PUBLICIDADE

TOP 10: Thrash Metal Alemão

Há algum tempo, o Mundo Metal vem publicando algumas matérias que envolvem listas com os discos preferidos de seus redatores. Apesar de ser um tipo de artigo muito divertido para se fazer, reflete apenas a opinião pessoal de quem escreveu e, portanto, não pode ser considerado um ranking que representa verdadeiramente a posição do site como um todo. Para pagar tal dívida que tínhamos com vocês, resolvemos reunir todos os nossos colaboradores e estipular alguns critérios, objetivos e subjetivos, para que tivéssemos uma série de listas definitivas de alguns estilos.

   

Para começarmos, escolhemos o Thrash Metal da escola alemã. Devemos lembrá-los que estes rankings tem unicamente a função de entreter. Não queremos ditar regras ou verdades absolutas aqui. As posições de cada álbum são baseadas nas nossas análises pessoais e nos critérios que acreditamos serem os mais importantes, portanto, se você não concorda, não tem problema algum. Se o seu disco favorito não está na lista, use o espaço de comentários para argumentar sobre os motivos que te fazem acreditar que ele merecia estar.

Para compor esta lista, estipulamos certas regras como a entrada de somente um disco de cada banda e alguns do critérios que usamos para análise são a aceitação crítica dos registros, importância para a época, nível técnico em comparação a outros discos da banda e, obviamente, o fator diversão, entre outros.

Sem mais delongas, vamos aos 10 melhores discos do Thrash Metal alemão, segundo a equipe de redatores do Mundo Metal:

10 – Holy Moses – The New Machine Of Liechtenstein (1989)

Muito se fala em inclusão e, nos dias de hoje, muitas bandas que possuem integrantes mulheres são enaltecidas com toda a justiça. Se atualmente temos nomes como Alyssa White-Gluz, Angela Gossow, Tatiana Shmailyuk e muitas outras em destaque na cena Metal mundial, muito disso é devido as performances de Sabina Classen. Enquanto os marmanjos dominavam o Heavy Metal nos anos 80, o Holy Moses trouxe os vocais femininos cavernosos de Sabina como um retoque final para sua sonoridade. “The New Machine Of Liechtenstein” é o nosso escolhido para abrir o ranking do Thrash alemão e, sem dúvidas, é uma obra extremamente marcante.

9 – Assassin – The Upcoming Terror (1987)

O disco de estreia do Assassin jamais poderia deixar de ser mencionado em nossa lista. Além de ser um registro visceral, ainda traz composições técnicas e letras excelentes. Mesmo com a banda não conseguindo repetir o feito nos discos posteriores, “The Upcoming Terror” é um verdadeiro marco para o Thrash teutônico.

8 – Tankard – Chemical Invasion (1987)

Talvez a banda de Thrash mais divertida do mundo, o Tankard trouxe para o estilo um lado mais descontraído, inconsequente e politicamente incorreto. Se você adora músicas rápidas e energéticas, é um tomador de cervejas profissional e não corre de um bom mosh, certamente, o Tankard deve ser uma de suas bandas do coração. Mesmo sendo considerado o primo pobre do “Big Four alemão”, álbuns como “Chemical Invasion”, “Zombie Attack” e “The Mourning After” se transformaram em verdadeiros clássicos.

7 – Deathrow – Raging Steel (1987)

O Thrash alemão é repleto de ótimas bandas que lançaram alguns trabalhos realmente memoráveis e depois desapareceram. O Deathrow é uma dessas e, após 5 discos de estúdio memoráveis, resolveram encerrar as atividades. “Raging Steel” é o segundo da discografia e se equilibra muito bem entre o Thrash mais rápido e visceral, mas não deixa de lado a técnica e as construções mais arrojadas.

6 – Paradox – Heresy (1989)

Sabe aquela obra prima incontestável? “Heresy” é o grande masterpiece da excelente discografia do Paradox. Mesmo com outros discos extremamente competentes lançados, jamais conseguiram superar o poder de fogo deste registro. Thrash técnico, cheio de mudanças rítmicas, viradas inesperadas e muita melodia. Simplesmente irretocável.

5 – Violent Force – Malevolent Assault Of Tomorrow (1987)

Um dos muitos casos na história do Metal em que uma banda lança um debut sensacional e depois acaba. “Malevolent Assault Of Tomorrow” é uma verdadeira aula de agressão sonora e não deixa nada a desejar se for comparado com os grandes discos do estilo. Não tem o mesmo glamour e a mesma fama dos demais, mas faz a alegria dos garimpeiros como nós. Merece ser apreciado em cada detalhe.

4 – Exumer – Possessed By Fire (1986)

O Exumer tinha tudo para ser mais um dos nomes que surgem muito bem e depois desaparecem. Apareceram de forma fulminante com “Possessed By Fire” e “Rising From The Sea”, depois encerram atividades. Para nossa sorte, retornaram em 2008 e já foram mais três grandes obras para conta de lá para cá. “Possessed By Fire” é um trabalho perfeito e só não está mais bem colocado por que daqui em diante falaremos de obras absolutamente clássicas para o Metal mundial em geral.

3 – Destruction – Eternal Devastation (1986)

   

Também poderia ser “Infernal Overkill” ou “Release From Agony”, mas criamos uma regrinha para listar apenas um disco de cada banda e no caso de Destruction, Kreator e Sodom, fizemos uma votação interna para escolher qual o disco que seria elegível. “Eternal Devastation” foi o nosso escolhido por motivos óbvios, hinos como “Curse The Gods”, “Life Without Sense” e “Eternal Ban”, além das guitarras motoserra que dão um charme todo especial a este grande trabalho. Os riffs de Mike e os vocais Schmier soam perfeitos e são apenas alguns dos pontos que tornam este álbum obrigatório.

2 – Sodom – Agent Orange (1989)

Visit my website https://vinyl-albums.eu for complete album information and thousands of album cover photos

Apesar de “Persecution Mania” ser um dos registros mais fantásticos de todo o Thrash Metal, o nosso escolhido foi o “óbvio” “Agent Orange”. Apesar dos fãs do Sodom enaltecerem a discografia retilínea e sem deslizes, em se tratando de relevância, importância e peso histórico, o “Agente Laranja” é imbatível e traz hinos do porte de “Tired And Red”, “Remember The Fallen”, “Augesbombt”, “Baptism Of Fire” e a canção título. Sem concorrência.

1 – Kreator – Extreme Aggression

O maior expoente do Thrash alemão também foi a banda mais difícil de escolher um disco elegível para este humilde ranking. Poderia ser “Endless Pain”, poderia ser “Pleasure To Kill”, poderia ser “Terrible Certainty” e poderia ser “Coma Of Souls”, mas nosso escolhido foi o fabuloso “Extreme Aggression”, pois é nele que o Kreator definiu o seu estilo de som e é nele que estão hinos como “Betrayer”, “Love Us Or Hate Us”, “Some Pain Will Last”, “No Reason To Exist” e a poderosa faixa título.

Disco técnico, agressivo, trabalhado e bruto. Um verdadeiro masterpiece!

Redigido por: Fábio Reis

PUBLICIDADE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Veja também

PUBLICIDADE

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,583SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
261SeguidoresSeguir
1,151InscritosInscrever

Últimas Publicações

- PUBLICIDADE -