PUBLICIDADE

Resenha: Infex – “Burning In Exile” (2021)

“Burning In Exile” é o terceiro full lenght da banda californiana de Thrash Metal, Infex, que será lançado de forma independente no próxima dia 13 de agosto. Ele é o sucessor de “Killing For Jesus”, de 2016. O quarteto iniciou suas atividades no ano de 2010 na cidade de Vallejo, tendo como primeiro registro o álbum “Circling the Drain”, disponibilizado em 2012.

A sonoridade do Infex, pelo menos nesse disco, mistura tendências old school americanas e teutônicas (em menor grau). O vocalista, que também é guitarrista, Jack Childs, executa um vocal que me agrada bastante, puxando a velha escola oitentista na maior parte do tempo, salvo alguns momentos que ele arrisca guturais e elementos mais modernos. A dupla de guitarristas formada por Childs e Adam Weber dispara riffs simples e pegajosos, além de solos que equilibram agilidade e feeling, fazendo o meu gosto. A cozinha composta pelo baixista R.C. Morton e o baterista Corey Bell, que utiliza muito bem os pedais duplos, é o alicerce seguro do Thrash Metal praticado pela banda.

   

O registro abre com a rápida e pesada “Blood of the Wicked”. Corey Bell já demonstra logo na introdução o quão bem utiliza seus pedais duplos, colocando ritmo insano e intensidade na canção. Abertura impecável de um ótimo álbum. “The Burning”, ainda mais acelerada que a anterior, prossegue com a surra sonora. Os vocais me remetem a Chuck Billy e o trabalho da dupla de guitarristas é o destaque dessa faixa, tanto nos riffs, quanto nos solos. “Exiled” lembra ainda mais Testament que “The Burning”. Mesmo mantendo o Thrash Metal em 100% do tempo, cada música soa diferente das demais e a banda demonstra sua versatilidade dentro do subgênero.

O single “Acid Reign”, que também foi tema de vídeo clipe, é talvez o Thrash Metal mais moderno praticado pelo Infex no álbum, pois os vocais são completamente diferentes do que se escuta até aqui. A voz é mais “rasgada”, tendo até gutural em alguns de seus trechos. Single de trabalho muito bem escolhido, ainda que ele não represente o que o registro é em sua totalidade. “The Abyss” sustenta a pegada mais moderna, repetindo vocais mais agressivos e guturais, apresentando no instrumental uma mescla dos ingredientes já surgidos no disco. Não acrescenta nada de novo ao contexto, mas não deixa de ser boa. “Legions Of Hate” já me anima bem mais. Os vocais resgatam a pegada inicial, a qual é de minha preferida. Concluo que muito dessa alta vibe da sonoridade do Infex se deve ao trabalho de Bell, o dono das baquetas, que realiza sua função acima de qualquer crítica.

“Acid Reign”

“Ton Apart” me fez lembrar Slayer, discretamente. Ela é uma das faixas mais aceleradas do full lenght e também a de menor duração. “Beer Run” é momento Tankard da obra, pois remete a banda alemã tanto na temática quanto no Thrash Metal/Crossover praticado pelos teutônicos em seus primórdios. “7.62” encerra essa prazerosa audição de Thrash Metal, a qual eu me submeto no dia de hoje. Mais uma canção que soa ímpar. Impressionante como o Infex pouco se repete nesse excelente registro.

“Burning In Exile” do Infex e o “Mornia”, que é o debut da banda alemã Performed, são os lançamentos de Thrash Metal que mais fizeram minha cabeça em 2021 até o dia de hoje. Aprovado e indicado para fãs de Thrash Metal.

Nota: 8,8

Integrantes:

  • Jack Childs (vocal e guitarra)
  • R.C. Morton (baixo e vocal)
  • Adam Weber (guitarra e vocal)
  • Corey Bell (bateria)

Faixas:

  • 1.Blood of the Wicked
  • 2.The Burning
  • 3.Exiled
  • 4.Acid Reign
  • 5.The Abyss
  • 6.Legions Of Hate
  • 7.Ton Apart
  • 8.Beer Run
  • 9.7.62

Redigido por Cristiano “Big Head” Ruiz

PUBLICIDADE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Veja também

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PARCEIROspot_img

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,583SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
221SeguidoresSeguir
1,151InscritosInscrever

Últimas Publicações