PUBLICIDADE

MUNDO METAL ENTREVISTA: WARBOUND (THRASH ABC/SP)

Warbound, banda de Thrash Metal do ABC/SP, cedeu entrevista ao redator do Mundo Metal, Cristiano Ruiz, falando sobre sua história e sonoridade desde que iniciou suas atividades em 2013, lançando seu primeiro registro, o full “Behind the Unreal”, em 2019. Caso queira saber mais, confira o nosso bate-papo abaixo.

   

Atualmente, seu line-up conta com os seguintes músicos: Hélio Patrizzi (baixo e vocal), Enrico Ozio (bateria), Jefferson Oliveira e Heloisa Bordini (guitarras).

WARBOUND / Divulgação / Facebook – Dani Moreira (foto)

Questões:

Mundo Metal: após quase cinco anos de hiato, o novo álbum, “Necrothrash”, veio a luz. A recepção do registro, por parte do público e das mídias especializadas, está de acordo com as expectativas dos membros do quarteto?

Warbound:

Enrico Ozio:

“Acreditamos que sim! Todos os comentários estão super positivos e sempre alguns que superam de fato as expectativas. Muito legal quando os bangers/editores (como vocês) se interessam pelos conteúdos das letras, produção, capa e não somente as faixas, pois todo o “pacote” dá bastante trabalho e curtimos nos dedicar a cada detalhe!”

Jefferson Oliveira:

“Sem duvidas, sim! a expectativa de muitos era bem grande, antes mesmo de divulgarmos a capa… Hoje, após dois meses do lançamento, ainda estamos recebendo muito contato dos bangers que nos seguem e editores interessados no nosso trabalho.”

Mundo Metal: como vocês avaliam a evolução da sonoridade do Warbound desde quando lançou o debut “Behind the Unreal” até o presente momento?

Warbound (Enrico Ozio):

“A essência do Thrash Metal direto, obscuro e veloz permanece a mesma pois é alma do Warbound, porém, com as mudanças de formação que tivemos, onde o Jeff (logo depois do Behind) e a Heloísa, na saída do Lucas, trouxeram muita energia ao mesmo propósito. Com isso as ideias são todas compartilhadas e todo mundo contribui muito. Como todo mundo tá indo para o mesmo lado, fica natural criar mais e mais. Sempre ensaiando, tomando uma e curtindo metal.”

Mundo Metal: de quais assuntos tratam, primordialmente, as temáticas líricas das composições do Warbound? Algum dos registros é conceitual?

Warbound:

Enrico Ozio:

“Na real a gente não se apega muito a uma temática específica e por isso não temos nada muito conceitual hoje. Talvez o destaque conceitual fique por conta da ‘Winds of Orion’ (Behind) e ‘Illumination’ (Necrothrash), que contam toda uma saga de Orion. Do restante, escrevemos muito sobre cotidiano, sofrimento, fatos históricos e um pouco de fantasia também.”

   

Hélio Patrizzi:

“Na ‘Winds of Orion’ e ‘Illumination’ a gente resolveu escrever uma trilogia que esperamos terminar no próximo álbum. É uma história fictícia que acreditamos que muitos dos fãs de Warbound já tenham passado. A história contada nas músicas fala sobre um indivíduo que começa a questionar a fé e as religiões e vai criando novas alegorias conforme seus questionamentos vão sendo respondidos através de muita reflexão e se expandindo para outras formas de enxergar sua própria existência. Elas falam sobre a necessidade de nos desapegarmos de conceitos pré existentes que nos são impostos e procurar na sua própria essência as respostas que precisamos sobre nossa existência. São músicas que basicamente falam sobre libertação humana. Talvez isso seja o mais próximo que chegamos de algo conceitual. Duas músicas, que em breve se tornarão três, sobre um mesmo tema. Rss”

Mundo Metal: como dissemos anteriormente, o debut do Warbound saiu na parte final de 2019. Pouco tempo depois, o mundo mergulhou nas restrições pandêmicas e, dessa forma, todo e qualquer evento aberto ao público ficou restrito. A fim de comparar, como tem sido a divulgação do segundo disco em relação a do debut, já que agora toda aquela situação, felizmente, deixou de existir?

Warbound (Enrico Ozio):

“É foi uma merda bem grande mesmo… e culpa do merda do ser humano… mas essa é outra discussão. Foda que assim que o Behind saiu… tocamos pra caramba e tava bem legal mesmo… ainda sem a Helô… mas tava rolando mesmo… ai tivemos que parar… e na sequência começarmos a compor mais fortemente o ‘Necrothrash’. Em termos de divulgação já estamos bem acelerados, e com comentários de todo o Brasil e fora também. Tanto que com o lançamento, já temos datas no Nordeste e fechamos algumas mais pelo Sul e outras cidades. Uma vez que com o ‘Behind’ acabamos não saindo do Estado de SP.

Heloisa Bordini / Reprodução / Warbound

Mundo Metal: a banda chegou a fazer turnê fora dos limites nacionais ou planeja fazer isso futuramente? Quais são os planos para o futuro?

Warbound (Enrico Ozio):

“Ainda não fomos… como disse na anterior ainda ficamos só pelo estado de SP, mas temos planos e desejos sim de fazer um tour fora do BR. Temos alguns contatos e assim que possível começaremos a trabalhar nisso mais fortemente.”

Mundo Metal: como ocorreu o processo de produção de “Necrothrash”, ou seja, onde ocorreu a gravação, quem foi o responsável pela mixagem e masterização? Desde quando as composições desse disco atual começaram a ser escritas?

Warbound (Enrico Ozio):

“Começamos a compor o álbum assim que o lockdown terminou. Ainda com restrições. Mas já com bastante conteúdo. O Jeff estava com apetite de compor o álbum novo. Então trouxe muita coisa. Nós temos um estúdio o HellsPass em São Caetano/SP. É lá que fizemos todo o processo. Desde a pré até a master final. Nossos 2 álbuns foram produzidos pelo Marcos Cerutti, que além de várias produções nacionais e internacionais, é nosso parceiro/irmão lá no HellsPass.”

Mundo Metal: da mesma forma que mencionamos na resenha, Warbound, Warshipper e Deathgeist brotaram da mesma fonte, do ByWar. Como resultado, ao invés de uma excelente banda de Thrash, temos duas, além de uma banda de Death Metal que é completamente diferenciada e perfeita no que faz. Em suma, como vocês descrevem esse berço inesgotável de Metal? Podem nos contar o segredo?

Warbound (Enrico Ozio):

“Simples…kkk… esse é o Metal!! A gente curte e vive o Metal, então, sem ser arrogante, as coisas acabam saindo. Se dedicar a uma banda, de metal e no underground..é uma puta de uma bucha..kkk, mas se você faz com o coração e é verdadeiro, acho que fica um pouco mais fácil.”

Mundo Metal: esse espaço serve para que vocês avaliem a entrevista, do mesmo modo para que falem sobre algo que não perguntamos. Enfim, fiquem a vontade e digam o que sentirem que devem.

Warbound (Thrash ABC/SP – Enrico Ozio):

“Primeiramente muito obrigado pelo espaço e pela oportunidade. O metal nacional só vive porque vocês apoiam a cena e ajudam as bandas. A ideia é sempre nos unirmos para conseguirmos eventos mais foda com apoio de pessoas e patrocínio de prefeituras para levar mais qualidade a quem ouve e a quem toca. O Brasil tem muita banda foda mas que muitas das vezes não tem oportunidade de tocar pelas condições que vivemos nesse pais, então somente a união das bandas, produtores e midia poderá fazer com que o metal seja muito mais considerado do que é hoje em dia. Estamos juntos nessa batalha! Valeu mesmo! Metal till Death!!

   

Mundo Metal:

Nós é que agradecemos e desde já estaremos a espera por novidades.

Entrevistado: Warbound (Thrash ABC)
Entrevistador: Cristiano “Big Head” Ruiz

PUBLICIDADE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Veja também

PUBLICIDADE

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,583SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
261SeguidoresSeguir
1,151InscritosInscrever

Últimas Publicações

- PUBLICIDADE -