PUBLICIDADE

Clássicos: Death –“The Sound Of Perseverance” (1998)

Nuclear Blast

Há muito tempo quero escrever sobre “The Sound Of Perseverance”, o sétimo e último full lenght do Death. Encontrei na data de hoje, aniversário de 24 anos de seu lançamento, o momento ideal para fazê-lo.

   

Há aqueles que vão dizer que ele está longe dos clássicos mais relevantes do Death. Sim, isso é indiscutível, “Scream Bloody Gore”, “Leprosy” e “Spiritual Healing” são de longe os mais importantes e “Human”, “Individual Thought Patterns” e “Symbolic” marcaram outra fase de consideráveis mudanças na banda, as quais se encerraram, infelizmente, no referido álbum de hoje. Talvez chama-lo de clássico seja pretensão do redator que vos escreve, mas não consigo tratar esse disco de outra forma, pois ele é bastante cultuado pelos fãs do Death, embora, por incrível que pareça, haja alguns poucos haters do mesmo.

CHUCK SCHULDINER / Homenagem / Art By Fan: Chuck Alex Artbstrd

Aqui encontramos composições que misturam muitos elementos. Death Metal, Prog Death Metal, Thrash Metal e até Heavy. Tudo isso reunido em uma sonoridade elaborada com genialidade e executada com excelência. Tanto a parte instrumental quanto a lírica exalam o maravilhoso perfume da perfeição. O que dizer da sensacional canção de abertura, “Scarvenger Of The Human Sorrow”. Cada um dos instrumentistas deu o seu máximo ali e Chuck a cada disco buscava o aprimoramento de sua voz, inclusive buscando novas formas de utiliza-la.

“Que dor vai demorar / Para satisfazer seu apetite doentio / Vá para a matança / Sempre à vista – presa / A hora sempre certa – festa / Alimente-se da dor – saboreie / Tristeza feita carne – doce / Viva como quiser / Só não se alimente de mim / Se você duvida do que eu digo / Eu vou fazer você acreditar / Rasas são as palavras daqueles que passam fome / Para um sonho que não é seu para cortar e cicatrizar.”

A tríade sequencia a obra de arte, “Bite The Pain”, “Spirit Crusher” e “Story To Tell”, já provava, desde 1998, que é possível que muitíssima melodia se mescle que Metal extremo sem torná-lo fraco, pois, existe o equilíbrio, basta optar por ele e, obviamente, ter capacidade para fazê-lo. Aproveito o ensejo para elogiar a produção fabulosa de Jim Morris. Simplesmente, ele extraiu o melhor de todas as execuções e transformou tudo isso em som cristalino que mantém toda a intensidade do peso.

“Flesh And The Power It Holds”, em português “A Carne e o Poder que Ela Envolve”. Eis mais uma canção dos meus sonhos, a qual trata, concomitantemente, de forma complexa e simples, de toda a podridão humana e ao mesmo tempo de como isso poderia ser aproveitado para evolução do homem como espírito.

“Paixão é um veneno misturado com prazer agridoce / Um dos muitos rostos que se escondem nas profundezas / Vai te levar / Vai te cuspir / Contemple a carne e o poder que ela envolve.”

O lindíssimo tema instrumental “Voice Of The Soul”, atualmente, soa como a despedida e o funeral do Death, que naquele momento, nenhum de nós sabia que iria acontecer com a triste morte de Schuldiner dois anos depois. “To Forgive Is To Suffer” é o que podemos chamar de Progressive Metal. Mais uma temática profundamente inspirada na natureza cheia de conflitos do homem.

“Perdoar é sofrer / Para aceitar outro dia nós escolhemos dar de presente outro pedaço de vida / Perdoar é sofrer / Uma ou duas vezes é gentil / Três ou quatro é cegar / Não é o fim ainda uma maneira de começar / O poder das palavras boas e ruins.”

CHUCK SCHULDINER / Reprodução / Facebook Death Official

“A Moment Of Clarity” (Um Momento de Clareza) encerra as composições próprias do disco mesclando, mais uma vez, Thrash, Death e Prog. Temos aqui, um bando de virtuosos que sabem soar magníficos e não são enfadonhos em segundo algum que seja. O cover da clássica canção do Judas Priest, “Painkiller”, encerra o álbum apresentando mais um lado que sempre funcionou para Chuck Schuldiner, que é o de fazer covers agradáveis, utilizando a própria forma de interpretar músicas de outros artistas renomados e que de alguma forma o influenciaram.

Chuck sempre fará falta e a única forma de diminuirmos esse vazio é contemplando masterpieces feito essa.

Ouça no máximo!

Nota 10,0

Integrantes:

  • Chuck Schuldiner (vocal, guitarra)
  • Shannon Hamm (guitarra)
  • Scott Clendenin (baixo)
  • Richard Christy (bateria)

Faixas:

  • 1.Scarvenger Of Human Sorrow
  • 2.Bite The Pain
  • 3.Spirit Crusher
  • 4.Story To Tell
  • 5.Flesh And The Power It Holds
  • 6.Voice Of The Soul
  • 7.To Forgive Is To Suffer
  • 8.A Moment Of Clarity
  • 9.Painkiller (Judas Priest cover)

Redigido por Cristiano “Big Head” Ruiz

CONFIRA TAMBÉM A RESENHA DO CLÁSSICO “LEPROSY” (1998), ALÉM DO ARTIGO “O QUE CHUCK SCHULDINER PENSARIA SOBRE AS ATUAIS BRIGAS NO DEATH METAL”?

PUBLICIDADE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Veja também

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PARCEIROspot_img

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,583SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
194SeguidoresSeguir
1,151InscritosInscrever

Últimas Publicações