PUBLICIDADE

MUNDO METAL ENTREVISTA: NICK SAGIAS (TRIBE OF PAZUZU)

Nick Sagias, vocalista e baixista do Tribe Of Pazuzu, banda canadense de Blackened Death Metal, cedeu entrevista ao redator do Mundo Metal, Cristiano Ruiz, falando sobre o lançamento de seu primeiro full lenght, “Blasphemous Prophecies”, o qual foi lançado no dia 6/e/2023, pelo selo Vic Records e, além disso, respondendo questões sobre sua história dentro da música pesada. A fim de saber mais, confira o nosso bate-papo abaixo. Desde que iniciou suas atividades, Tribe Of Pazuzu conta com o seguinte line-up:

   

Nick Sagias (vocal e baixo), Flo Mounier (bateria), Randy Harris (guitarra) e John McEntee (guitarra).

NickSagias / Reprodução Acervo / Robzine Robzine

Questões:

Mundo Metal: após dois EPS, “Heretical Uprising” e “King of All Demons”, enfim, Tribe Of Pazuzu chegou ao seu debut completo em 2023. Esses acontecimentos vieram de acordo com o planejamento do Tribe Of Pazuzu ou a pandemia atrasou o lançamento do primeiro full lenght?

Nick:

“Sim, houve algum atraso durante esse período… Eu tinha a maior parte das músicas prontas no final de 2020, logo após o lançamento de ‘King Of All Demons’, que foi recebido extremamente bem, terminando em muitas listas de final de ano… uma semana depois nosso segundo EP (‘King Of All Demons’) foi lançado, foi quando a Pandemia chegou e eles começaram os bloqueios… então, não houve pressa porque simplesmente nos foi negada a turnê do segundo EP por causa do momento ruim… então eu fiz as pazes com isso e prometi me concentrar no álbum completo e na turnê quando isso for lançado… segundo ano de Pandemia (2021) terminei de arranjar todas as músicas, mas não queria gravar ainda por causa de todas as restrições e ainda haveria ainda não haverá turnê… então esperamos, sentei-me com as músicas para ter certeza de que estavam completamente finalizadas e finalmente reservei o estúdio para junho de 2022 para gravar o álbum completo, nessa época a maioria das bandas já havia começado a turnê novamente, então fiz minha parte para permanecer no caminho certo e relevante.”

Mundo Metal: apesar de trabalhar com uma sonoridade do subgênero híbrido que chamam de Blackened/Death Metal, nota-se que há bastante referência no Death old school dos Estados Unidos da América. Assim sendo, quais são suas principais influências dentro da música extrema e, também, fora dela?

Nick:

“Acho que minhas influências permaneceram mais ou menos as mesmas enquanto escrevo a música para Tribe of Pazuzu desde o primeiro EP “Heretical Uprising” até o lançamento mais recente “Blasphemous Prophecies”… principalmente coisas como Sadistic Intent, Morbid Angel, Possessed, Perdition Temple dos EUA, mas também (mais antigos) Behemoth (até Evangelion), Azarath e Infernal War, Kingdom, amo a cena polonesa… muitas coisas matadoras na cena grega com Dead Congregation, Hate Manifesto, Wargrinder… nem todas influências musicais diretas, mas a brutalidade e implacabilidade de tudo isso… essa vibração é muito importante… muito ódio e raiva que está faltando na maioria dessas bandas chamadas “extremas” hoje em dia… pessoas que sofreram lavagem cerebral ouvirão a palavra “ódio” e imediatamente associarão sua ideia preconcebida fazem isso geralmente de forma depreciativa porque querem se ofender com palavras e ideias, querem ser o salvador sem realmente fazer nenhum trabalho ou ter qualquer significado por trás disso, tudo é ofensivo para eles e eles querem um tapinha na cabeça porque eles acham que fizeram algo de bom… ódio e raiva é o que move essa música abrasiva, a atitude dela, o sentimento dela, ela não está apegada a nada, existe como pura energia e poder… é uma atitude como odiamos o governo, ou odiamos a forma como a sociedade trata de se conformar, ou odiamos a religião…”

Mundo Metal: o feedback do álbum “Blasphemous Prophecies” foi positivo na avaliação da banda, ou seja, tudo ocorrera como era esperado?

Nick:

“Bem, estou feliz com o produto final, saiu como eu pretendia… a execução e a produção são de primeira qualidade e a arte é uma das minhas favoritas de todos os tempos… é sempre uma ótima experiência trabalhar com profissionais… foi muito especial para mim que alguns dos meus amigos de longa data também puderam fazer parte disso, Luc Lemay (Gorguts) e Jorgen Sandstrom (ex Grave, ex Entombed, Torture Division) pelos quais sou eternamente grato, nesse sentido foi um grande sucesso… trabalhar com A Vic Records também tem sido ótimo, nos deu muito apoio, mas não há suporte para turnê, então fica um pouco mais difícil para nós chegarmos lá como uma banda ao vivo… além disso, todos os apoiadores do Tribe gostaram do novo álbum e acabou em muitas listas de final de ano de nossos fãs, então isso também valeu a pena… todas as críticas que recebi foram acima da média e notas altas foram dadas ao álbum e estou orgulhoso disso… com Tribe of Pazuzu, eu não não pretendo reinventar a roda, o Death Metal é perfeito como é, não há necessidade de adicionar nenhum outro estilo ou fórmula a ele, apenas riffs matadores e vocais violentos e bateria estrondosa… algumas pessoas falam sobre ser “inovador” e honestamente isso não é necessário no Death Metal, pessoas que estão entediadas precisam de inovação… Eu amo o Death Metal do jeito que é, e mesmo adicionando elementos de Black Metal ou Thrash está tudo bem porque esses estilos são completamente compatíveis com o estilo do Death Metal e não não vou me desviar para outros gêneros incompatíveis… meu objetivo é fazer música sólida, intransigente e implacável, não ser popular.”

Mundo Metal: quais são os planos futuros do Tribe Of Pazuzu? Turnês na América do Norte, América do Sul ou Europa, já que todo bom disco merece ser divulgado?

Nick:

“Seria ótimo ir lá e fazer uma turnê, mas tem sido difícil colocar todos na mesma página no que diz respeito aos horários… todos manifestaram interesse em fazer uma turnê, mas entre a agenda lotada de Flo e a agenda lotada de Randy, teríamos que encontrar outro guitarrista, porque exige um som de 4 peças com duas guitarras… Eu tentei configurar algumas coisas antes, eu tinha metade de uma pequena turnê preparada que aconteceria em maio/junho depois que o álbum fosse lançado e eu simplesmente travei. Pessoas dizendo que queriam ajudar e simplesmente perderam tudo, acabou, sem mais nem menos, ninguém nunca mais falou sobre nada e ninguém mais respondeu nenhuma das minhas perguntas depois disso… então foi muito doloroso e perturbador ver meu trabalho árduo simplesmente fodido assim, sem preocupações ou comunicação… Acho que deveria estar acostumado com esse tipo de coisa fracassar e nunca mais ter esperanças novamente.”

Mundo Metal: Flo Mounier é, inegavelmente, um dos bateristas mais técnicos do Metal extremo a nível mundial. No entanto, sabemos que em 2023, saiu um novo disco do Cryptopsy e, em 2024, sairá o novo álbum do Vltimas, sendo assim, é possível conciliar a agenda para realizar três turnês, ao mesmo tempo?

   

Nick:

“Obviamente não é possível porque ambas as bandas estão em turnê e nós não… Eu entendo que Flo está muito ocupado e mora em outras partes do mundo, ele se mudou algumas vezes nos últimos anos… então não é tão fácil como se ele não estava mais em Montreal… seria ótimo fazer uma turnê maior, já que ainda somos relativamente novos para muitas pessoas… estando em uma gravadora independente, também não temos muita exposição, mas a maioria das pessoas importantes sabe quem nós somos e as pessoas que acompanharam minha carreira musical sabem, mas ainda é tão underground comparado a todas essas bandas em turnê…”

Pazuzu e a saga “Exorcista I & II”

Mundo Metal: sabemos que o demônio Pazuzu foi o antagonista nos filmes “Exorcista I” & “II”, durante a década de 70. O nome Tribe Of Pazuzu tem alguma relação com essa produção cinematográfica?

Nick:

“Sim, claro, sou fã destes filmes desde que os vi quando era muito jovem… talvez aos 6 ou 7 anos? Sempre esteve na minha cabeça fazer algo com essa ideia de Pazuzu, mas nunca encontrei nada que realmente se encaixasse até começar a escrever a música para o primeiro EP do Tribe… e eu sabia que queria algo sombrio e com elementos do oculto e fazer algo muito mais sombrio, rápido e implacável do que jamais havia feito antes… além disso, usando um nome como Pazuzu, eu estava consciente disso e queria sinalizar para os outros que isso seria sombrio e implacável, nada comercial ou diversão ou tentar entrar no rádio, era exatamente o oposto disso… Fiz partes menos lentas porque não queria ficar nessa vibração mais lenta, queria tirar as partes que poderiam arrastar e apenas manter todas as carne…”

Pazuzu / Art BY: Santiago Francisco Jaramillo 🤘😈🔥

Mundo Metal: conte-nos como você conheceu Flo Mounier, John McEntee, Randy Harris e se houve músicos que tocaram anteriormente no projeto.

Nick:

“Tive um amigo em comum que me ajudou a ajeitar isso… ele sussurrou no meu ouvido para tocar com Flo no início de 2016 ou 2017, mas eu descartei porque tinha uma mentalidade fraca, onde achava que os músicos deveriam ser apenas amigos, eu sei que tocam um pouco de guitarra… mas rapidamente aprendi que não temos todos os mesmos objetivos, assim como a habilidade musical… Fiquei limitado na minha escrita por causa desses músicos, mostrei-lhes demos e eles apenas diziam “não consigo tocar isso” então tivemos que descartar muitas músicas matadoras, bem como a direção… bem, então eu disse vamos tentar isso, vamos pegar Flo… e o nome de John foi mencionado na primeira conversa, então eu sabia que já estávamos no caminho certo… Randy veio alguns meses depois porque eu precisava de alguém para fazer solos… Fui até a casa do Randy para revisar algumas ideias e vi que sua mão estava à altura da tarefa de tocar a velocidade alucinante das novas músicas que eu estava escrevendo, então ele acabou vindo para Montreal comigo para gravar suas partes de guitarra”

“É interessante porque eu estava conversando com um ex-guitarrista sobre isso e disse a ele ‘prefiro trabalhar com profissionais que possam acabar se tornando amigos, em vez de amigos que não são profissionais e não sabem tocar as partes’ e ele respondeu ‘isso é triste’, o que é um comentário hilário de se fazer, se não fosse tão triste por si só que essa é a mentalidade dele… limitar seu jeito de tocar e suas habilidades com caras que não estão à altura da tarefa, ter uma pilha de músicas gravadas que você sabe que nunca poderá ser tocado ao vivo, mas obviamente isso também é uma escolha… mas por que você não gostaria de trabalhar com os melhores?”

Mundo Metal: você passou um período na Holanda, enquanto tocou com com Pestilence, qual a diferença entre a cena da América do Norte e da Europa?

Nick:

“Na época (1991), percebi que a maioria do público europeu gostava muito mais do que apenas metal, o que é legal porque eu também… eles também assistiam a shows de punk e outras músicas alternativas… e eu achei a cena Death Metal muito hardcore e dedicada. …Vi vários shows legais enquanto estive lá, foi muito divertido sentir o clima de uma cena diferente.”

Mundo Metal: esteja à vontade para avaliar a entrevista e dizer o que quiser sobre Tribe Of Pazuzu, assim como sobre a cena underground.

Nick:

“Eu sinto que a cena underground é muito saudável, sempre foi o grande equalizador do mainstream onde eles tentam promover o metal extremo… há um pouco de esnobismo nela sobre coisas estúpidas como produção, o que não faz sentido para mim… essa ideia de produção ruim dos anos 80 que deveria ser “verdadeira”, antes de descobrirem como fazer com que o bumbo fosse mais audível… escolhendo a nostalgia em vez da qualidade… para mim, é importante documentar essas coisas e a música é para sempre… você coloque algo em mp3, por exemplo, e carregue esse arquivo para que todos tenham acesso a ele, ele continua vivo como a mídia física, então por que deveria soar mal? Dedicamos muito tempo para soarmos firmes, então é ótimo ter uma gravação adequada que possa preservar isso… mas estamos felizes por ser uma banda underground e continuaremos incansáveis com a música e não nos curvaremos a nenhuma ideia de apelo de massa…”

“Obrigado pela entrevista irmão! espero que vocês gostem!”

Mundo Metal:

   

Nós é que devemos agradecer pela enriquecedora entrevista que você nos cedeu, assim como, desejar que os caminhos do Tribe Of Pazuzu estejam cada vez mais dentro do que você espera! Parabéns por seu trabalho!

PUBLICIDADE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Veja também

PUBLICIDADE

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,583SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
261SeguidoresSeguir
1,151InscritosInscrever

Últimas Publicações

- PUBLICIDADE -