PUBLICIDADE

Resenha: Behemoth – “I Loved You At Your Darkest” (2018)

A banda polonesa de Black Death Metal, Behemoth, lançou seu décimo primeiro álbum, “I Loved You At Your Darkest”, que é o sucessor do “The Satanist” de 2014, considerado por muitos, o melhor álbum da banda. Fundada em 1991, a princípio como Baphomet, mudou rapidamente para Behemoth. Já que existiam muitas bandas com o mesmo nome.

   

O álbum introduz com a faixa “Solve”, que tem um clima sombrio e vozes de crianças proclamando blasfêmias. Behemoth sendo Behemoth, como todos os admiradores da banda esperam. Logo após a faixa introdutória, “Wolves Of Siberia” já empolga o ouvinte com peso e velocidade em uma atmosfera que tem a assinatura do Behemoth.

Single

“God = Dog” foi o single muito bem escolhido do álbum. Inferno demonstra o porquê de ser considerado um dos melhores bateristas de música extrema. Ele possui um técnica fora do comum, mesmo para bateristas virtuosos.

Pois tive a oportunidade de assistir o Behemoth em 2015 na turnê do “The Satanist” e Inferno é um show a parte. “Ecclesia Diabolica Catholica” dá sequência a pancadaria harmônica.

Me impressiona como o Behemoth consegue produzir peso extremo sem perder a característica melódica em nenhum instante sequer. Ao passo que, os arranjos de guitarra de Nergal, que também é o vocalista da banda, são perfeitos nesse canção. Os riffs, as partes de guitarra acústica e o solo são todos impecáveis.

“Batzabel”

Em seguida, “Batzabel” introduz com um sombrio dedilhado de guitarra e se converte em uma bela música pesada e de ritmo mais cadenciado, caracterizando um clima de puro Black Metal. Destaque para o solo de Nergal. “If Crucifixion Was Not Enought”, em seu início, dá a impressão que vai manter a cadência da faixa anterior, mas intercala momentos bastante velozes.

“Angelvs XIII”

“Angelvs XIII” traz o Death Metal a tona novamente, pois é rápida e pesada em quase toda a sua duração. Nergal sola usando efeito de pedal awa e assim como em “Bertzabel”, demonstra influência em guitarristas clássicos dos anos 70.

“Sabbath Master”, como o nome já sugere, introduz com um riff a la Iommi. O instrumental dessa canção tem muito de Heavy Metal adaptado a vertente extrema do Behemoth. A banda demonstrou, dessa forma, que tem muitas cartas na manga e o resultado é realmente impressionante.

Reprodução / Facebook / Adam Nergal

Atmospheric/Symphonic Death Metal

“Havohej Pantocrator” é o que defino como Atmospheric/Symphonic Death Metal e se assemelha a banda grega Septicflesh. Ela é a canção mais complexa do álbum e certamente impressiona até quem declara não gostar de Metal extremo. “Rom 5:8” retoma a habitual mistura de Black e Death Metal a qual fez com que o Behemoth obtivesse tanto destaque no cenário extremo. A canção tem partes narradas que lhe adicionam um toque ainda mais sombrio. “We Are The Next 1000 Years” é a faixa mais brutal do “I Loved You At Your Darkest”, pois, além de ser rápida e pesada da primeira a última nota, atenua um pouquinho a característica melódica presente nos instrumentais anteriores. O álbum encerra com uma sombria canção instrumental. A canção “Coagvla” mistura um pouco de todos os diversos elementos utilizados na produção do álbum. Belíssimo encerramento.

Divulgação / Facebook / BEHEMOTH

Os temas das letras do Behemoth continuam os mesmos habituais: paganismo, história, satanismo, assim como ocultismo.

Quando em um lançamento, o resultado apresentado condiz com o que esperamos da banda, a sensação é muito prazerosa. Durante toda a audição do “I Loved At Your Darkest”, mantive minha empolgação em alta e não houve instantes nos quais ela tenha decaído, mas, ao contrário disso, houve momentos nos quais a temperatura subiu ainda mais.

   

Se os amantes da música extrema ainda não conhecem esse disco do Behemoth, não devem perder mais tempo.

Nota: 8,9

Integrantes:

  • Nergal (guitarra e vocal)
  • Orion (baixo)
  • Inferno (bateria)

Faixas:

  • 1.Solve
  • 2.Wolves Of Siberia
  • 3.God = Dog
  • 4.Ecclesia Diabolica Catholica
  • 5.Bartzabel
  • 6.If Crucifixion Was Not Enough
  • 7.Angelvs XIII
  • 8.Sabbath Mater
  • 9.Havohej Pantocrator
  • 10.Rom 5:8
  • 11.We Are The Next 1000 Years
  • 12.Coagvla

Redigido por Cristiano “Big Head” Ruiz

CONFIRA A RESENHA DO ÁLBUM “OPVS CONTRA NATVRAM” (2022):

PUBLICIDADE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Veja também

PUBLICIDADE

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,583SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
261SeguidoresSeguir
1,151InscritosInscrever

Últimas Publicações

- PUBLICIDADE -