PUBLICIDADE

Lançamento: Immolation – “Acts of God” (2022)

“Acts Of God” é o novo full lenght da banda americana de Death Metal, Immolation.

   

Desde a sua criação, o Death Metal passou por “mutações”, gerando uma série de subgêneros que, apesar de orbitarem o mesmo núcleo, assumiram formas diferentes. No entanto, há casos que negam a possibilidade de mudança, não porque não podem, mas porque simplesmente não querem.

Immolation se enquadra nesse nicho. Com um portfólio fortemente enraizado em suas origens, a banda simboliza o espírito de perseverança e consistência, nunca se afastando muito de sua fórmula original de Death Metal nova iorquino. Embora existam diferenças sutis entre músicas e álbuns, eles se baseiam em fundamentos criativos comuns, esculpidos no mesmo monólito sonoro. Uma estrutura massiva que resulta da interação de três elementos centrais: os riffs dissonantes de Robert Vigna, os guturais profundos de Ross Dolan e uma bateria intrincada que rejeita qualquer tipo de convencionalidade.

Uma receita distinta, que acaba por separar a banda do resto da matilha. Sejam lançamentos reverenciados como “Here in After” (1996), “Close to a World Below” (2000), “Dawn of Possession” (1991), “Unholy Cult” (2002) ou “Majesty and Decay” (2010), esses veteranos tem lançado alguns dos álbuns mais icônicos do estilo. Um legado notável, apenas ao alcance de alguns escolhidos.

“Acts of God”

Como previsto, o 11° álbum de estúdio do Immolation homenageia o passado enquanto ainda mostra contrastes sutis com seu antecessor. Sua natureza longa (o que o torna o álbum mais longo da carreira da banda) e masterização de médio alcance são os aspectos que mais impressionam. A abordagem mais ampla também o distingue do caráter hermético de “Atonement”, o que lhe dá um aspecto mais moderno sem prejudicar o DNA da banda.

Embora cinquenta e dois minutos de audição possam assustar alguns ouvintes, é importante enfatizar que o disco tem um fluxo notável, navegando por vários dinamismos. Todas as músicas apresentam flutuações de tempo, oscilando entre andamentos lentos e arranjos intrincados, dando-lhes uma personalidade animalesca. Apesar da abordagem elaborada de “Acts of God” , os segmentos de ritmo lento são inegavelmente uma de suas características mais definidoras. “Immoral Stain”, “Derelict of Spirit” ou “Let the Darkness In” não apenas confirmam esse argumento, mas também empurram o álbum para um território majestoso, um pouco análogo à “Majesty and Decay”.

As partes lentas e dinâmicas catapultam a música para dimensões colossais, como se incorporasse uma marcha de titãs ancestrais. Esse cenário surrealista, embora presente em toda a sua discografia, assume agora uma maior preponderância, contrastando com momentos mais up-tempo, como a faixa de abertura, “The Age of No Light”, “Broken Prey” ou “Apostle”. O equilíbrio entre essas dinâmicas é, portanto, vital para a identidade do disco.

Divulgação / Nuclear Blast / IMMOLATION

A fórmula do Immolation em “Acts of God”

Embora se possa argumentar que o Immolation possui uma fórmula um tanto monocromática e repetitiva, não é menos verdade que também indica um caráter forte. E mais uma vez, os músicos mostraram que não estão dispostos a mergulhar em território desconhecido, portanto “Acts of God” não pegará o ouvinte desprevenido. A confiabilidade do Immolation sempre foi uma das marcas do coletivo, bem como uma de suas maiores forças. Nesse sentido, o álbum é familiar e envolvente, estilisticamente e consistente com o legado da banda. Assim como as performances musicais do quarteto, que permanecem instantaneamente reconhecíveis a cada passo. A música continua orbitando os riffs vertiginosos de Vigna e os vocais imponentes de Ross Dolan, ancorados pela performance fenomenal de Steve Shalaty nas baquetas. Embora a técnica de Steve sempre tenha sido impressionante, provavelmente aqui está a sua melhor performance, sem dúvida sendo um dos destaques.

Reprodução / Facebook / IMMOLATION

Como um deus vingativo, Immolation mais uma vez devasta a terra com sua ira, permanecendo tão letal como sempre, pois reflete um dos lados mais sombrios que o estilo tem a oferecer. Mais do que um novo capítulo realizado, “Acts of God” é um monólito de Death Metal esculpido para resistir ao teste do tempo e da mudança, inalterado em essência e forma.

Isso porque, há coisas que devem permanecer inalteradas.

Nota 10,0

Integrantes:

  • Ross Dolan (vocal, baixo)
  • Robert Vigna (guitarra)
  • Steve Shalaty (bateria)
  • Alex Bouks (guitarra)

Faixas:

  • 1.Abandoned
  • 2.An Act of God
  • 3.The Age of No Light
  • 4.Noose of Thorns
  • 5.Shed the Light
  • 6.Blooded
  • 7.Overtures of the Wicked
  • 8.Immoral Stain
  • 9.Incineration Procession
  • 10.Broken Prey
  • 11.Derelict of Spirit
  • 12.When Halos Burn
  • 13.Let the Darkness In 0
  • 14.And the Flames Wept
  • 15.Apostle

Redigido por: Thiago de Menezes

PUBLICIDADE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Veja também

PUBLICIDADE

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,583SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
261SeguidoresSeguir
1,151InscritosInscrever

Últimas Publicações

- PUBLICIDADE -