PUBLICIDADE

Clássicos: BLACK SABBATH – “VOL 4”

“VOL 4”, como o próprio título sugere, é o quarto full lenght da carreira do Black Sabbath.

   

Data de lançamento: 25 de Setembro 1972

Esse foi meu primeiro disco, o álbum que acabou com a inocência da minha infância e me jogou de vez para o mundo do Rock.

Diferentemente dos 3 primeiros clássicos da banda (“Black Sabbath”, “Paranoid” e “Master of Reality”) que foram produzidos por um cara chamado Rodger Bain, que arrancou aquele som clássico, arrastado e com afinações mais baixas, com o característico baixo “gordo” de Geezer Butler, esse petardo foi auto produzido, apesar de na ficha técnica constar o crédito a Patrick Meehan (que era o empresário da banda então).

Sonoridade única:

Esse é um álbum único, sonoramente falando, pois é um marco entre o som dos 3 primeiros lançamentos e aqueles que viriam depois dele. Embora considerado um dos mais pesados registros da banda, as músicas são uma massa sonora bem menos definida do que os trabalhos anteriores e posteriores, e também foi de grande influência para todas as bandas de Doom Metal e Stoner Rock da atualidade.

BLACK SABBATH /Acervo / Vol 4

Até hoje possuo a cópia do lançamento original, com capa e encarte duplos e o hipnótico selo Vertigo espiral, bem distinta das sofríveis versões tupiniquins que vieram posteriormente.

Esse disco foi composto numa mansão de 3 andares em Bel Air/CA, USA, ao passo que as composições aconteciam num cinema no subsolo.

A faixa de abertura é “Wheels Of Confusion”, um mini épico com pouco mais de 8 minutos e letras bem realistas, mostrando, desse modo, que a banda não estava nem aí para o sonho Hippie e flores no cabelo.

Logo depois, temos a forte e constante “Tomorrow’s Dream”, faixa que foi a abertura nos shows dessa tour. “Changes”, talvez um dos maiores hits da banda e certamente a mais famosa desse disco, é uma linda balada de piano e mellotron, onde Ozzy passeia sua voz melancólica.

“FX” é uma faixa curta de efeitos sonoros que foram arrancados quando Tony Iommi esbarrou acidentalmente seu pesado crucifixo num microfone, servindo de abertura para a colossal “Supernaut”, que vinha em seguida, com temas psicodélicos e que encerra o lado A da bolacha.

Vale lembrar que essa era a faixa favorita de John Bonham e a que ele sempre pedia pra tocar com eles no estúdio. Imaginem esse som nas mãos do homem do trovão…

Black Sabbath: Geezer Butler, Tony Iommi, Bill Ward and Ozzy Osbourne (Photo by Chris Walter/WireImage)

Vol 4, lado B

   

O lado B abre com a polêmica “Snowblind”, uma clara alusão ao uso constante de cocaína e que seria a faixa título do álbum, não fosse a pressão da gravadora. Nos créditos, há uma menção de agradecimento à Coke Company of Los Angeles, mas a Coca Cola nunca os patrocinou… “Cornucopia” é outra faixa curta e extremamente pesada, no estilo de “Tomorrow’s Dream”.

A belíssima e acústica instrumental “Laguna Sunrise” foi escrita por Tony Iommi enquanto amanhecia, à beira de um lago homônimo, depois uma noite bem “agitada’“.

“St. Vitus Dance” é, na minha opinião, a mais fraca do disco, mas ainda assim, pesada e constante.

BLACK SABBATH / Acervo

Então, o mastodonte Doom chamado “Under The Sun” encerra essa jamanta do Heavy Rock, com temas religiosos e diversas mudanças rítmicas, uma verdadeira pérola da música pesada.

Esse não é um álbum cheio de hits como “Paranoid” ou “Master of Reality”, mas com certeza, “Vol 4” marcou a vida de muita gente, inclusive a desse que vos escreve.

Keep It Heavy!

Integrantes:

  • Bill Ward (bateria)
  • Ozzy Osbourne (vocal)
  • Tony Iommi (guitarra, piano, mellotron)
  • Geezer Butler (baixo, mellotron)

Faixas:

  • 1.Wheels of Confusion
  • 2.Tomorrow’s Dream
  • 3.Changes
  • 4.FX
  • 5.Supernaut
  • 6.Snowblind
  • 7.Cornucopia
  • 8.Laguna Sunrise
  • 9.St. Vitus Dance
  • 10.Under the Sun

Redigido por: Alan Breslau

CONFIRA A RESENHA DO CLÁSSICO “MASTER OF REALITY” (1971):

PUBLICIDADE

Comentários

  1. Para falar a verdade eu não gosto muito das músicas com cara de som comercial: Paranoid, Changes e outras…!!!! Esse album me atrai, é um dos meus favoritos…gosto muito da faixa “Laguna Sunrise”, era uma época em que ouvia muito esse clássico no Vinil em casa de amigos!!!! Só tenho elogios a esse disco e época, bons tempos de antigamente…valeu!!!!

  2. Um dos meus favoritos dessa fase que eu sempre achei o verdadeiro Sabbath. Eu tinha 12 anos e foi amor à primeira ouvida! Puta disco que junto aos 3 primeiros não saem da minha cabeceira

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Veja também

PUBLICIDADE

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,583SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
261SeguidoresSeguir
1,151InscritosInscrever

Últimas Publicações

- PUBLICIDADE -