PUBLICIDADE

Resenha: Nile – “Vile Nilotic Rites “(2019)

“Vile Nilotic Rites” é o novo full lenght do Nile.

   

Dizem que Nile jamais decepciona. Seu nono álbum completo, “Vile Nilotic Rites”, lançado em 2019 pelo selo Nuclear Blast, portanto, comprova essa afirmativa. Ja que a banda de Brutal/Death Metal da cidade de Greenvile parece ficar ainda melhor a cada novo registro. As letras com temática egípcia e canções recheadas, ao mesmo tempo, de técnica e selvageria conquistam cada vez mais fãs para o Metal da Morte com o passar dos anos.

Início

“Long Shadows Of Dread” já abre o álbum mostrando o habitual cartão de visitas do Nile e sua conhecida sonoridade extrema, exatamente da maneira que se esperava. A técnica dos músicos impressiona muito.

“The Oxford Handbook Of Savage Genocidal Warfare” supera a faixa anterior em peso, velocidade e virtuosismo. A banda parece querer explorar além do extremo já conhecido. Na sequência, a faixa título reduz um pouco o andamento, mas não a brutalidade. A bateria de George Kollias só falta falar, pois ele é acima da média.

Em seguida, um som como de orquestra introduz “Seven Horns Of War”, minha canção preferida do disco, com o baixista Brad Parris realizando uma performance de fazer cair o queixo. Dessa forma, temos uma faixa de quase nove minutos de duração que passa longe de ser enjoativa. Pois, só ela já teria feito o trabalho não ter sido em vão. “That Which Is Forbidden” proporciona uma atmosfera Doom Metal em seus primeiros acordes, mas após dois minutos, trás o Death Metal de volta.

“Snake Pit Mating Frenzy”, por sua vez, tem uma pequena pitada de Thrash em seu tempero, fato que, inegavelmente, a torna bem interessante no contexto do álbum.

Reprodução / Facebook / George Kollias

A brutalidade tem o seu lugar garantido aqui

“Revel In Their Suffering” tem os melhores riffs do full-lenght. Ainda que ela sustente a tônica das primeiras faixas, tem um ar épico que a torna única. O tema instrumental “Thus Sayeth The Parasites Of The Mind” é completamente baseado em música egípcia e serve de introdução para “Where Is the Wrathful Sky”, a qual, igualmente, intercala sonoridades típicas do país árabe. Excelente canção, diga-se de passagem.

Reprodução / Facebook / NILE

As músicas mais extensas são um dos pontos mais fortes do Nile. “The Imperishable Stars Are Sickened” prova isso de uma vez por todas, ja que suas variações e influências rítmicas são responsáveis pela elevação do nível musical da banda. O disco encerra com “We Are Cursed”, a qual mescla elementos presentes em todo o seu conteúdo. Enfim, uma bela despedida, deixando um gosto de quero mais, que só será saciado no lançamento do próximo full-lenght.

Reprodução / Facebook / NILE

O Metal da Morte apresentado em “Vile Nilotic Rites” enche o Deus Anúbis de orgulho, fazendo com que nós, meros mortais metalheads, também nos orgulhemos de seu resultado final.

Vida longa ao Nile a ao seu Brutal/Death Metal.

Nota: 8,9

Integrantes:

  • Karl Sanders (vocal, guitarra, teclado)
  • George Kollias (bateria)
  • Brian Kingsland (guitarra, vocal)
  • Brad Parris (baixo, vocal)

Faixas:

  • 1.Long Shadows Of Dread
  • 2.The Oxford Handbook Of Savage Genocidal Warfare
  • 3.Vile Nilotic Rites
  • 4.Seven Horns Of War
  • 5.That Which Is Forbidden
  • 6.Snake Pit Mating Frenzy
  • 7.Revel In Their Suffering
  • 8.Thus Sayeth The Parasites Of The Mind
  • 9.Where Is the Wrathful Sky
  • 10.The Imperishable Stars Are Sickened
  • 11.We Are Cursed
   

Redigido por Cristiano “Big Head” Ruiz

PUBLICIDADE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Veja também

PUBLICIDADE

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,583SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
261SeguidoresSeguir
1,151InscritosInscrever

Últimas Publicações

- PUBLICIDADE -