PUBLICIDADE

Metallica e Slayer: espionando um ao outro para ver quem era mais rápido e pesado nos anos 80

Hoje em dia, é simples mencionar estas bandas e lembrar do “Big Four” do Thrash Metal americano. Automaticamente, vem no mesmo cardápio Megadeth e Anthrax, para fechar o quarteto mais poderoso deste subgênero ao lado de Metallica e Slayer, respectivamente. Fica bastante notável a proximidade das mesmas com relação às suas origens.

Para se ter uma ideia mais clara disso, Dave Mustaine tocou originalmente no Metallica antes de formar o Megadeth; Kerry King estava inicialmente iterado em tocar no Megadeth antes de se comprometer totalmente com o Slayer. Metallica e Slayer fizeram suas estreias gravadas pela Metal Blade Records, tornando toda a história do Metal californiano uma das mais importantes para a música pesada. Além do novaiorquino Anthrax, fechando a quadra.

   

A proximidade entre Metallica e Slayer se destacou graças às suas primeiras gravações em compilações famosas do selo Metal Blade. O Metallica apareceu com “Hit The Lights” na “Metal Massacre” de 1982, enquanto o Slayer surgiu com “Aggressive Perfector” na “Metal Massacre III” de 1983.

Brian Slagel, fundador e CEO da Metal Blade, foi um dos caras que contribuíram para a construção e consolidação do Thrash Metal, ajudando tais bandas a darem os seus primeiros passos rumo a carreiras de sucesso. Slagel comentou à Metal Hammer sobre a proximidade entre Metallica e Slayer, e se de fato ambas ficavam espionando a sonoridade uma da outra:

“Metallica e Slayer nunca foram muito próximos. Eles eram competitivos. Eu era amigo de ambas as bandas, e o Metallica me perguntava, ‘O que o Slayer está fazendo? O que eles estão escrevendo?’ E os caras do Slayer me perguntavam: ‘O que o Metallica está fazendo?'”

Slagel continua:

“Era, ‘Quem é mais rápido? Quem é mais pesado?’ Na verdade, eles tocaram juntos no início em Orange County (Califórnia). Foi realmente no início da carreira do Slayer – provavelmente foi apenas o segundo ou terceiro show que eles tocaram.”

Para Kerry King, guitarrista do Slayer, o Metallica nunca foi um rival para eles, mas sim uma influência. Afinal, os caras também estavam lutando contra toda aquela cena Glam que permeava o lugar. King explanou sobre como funcionavam as coisas antes:

“Eu gosto de Speed Metal ou Thrash Metal – fórmulas que ainda não tinham esse nome – que é o que eles eram para mim. Eu gostava do que eles faziam com eles e já estava no Venom. Acho que uma mistura de Venom, (Judas) Priest e Metallica meio que fizeram do Slayer o que o Slayer é. Ao invés de serem uma competição naquele ponto, estávamos todos competindo contra o Glam.”

Fica clara e nítida a impressão de que as bandas, naquela época, não se viam como rivais, mas como componentes de algo positivo em prol do que eles queriam para a música em si. O Glam pode não ser um vilão assustador, mas foi um dos fatores motivacionais para que o Thrash Metal florescesse e se estabelecesse como uma das ramificações mais sólidas do Metal desde então.

PUBLICIDADE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Veja também

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PARCEIROspot_img

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,583SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
221SeguidoresSeguir
1,151InscritosInscrever

Últimas Publicações