PUBLICIDADE

Resenha: Griffon – “De Republica” (2024)

“De Republica” é o terceiro full lenght da carreira da banda francesa de Black Metal, Griffon, o qual saiu no dia 16/2/2024, pelo selo Les Acteurs de l’Ombre Productions. O sucesso do álbum “Ὸ θεὀς ὸ βασιλεὐς” chegou, portanto, quatro anos após o seu lançamento. Griffon nasceu na capital francesa no ano de 2012, lançando o EP “Wig Ah Wag”, em 2014, como seu primeiro registro, porém seu debut completo, “Har HaKarmel”, só chegou quatro anos após sua fundação. Além disso, foi lançado, em 2019, o slip “Atra Musica”, com a banda de Black Metal da cidade de Nice, Darkenhöld. Atualmente, o quarteto conta com o seguinte line-up: Sinaï (guitarra), Aharon (vocal), Kryos (bateria) e Antoine (guitarra).

   
GRIFFON / BLACK METAL / Divulgação / Metal Archives

Primeiro Tridente Infernal

“De Republica” é, antes de mais nada, um álbum conceitual que fala sobre política e guerra. Já como abertura, a belíssima canção “L’homme du Tarn” introduz com efeitos sonoros de bombas e artilharia, ou seja, em um ambiente de combate. Assim que a canção efetivamente começa, ela impressiona tanto pela musicalidade, quanto pela competência de seus músicos. Apesar de todos, sem exceção, merecerem destaque, as variações vocais de Aharon constituem o ponto mais alto dessa faixa inicial.

“E amaldiçoada seja a guerra / Malditas sejam todas as nações / A união popular / E a insurreição / E amaldiçoada seja a guerra / Malditos sejam todos os seus espadachins / A união popular / Escrito em nossos corações / A união popular / E a insurreição”

Em seguida, temos a composição “The Ides Of March”. Enquanto a faixa de abertura tem seu conteúdo lírico em francês, a sua sucessora tem sua letra em inglês. Dessa vez, o músico que merece evidência é o baterista Kryos, por sua performance, ao mesmo tempo, técnica e que realiza tudo que é necessário musicalmente. Sua letra fala sobre o assassinato do imperador Romano Julio Cesar, o qual partiu da deliberação do senado romano, que planejara a execução do monarca e, como resultado, causou um guerra civil, o fim da república e o íncio de uma longa era monárquica.

Se eu pudesse dar uma definição própria de “A l’insurrection”, eu a definiria como Epic Melodic Black Metal, pois é exatamente isso que a canção transmite a mim. Embora estejamos em um audição de Black Metal, é possível embarcar em uma viagem através da história, inclusive se sentindo parte dela.

Griffon / Foto: Melissa Beugnies Photography

Tridente Infernal Final – “Da Republica”

“La semaine sanglante” inicia lenta e etérea para logo depois arder em peso e velocidade. Temos aqui, seguramente, a canção mais acelerada do álbum, contudo, ela também sofre suas variações rítmicas, tendo momentos mais cadenciados. “A semana de sangue”, a qual se refere a letra, aconteceu em 1871, quando o Estado reprimiu uma revolta do povo parisiense. Musicalmente, aliás, ela encerra com solos de guitarra fantásticos.

Dando sequência ao álbum temos “La loi de la nation”, a qual igualmente transita entre o ritmo com mais cadência e acelerações em variadas velocidades. A letre fala sobre a lei aprovada em 1905, a qual transformou a França em Estado laico, dessa forma, separando a parte governamental da Igreja. É notável que desde que a revolução francesa obteve a suas vitórias, os conflitos entre o povo e o Estado jamais deixaram de ocorrer.

“Cristo não é mais soberano / Em terras francesas / A cidade quer que sejamos apóstatas / Esperança pelo nosso rápido declínio / Não há mais perdão para esses mil excessos / Os bárbaros entraram na morada de Deus / Quebrando os tabernáculos abençoados por seus antepassados / Já não é hora do clérigo ter voz no fórum / Neste dia em que o Estado se liberta do jugo de Roma / Virgem Imaculada / Virgem Constelada / Virgem das Lágrimas de Sangue / Virgem, eles matam seus filhos / Despoje os monges / do desenho infernal / Embora todos os cristãos / Defenda as igrejas de armas nas mãos / Cristo não é mais soberano / Uma lei de liberdade / Uma lei inesperada / Uma lei para mimar / Uma lei da razão / A lei da nação!”

A faixa título é a que encerra o terceiro full lenght da carreira do Griffon com a mesma qualidade musical apresentada desde o príncipio. Sendo esse meu primeiro contato com a sonoridade do quarteto, digo que fiquei bastante impressionado com o seu trabalho. Inclusive, suas canções, assim como o seu estilo, me trouxeram à mente a banda de Symphonic Death Metal americana/canadense Ex-Deo. Além de que, o apego lírico em temas históricos sempre me agradou muito. Em suma, se alguém me perguntar, qual a primeira banda de Black Metal que indico no ano de 2024?

É GRIFFON!

Nota 9,0

Integrantes:

Sinaï (guitarra)
Aharon (vocal)
Kryos (bateria)
Antoine (guitarra).

Faixas:

1.L’homme du Tarn
2.The Ides of March
3.A l’insurrection
4.La semaine sanglante
5.La loi de la nation
6.De Republica

   

Redigido por: Cristiano “Big Head” Ruiz

PUBLICIDADE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Veja também

PUBLICIDADE

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,583SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
261SeguidoresSeguir
1,151InscritosInscrever

Últimas Publicações

- PUBLICIDADE -