PUBLICIDADE

História: o trágico fim de Jeff Hanneman (Slayer)

Certo dia, em janeiro de 2011, Hanneman estava relaxando e tomando cervejas em uma banheira de hidromassagem na casa de um amigo , quando percebeu que uma aranha tinha picado seu braço. Ele disse:

“Eu nem senti, mas uma hora depois eu sabia que estava doente. Enquanto estava indo para o hospital, podia ver a carne apodrecendo. Meu braço estava muito quente. Quando cheguei na emergência, agradeci a Deus que a enfermeira reconheceu de imediato o que estava acontecendo. Por coincidência, apesar de ser uma doença muito rara, ela tinha visto um caso pouco antes. Naquele momento, eu estava a uma hora da morte”.

Apesar da picada não ter sido muito séria, ela causou uma infecção bacteriana, chamada Fasciite Necrosante, nas camadas mais profundas da pele e dos tecidos do braço. Hanneman contou:

   

“Inacreditavelmente, o médico era nosso fã. Primeira coisa que ele me disse foi: ‘Primeiro vou salvar sua vida. Depois vou salvar seu braço. Então vou salvar sua carreira.’”

Ele passou por diversas cirurgias, enxertos de pele e recuperação intensa desde então. Em entrevista para a revista Classic Rock do Reino Unido, ele contou sobre sua reabilitação, que o deixou dois anos sem poder excursionar com o Slayer. O efeito da infecção foi aniquilador, tanto que ele só conseguiu se apresentar uma única vez antes da sua morte, quando tocou duas músicas durante um show , ainda em 2011. “Ele ainda estava trabalhando pra recuperar a agilidade de que precisava,” disse a porta-voz da banda, Heidi Robinson-Fitzgerald, sobre Hanneman.

“Se o Slayer tocasse só músicas lentas, ele teria conseguido.”

JEFF HANNEMAN / Reprodução / Facebook

Porém, ele realmente foi picado por uma aranha? Apesar do tipo de ferimento ter levado Hanneman a acreditar que a infecção tenha sido resultado de uma picada de uma aranha-reclusa marrom, a qual não teria sido tratada corretamente. Especialistas em insetos disseram que isso é improvável. Aranhas-reclusas marrons, também conhecidas com aranhas-violino, são encontradas quase que exclusivamente no meio-oeste e no sul dos Estados Unidos. Doutor Doug Yanega, cientista sênior do Museu de Pesquisa Entomológica da Universidade de Riverside/CA, disse que praticamente todas as aranhas-reclusas marrons vistas no sul da Califórnia tiveram alguma relação com o inseto ter sido transportado acidentalmente para aquela região. Aranhas-reclusas marrons normalmente evitam humanos. Quando as pessoas estão ativas, completa Yanega, é mais provável que elas sejam picadas enquanto dormem e a aranha possa se movimentar sem que sinta-se ameaçada. “Existe uma razão pela qual essas aranhas são chamadas de reclusas, porque elas não saem muito,” disse Yanega. “Se ele estava acordado, se mexendo, andando, se movimentando, é improvável que tenha sido uma picada de aranha.” Outra possibilidade é que o guitarrista tenha sido picado por uma aranha-reclusa-castanha chilena, que já foi vista na região de Los Angeles e pode causar uma reação parecida com a da aranha-reclusa marrom. Porém, diz Yanega, relatos confirmados de pessoas sofrendo picadas de aranha-reclusa-castanha chilena também são extremamente raros. “As chances são baixas”. Existem tantas outras coisas que podem causar os mesmos sintomas. Essa possibilidade é uma das mais improváveis. A infecção de Hanneman pode ter sido causada por qualquer corte ou arranhão, que possa ter permitido que bactérias alcançassem camadas mais abaixo da superfície da pele. Qualquer coisa pode causar isso. Normalmente é uma ferida que passa despercebida.”

Jeff Hanneman veio a óbito às 11h do dia 02 de maio de 2013 em um hospital no sul da Califórnia, sendo vítima de uma insuficiência hepática. Sua esposa, Kathryn Hanneman, estava ao seu lado. O Slayer publicou a seguinte nota na época:

“O Slayer está devastado ao informar que o companheiro de banda e irmão, Jeff Hanneman, morreu por volta de 11h desta manhã próximo à sua casa, no sul da Califórnia. Hanneman estava em um hospital da região quando sofreu insuficiência hepática. Ele deixa a esposa Kathy, a irmã, os irmãos Michael e Larry. Sua falta será profundamente sentida. Irmão Jeff Hanneman, descanse em paz (1964 – 2013).”

Alguns dias depois, mais precisamente no dia 10 de maior de 2013, a banda fez outro comunicado:

“Enquanto ele enfrentou essa luta por sua saúde ao longo dos anos, incluindo a recente infecção pela bactéria que devastou o seu bem-estar, Jeff e pessoas próximas a ele não tinham conhecimento da verdadeira extensão de sua doença hepática até os últimos dias de sua vida”.

Soube-se então na verdade ele morreu de cirrose hepática atribuída ao consumo de bebidas alcóolicas e não em consequência da ingestão de uma bactéria que consome tecidos humanos, Fasciite Necrosante, disseram os membros da banda norte-americana.

O fato é que Jeff Hanneman sempre bebeu bastante, mas em seu período de recuperação da infecção, tendo a mesma sido causada por picada de aranha ou não, esse hábito deve ter se tornado ainda mais extenso. O que se pode afirmar com exatidão é que o compositor de um legado de composições clássicas do Thrash Metal como “Angel of death”, “Raining blood” e “Seasons In The Abyss” nos deixou.

“A cirrose é o desfecho de lesões no fígado que se cicatrizam, fazendo com que o órgão vá perdendo sua função e caminhe para a falência completa. É resultado de inflamações e agressões crônicas como o ataque de vírus (hepatites A,B,C) ou abuso de bebidas alcoólicas. O tecido do fígado fica, com o tempo, todo fibroso e deixa de realizar tarefas primordiais para o organismo, como o processamento de nutrientes e medicamentos, a fabricação de proteínas e a produção da bile, que atua na digestão.”

É o que diz o artigo do site: https://saude.abril.com.br/medicina/o-que-e-cirrose-causas-sintomas-e-tratamento/ . O grande perigo da cirrose hepática é que ela é silenciosa durante anos. Ou seja, o fígado, mesmo sofrendo agressões, parece não reclamar. Isso atrasa o diagnóstico, que, no Brasil, ainda se dá na maioria das vezes em estágio avançado, fase em que costumam aparecer os sintomas”. A cirrose é uma doença gravíssima e mata mais de um milhão de pessoas por ano no mundo todo.

Após a trágica morte de Jeff Hanneman, Gary Holt (Exodus) seguiu sendo o seu substituto até a banda encerrar as atividades em 2019. Com Holt, a banda lançou “Repentless”, último full lenght em 2015, o qual agradou grande parte dos fãs. O guitarrista, que é considerado um dos criadores dos padrões do que chamamos de Thrash Metal, teve a missão de completar a trajetória que a morte, precocemente, tirou de Hanneman.

GARY HOLT / Reprodução / Facebook

Hanneman se foi, o Slayer parou e por mais que os registros estejam todos disponíveis e vivos em nossas memórias, é impossível não dar aquele aperto no peito. A semana especial do Slayer aqui no Mundo Metal serviu para que celebrássemos todas essa reminiscências e estivéssemos mais perto, sentindo mais a presença de nossa banda de coração.

Reign In Heaven, Jeff

SLAYER / Reprodução / Facebook
   

PUBLICIDADE

Comentários

  1. Foi um dos melhores guitarristas, lembro!!!! Infelizmente a banda não está mais na ativa, penso que um dia eles voltarão!!!! Bons tempos de antigamente, valeu!!!!

  2. A criatividade dele era incrível. Bebeu a malicia do sabbath e do blues americano e nos brindou com várias obras primas. Mudou pra sempre a música. Uma pena que nos deixou tão cedo. RIP Jeff 😭😭😭

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Veja também

PUBLICIDADE

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,583SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
236SeguidoresSeguir
1,151InscritosInscrever

Últimas Publicações

- PUBLICIDADE -