mikael Åkerfeldt desenvolve cada vez mais suas habilidades vocais, interpretando cada música de maneira magistral.

“Heart In Hand”

“Heart In Hand” é fenomenal. Minha faixa favorita nesse álbum segue outra linha progressiva bem distinta das duas anteriores.

Uma canção que esbanja técnica, musicalidade e criatividade, pois, Opeth sempre surpreende seus fãs, mesmo com suas mudanças radicais.

“Next Of Kin”

“Next Of Kin” já é mais parecida com o som da banda antes de sua mudança, posso imaginar os vocais guturais de Mikael invadindo a música a qualquer momento, mas infelizmente isso não acontece.

Divulgação / Facebook / OPETH

“Loverlorn Crime”

As influências na década de setenta voltam a ficar evidentes em “Loverlorn Crime”. Åkerfeldt dá um show de interpretação e feeling. Sua voz lembra vagamente a de David Gilmour em alguns momentos, porém ele possui uma característica própria forte, a qual faz dele único.

Os solos de guitarra não são menos elogiáveis que os vocais. Porém, o solo dessa canção em especial é o mais lindo do disco.

“Charlatan”

“Charlatan” é pura técnica. Ao mesmo tempo, o teclado de Joakim Svalberg e a bateria de Martin Axenrot são os destaques da faixa. Tocar no Opeth não é para qualquer criança, além disso, o virtuosismo é perfeitamente equilibrado com a musicalidade intensa.

Photo By: Caroline Traitler Photography

“Universal Truth”

“Universal Truth” usa uma fórmula semelhante a “Loverlorn Crime”, pois, Mikael explora alguns falsetes que são incomuns em suas performances.

Impressionante observar a sua evolução. É uma pena ele ter abandonado o uso de guturais, pois se ele os agregasse em uma ou duas canções pelo menos, a obra cresceria ainda mais como um todo, se tornando mais completa do que é.

   

“The Garroter” tem uma atmosfera mais sombria e um toque de Jazz/Blues, o qual a torna singular. Uma introdução de bateria inicia “Continuum”. Dessa forma, temos uma canção com um ar de suspense que ganha bastante peso e intensidade em seu decorrer.

Impressionante a energia positiva que a atmosfera dessa música proporciona na audição, preparando o ouvinte para a faixa de clausura. Há quem reclame da extensão das músicas do Opeth, porém nem noto o tempo passar enquanto as estou ouvindo.

“All Things Will Pass” encerra o melhor álbum da banda desde que abandonaram o uso de guturais. Uma canção que faz a mente viajar, utilizando um pouco de todos os ingredientes contidos nessa grandiosa obra musical.

Photo By: Caroline Traitler Photography

Opeth nunca teve mede de riscos e ignorou os rótulos. Ou seja, eles ousaram mudar e o fizeram com maestria. No entanto, sua variação sonora não significou queda na qualidade e tampouco apelo comercial.

Embora eu continue a torcer pela volta dos guturais, tenho que tirar o meu chapéu para essa banda que permaneceu brilhante, mesmo alterando sua sonoridade. O Progressivo sempre esteve presente em sua proposta, mas agora essa tendência está completamente consolidada. Indico esse disco àqueles que colocam a musicalidade acima das definições de subgêneros.

Full-lenght impecável.

Nota 9,2

Integrantes:

  • Mikael Åkerfeldt (vocal e guitarra)
  • Martin Axenrot (bateria)
  • Martín Méndez (baixo)
  • Fredrik Åkesson (guitarra, vocal)
  • Joakim Svalberg (teclado, vocal)

Faixas:

  • 1.Garden Of Earthly Delights – Livets trädgård
  • 2.Dignity – Skevets Prins
  • 3.Heart In Hand – Hjärtat vet vad handen gör
  • 4.Nex Of Kin – De närmast sörjande
  • 5.Loverlorn Crime – Minnets yta
  • 6.Charlatan
  • 7,Universal Truth – Ingen sanning är allas
  • 8.The Garroter – Banenannen
  • 9.Continuum – Kontinuerlig drift
  • 10.All Thing Will Pass – Allting tar slut

Redigido por Cristiano “Big Head” Ruiz

Clique nos links abaixo, a fim de ler a resenha dos dois maiores clássicos do Opeth:

Blackwater Park (2001)

   

Ghost Reveries (2005)

PUBLICIDADE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Veja também

PUBLICIDADE

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,583SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
261SeguidoresSeguir
1,151InscritosInscrever

Últimas Publicações

- PUBLICIDADE -