[Isto….É clássico!] Ten Years After

PUBLICIDADE

Rebuscando a história do Rock, ainda impressiona a quantidade de rótulos aos quais as bandas e seus discos foram (e ainda são) submetidos.

Tudo seria muito mais simples se usássemos apenas a palavra “Rock” para definir um grupo ou um disco o qual gostamos. A mesma banda que particularmente soa como Rock, ganhou subgênero, rótulo e vários apelidos: Acid, Rock, Soft Rock, Art Rock, Arena Rock, Southern Rock, Stoner Rock, Modern Rock, Prog Rock, Hard rock e tantos outros.

Porém, foi em meados dos anos 60 que surgiu o Classic Rock, definição dada a músicos de Rock ‘N ‘ Roll, surgidos naquela década, passando pelos anos 70, indo até o começo dos anos 80. Embora, não seja especificamente um estilo, o rótulo foi dado a bandas como: Beatles, Kinks, Rolling Stones, The Who, Led Zeppelin, Creedence Clearwater Revival, Yardbirds, Free, Cream, Bad Company e tantas outras.

Abrindo um espaço para o estilo, vamos falar de discos (e grupos) que merecem atenção e audição especial. Alguns destes, por trazerem em sua sonoridade elementos simples e que influenciaram e continuam influenciando inúmeras bandas. Algumas delas, chamadas de “Nova Geração do Rock”.

Preparem seus ouvidos afinal de contas, “Isto..É Clássico”.

Integrantes:

Alvin Lee (vocais, guitarras)

Leo Lyons (baixo)

Chick Churchill (orgão)

Ric Lee (bateria).

Álbuns Mencionados:

A Space in Time (1971)

Rock & Roll Music to The World (1972)

Ano de Atividade: 1967 a 1974, 1988 – Ativa

Nossa Máquina do Tempo aporta no ano de 1966 em Nottingham, Inglaterra, cidade onde nasceu o TEN YEARS AFTER, quarteto formado por Alvin Lee (vocais,

guitarras), Leo Lyons (baixo), Chick Churchill (orgão) e Ric Lee (bateria).

O primeiro disco, “Ten Years After”, chegou às lojas um ano após sua formação, em 1967. De cara o grupo foi classificado como uma banda de Blues Rock, embora algumas publicações da época os classificassem também como uma banda de Progressive Blues Rock.

Trazendo em sua discografia trabalhos excelentes, o grupo foi uma das atrações do aclamado Woodstock Festival, realizado entre os dias 15 e 18 de agosto de 1969, em Bethel, região de Nova York, Estados Unidos.

Um dos trabalhos geniais do quarteto chegou às lojas em outubro de 1971. Trata-se de “A Space In Time”, sexto disco da carreira do quarteto que trazia 10 faixas, divididas em aproximadamente 38 minutos. Bem recebido, o disco figurou nas paradas musicais da Austrália, Canadá e Estados Unidos. A faixa “I’d LOve To Change The World” atingiu a 10a posição no Canadá e a 40a posição nos Estados Unidos.

Embora este tenha sido o maior sucesso do álbum, o quarteto não costumava tocá-lo ao vivo.

Com o sucesso do single supracitado, o grupo emplacou outro single, “Baby Will You Don’t Let Me Rock ‘n’ Roll You”, canção que figurou na 61a posição dos Estados Unidos e 54a posição no Canadá.

O disco foi um grande sucesso na carreira do Ten Years After, figurando também na 18a posição da Australian Music Report e a 17a posição da Billboard 200.

Canções como, “One Of These Days”, “Here They Come”, “I’d Love To Change The World”,” Over The Hill” e “Once There Was A Time” são os grandes momentos de um trabalho que recebeu excelentes críticas e as comparações com o Led Zeppelin foram inevitáveis, já que a banda adicionou em algumas de suas composições a sonoridade de violão acústico.

Mantendo ritmo e a qualidade mostrada em “A Space Time”, o quarteto lançou em outubro de 1972 o genial “Rock & Roll Music to The World”, sétimo álbum da carreira, contendo nove faixas, divididas em pouco mais de 45 minutos.

Canções como: “You Give Me Lovin”, ”Convention Prevention”, “Turned Off TV Blues”, “You Can’t Win Them All”, “Tomorrow I’ll Be Out Of Town e Rock & Roll Music To The World” marcam a qualidade musical do quarteto, considerados pela crítica como uma banda muito melhor ao vivo do que em estúdio.

Em 2003, Alvin Lee deixa a banda após nove discos lançados. Joe Gooch foi o substituto. Com ele, o grupo lançou “Now” em 2004, “Evolution” em 2008 e “Live A Fiesta City”, álbum ao vivo lançado em 2009, sendo este o mais recente trabalho da banda.

Em sua jornada musical o TYA, emplacou oito discos no top 40 da UK Albums Charts, além de estrearem doze álbuns (de estúdio e ao vivo) nas paradas da Billboard 200 dos Estados Unidos.

O grupo emplacou hits como: “I’m Going Home, I Love to Change The World”, “Love Like a Man “e “Hear Me Calling”. Esta última, gravada pelo quarteto britânico Slade em 1972.

Em sua discografia, a banda conta com onze álbuns oficiais, sete “ao vivo” e inúmeras coletâneas.

Alguns de seus singles alcançaram posições importantes em países como: Alemanha, Bélgica, Dinamarca, Finlândia, França, Itália, Irlanda, Noruega, Nova Zelândia, Reino Unido, Suíça, além dos já citados, Estados Unidos e Canadá.

O grupo teve sua música classificada como: Classic Rock, Blues Rock, Progressive Blues Rock, Hard Rock e até Folk Rock. A banda também foi comparada a grandes nomes do Rock & Roll como: Rolling Stones, Cream, Free, Bad Company e Led Zeppelin.

Ouça agora mesmo:

Redigido por Geovani Vieira

PUBLICIDADE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Veja também

PUBLICIDADE
PARCEIROspot_img

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,663SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
151SeguidoresSeguir
960InscritosInscrever

Últimas Publicações