PUBLICIDADE

Sepultura: Max Cavalera diz não guardar rancor de sua ex-banda

Max Cavalera, um dos grandes artistas do Metal nacional que ajudou a proliferar o estilo pelo paìs e divulgá-lo mundo afora falou mais uma vez sobre sua relação com o atual Sepultura e comparou também seus projetos após sua saída da banda em meados de 1996.

   

Em entrevista ao General Population com Marco Lesher, Max disse:

“Isso não me incomoda. É o que é. No final do dia, os fãs sabem o que a banda era e o que é agora, a diferença (entre as duas). E eu realmente não me importo. Não estou amargo. Eles fazem o que fazem; eu faço o que eu faço. É assim há muito tempo. Mas não dá para tocar os clássicos, aqueles discos que fizemos (nas décadas de 1980 e 1990). Ainda vale, mas é o que é.”

Max enfatizou:

“Se você realmente quer ouvir algo que soe próximo do que era, você tem que vir ver eu e o Igor tocarmos. Essa é a única coisa que vai ficar perto do que era, naquela época.”

Muitos ainda acreditam em uma reunião da formação clássica do Sepultura, mas isso nunca esteve próximo de acontecer e tampouco deve se concretizar. Ao menos que todos os envolvidos decidirem por isso, obviamente.

A fase do Sepultura após os lançamentos dos álbuns “Machine Messiah” e “Quadra”, só elevou o patamar da mesma.

Max emplacou um novo projeto com seu filho Igor Amadeus Cavalera, nomeado Go Ahead And Die e lançou recentemente o disco homônimo; segue com o Soulfly em primeiro plano; mantém firme a parceria com seu irmão Iggor Cavalera junto ao Cavalera Conspiracy; faz parte do projeto Killer Be Killed.

Confira a entrevista através do vídeo abaixo:

PUBLICIDADE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Veja também

PUBLICIDADE

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,583SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
261SeguidoresSeguir
1,151InscritosInscrever

Últimas Publicações

- PUBLICIDADE -