PUBLICIDADE

Resenha: WizardThrone – Hypercube Necrodimensions (2021)

Gravadora: Napalm Records

A pandemia nos afastou, mas quem quer algo sempre consegue. E dentro do Metal é igual, afinal, estamos distantes fisicamente, mas não mentalmente. A tecnologia veio para nos unir em períodos assim. Muitas bandas conseguem se manter ativas mesmo durante o período de isolamento. Já outras são formadas durante esse período. E para outras ainda, mesmo sem pandemia, seria difícil promover um encontro pessoal. Como o caso do WizardThrone, uma banda internacional que surgiu em meio a esse caos.

   

Formada por membros de países diversos que já possuem um bom conhecimento do que é o Metal, o WizardThrone é uma banda peculiar de Death Metal. Prestem atenção na formação dos caras: E. Wizardthrone Brown (ou Eric Brown do Nekroglobikon, Swashbuckle, Vale of Pnath, ex-Inferi) nas baquetas, M. Archistrategos Barber (ou Mike Barber do Deathcode Society, ex-Saturnian) nas guitarras junto com M. Xaviculus Bell (ou Matthew Bell do Autumn’s Dawn, Troldhaugen), C. Hyperiax Bowes (ou Christopher Bowes do Alestorm, Gloryhammer) nos teclados e por fim, V. Morbistopheles Jones (ou Vicent Jake Jones do AEther Realm, ex-Obliette) no baixo e vocais. Com sua localização sendo nos EUA, Reino Unido e Suécia, a sua formação se deu em 2020, em meio a pandemia, e compôs um belíssimo disco para o ano de 2021, o excelente “Hypercube Necrodimensions”.

Se tratando de um Death Metal Sinfônico, você já pode imaginar a brutalidade a qual esperar. Rápido, pesado e muito belo, essas são as primeiras características do compacto apresentado pelo quinteto. A primeira faixa é uma amostra do que esse grupo ainda pode fazer. “Black Hole Quantum Thermodynamics” é um pé no peito de técnica, velocidade e qualidade. Os teclados de Bowes se encaixam perfeitamente nessa faixa brutal e criam uma profundidade impressionante para o som da banda. Além disso, é quase impossível achar algum defeito na bateria de Brown, o cara é um tanque de guerra, se analisarmos as bandas pelas quais passou. Me surpreendeu positivamente o vocal de Jones, eu não esperava algo tão clássico e bom como o que foi apresentado, um destaque positivo para a sonoridade.

Assumindo uma característica mais épica, “Frozen Winds of Thyraxia” possui coros excelentes e vocais profundos, a orquestração (trabalhada totalmente por Bowes) é sublime e encaixa perfeitamente com o andamento do disco. Para os fãs de histórias medievais, aqui está a trilha sonora de livros assim. “Incantation of Red Order” já possui um andamento mais obscuro e tenebroso, com guitarras pesadas e mais sincopadas, entrando em sintonia com o ritmo sombrio da composição.

“Forbidden Equations Deep Within the Epimethean Wasteland” e “Beyond the Wizardthrone (Cryptopharmalogical Revelations of the Riemann Zeta Function)” são faixas que seguem a veia mais épica que a banda demonstrou, sendo excelentes escolhas para os amantes desse tipo de som, as guitarras aqui são um show à parte, com seus timbres excepcionais e solos técnicos, elas tomam a frente e conquistam o ouvinte. Outro ponto muito interessante é na última composição do disco, onde Bowes apresenta seu teclado ao mundo solando ao lado de Barber e Bell.

Dimmu Borgir e SeptichFlesh se sentiriam honrados ao ouvir “The Coalescence of Nine Stars in the System Once Known as Markarian-231”, pois são diversas nuances nessa canção que você conseguirá enxergar claramente a influência desses grandes nomes na criação. Uma música sem defeitos e completa da introdução ao seu término. “Of Tesseractual Gateways and the Grand Duplicity of Xhul” volta a apresentar o lado mais técnico e denso do quinteto, me lembrando em algumas partes, algumas coisas que o Obscura e Hannes Grossman fazem. Por fim, temos a faixa título do disco que funciona como uma sucessora da número 6 do disco (não vou reescrever esse nome gigante). “Hypercube Necrodimensions” é rápida, de duração e de composição, que deixa ainda mais completa a audição desse disco excepcional.

Esse lançamento foi uma grata surpresa para mim, e com toda certeza brigará seriamente para entrar no top 10 desse ano!

Nota: 9,2

Integrantes:

  • E. Wizardthrone Brown (bateria)
  • M. Archistrategos Barber (guitarra)
  • M. Xaviculus Bell (guitarra)
  • C. Hyperiax Bowes (teclado)
  • V. Morbistopheles Jones (vocal e baixo)

Faixas:

  • 1.Black Hole Quantum Thermodynamics
  • 2.Frozen Winds of Thyraxia
  • 3.Incantation of the Red Order
  • 4.Forbidden Equations Deep Within the Epimethean Wasteland
  • 5.The Coalescence of Nine Stars in the System Once Known as Markarian-231
  • 6.Of Tesseractual Gateways and the Grand Duplicity of Xhul
  • 7.Hypercube Necrodimensions
  • 8.Beyond the Wizardthrone (Cryptopharmalogical Revelations of the Riemann Zeta Function)

Redigido por Yurian “Dollynho” Paiva

PUBLICIDADE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Veja também

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PARCEIROspot_img

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,583SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
222SeguidoresSeguir
1,151InscritosInscrever

Últimas Publicações