PUBLICIDADE

Stryper: “é uma espécie de indústria do diabo”, diz Robert Sweet sobre a indústria da música

Bandas como Stryper sempre encontrarão resistência em uma comunidade como a do Heavy Metal. Decerto, parte dos headbangers, e me refiro aos cristãos e não cristãos, possuem certa ojeriza de bandas que espalham mensagens religiosas e sejam abertamente defensoras de ideologias cristãs. Isso acontece, primeiramente, por conta da perseguição religiosa que o Heavy Metal sofreu no decorrer das décadas por parte de líderes e instituições.

   

Mesmo com todas essas dificuldades, existe a parte do público que não se incomoda e outra que até mesmo prefere esse tipo de conteúdo lírico. Sendo assim, o Stryper conseguiu firmar-se como a maior banda cristã do Metal e, com muitos anos de carreira, estabeleceram uma base de fãs fiel.

Em uma nova entrevista concedida ao Sofa King Cool Magazine, o baterista Robert Sweet falou sobre diversos assuntos polêmicos envolvendo a banda.

Sobre o Stryper não ser totalmente aceito na comunidade do Metal e Hard Rock por conta de sua temática, ele disse:

“Eu acho, e muitas pessoas nos disseram, especialmente na indústria, ‘se vocês não estivessem fazendo essa coisa de Jesus, e nós sabemos que vocês estão falando sério’, e nós fazemos isso mesmo, ‘vocês teriam vendido muito mais, talvez milhões de discos’. E, realmente, quero que todos saibam que essa é a verdade, porque o rádio nunca nos tocou. E foi um milagre termos chegado à MTV. Mas ainda assim, até hoje, o rádio nos tocou muito pouco. Mas estávamos dispostos a receber esse golpe financeiramente. E às vezes tem sido difícil. Tem sido muito injusto porque muitas pessoas vieram e disseram: ‘Ei, cara, eu não sou cristão, mas vocês são uma das melhores bandas que já ouvi’. E eu respondo, ‘bem, ótimo, obrigado’. Não nos consideramos melhores do que ninguém, mas tínhamos que persistir. Tínhamos que ter certeza de que a mensagem de Jesus estava em primeiro lugar e na frente de todo o resto, não importa o que as pessoas dissessem. já passamos por momentos difíceis, estou lhe dizendo, eu não sabia que tantas pessoas iriam contra nós nos anos 80, e até hoje, mas tudo valeu a pena.”

Quando o assunto foi se o Stryper foi prejudicado por alguma outra banda de Metal que por ventura não queria tocar junto ou não queria levá-los em uma turnê em conjunto, Robert foi franco:

“Bem, ninguém queria nos levar junto. Então fomos forçados a ser a atração principal. Ninguém queria sair e tocar com a gente. Queríamos abrir para quem pudéssemos. Isso foi uma honra para nós, tocar com bandas que crescemos ouvindo, mas naquela época, acho que as pessoas tinham uma ideia errada. E elas tinham medo disso. Então isso nos forçou a virar headliner. E realmente talvez isso tenha ajudado nossa carreira, não sei. Senti que talvez Deus estivesse conosco, dizendo: ‘não, você não vai seguir esse caminho’. E foi diferente, porque a maioria das bandas não faz isso. Quando você está começando, você sai com bandas maiores. E já fizemos muitos, muitos festivais, mas isso tem acontecido, principalmente, na minha opinião, desde que começamos novamente em 2003. Mas naquela época, nos anos 80, quando estávamos fazendo grandes coliseus e outras coisas, éramos basicamente nós apenas seguindo direto pela estrada e sendo a atração principal.”

Reprodução

Sobre outras bandas utilizarem figuras demoníacas e pregarem o satanismo ou qualquer outro tipo de religião pagã, mas o Stryper não ser bem visto quando faz o mesmo evidenciando sua própria crença, Sweet comentou:

“Bom, tem algumas pessoas que não gostam disso, mas é porque na maioria das vezes não nos viram, ou não sentaram e ouviram o que é o Stryper. Mas também tem pessoas que amam o Stryper e que não são cristãos. E eles vieram e disseram: ‘ei…’

Eu me lembro do meu irmão, Michael Sweet, e falei com um satanista, acho que ele era, quero dizer, isso foi na França. E ele veio e disse: ‘vocês são a maior banda de White Metal do mundo. Por que vocês não estão tocando no grande festival ao lado? Por que vocês estão tocando neste lugar com 3.000 lugares e que por sinal está esgotado? Vocês deveriam estar naquele outro palco ali’. E nós dissemos: ‘bem, sim, gostaríamos disso.’ Mas ele foi tão elogioso conosco. E ainda assim ele foi muito aberto ao afirmar que era um verdadeiro satanista, mas ele amava o som do Stryper… E essa sempre foi a nossa esperança.

Quero que você saiba que há muitas coisas boas acontecendo na indústria musical, mas, de certa forma, é uma espécie de indústria do diabo. E sempre esperamos entrar nessa indústria e afetá-la de uma boa maneira. E você tem que ser tocado por Deus para fazer isso. Você não pode simplesmente fazer. Não vai funcionar. Você vai ficar infeliz e vai falhar. E fico triste quando vejo certas bandas tentando fazer isso e tudo está contra elas. Mas se você vai levar a mensagem de Jesus, eu realmente sinto que você precisa ser ungido por Deus para fazer isso. E nós sentimos isso tão forte. Ainda sentimos isso tão forte que nada poderia nos impedir de fazê-lo.”

O que você pensa sobre este tema? Há espaço para todos os tipos de pensamentos e crenças dentro do Metal? Deixe sua opinião no espaço reservado aos comentários!

PUBLICIDADE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Veja também

PUBLICIDADE

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,583SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
261SeguidoresSeguir
1,151InscritosInscrever

Últimas Publicações

- PUBLICIDADE -