PUBLICIDADE

Resenha: Unleashed – “The Hunt For White Christ” (2018)

O termo “Swedish Death Metal” possui uma importância enorme dentro do cenário da música extrema mundial. A escola sueca detém um poderio que se equipara com qualquer outra localidade que se identifique com o Death Metal da velha escola. E neste ano um grande expoente dos adeptos da música mortífera e perversa acaba de lançar um novo disco. Falo do grande Unleashed que acaba de apresentar o tão esperado “The Hunt For White Christ”, após três anos do bem sucedido “Dawn Of The Nine” (2015). Contando com este disco são 13 álbuns de estúdio e como dizem por aí, os ares de Estocolmo favorecem as hordas da morte. Destaco aqui a super trinca inicial “Where No Life Dwells” (1991), “Shadows In The Deep” (1992) e “Across The Open Sea” (1993), clássicos do estilo.

   
Reprodução/Divulgação

Os temas seguem a velha linha nórdica tradicional bastante direta e sem firulas aonde um dos vários filhos de Thor, Vidaurgelmthul, é bastante citado e homenageado em meio a muitas mensagens de luta e braveza, com passagens sobre as atrocidades relacionadas aos conflitos dos pagãos perante as religiões cristãs e o Cristo Branco – modo como Jesus é mencionado à época pelos vikings. A explicação mais conhecida era que o deus cristão fora chamado dessa forma (“Hvítakristr” no original) provavelmente devido ao fato de que os convertidos recém-batizados eram obrigados a vestir roupas brancas durante a primeira semana após o batismo.

Johnny Hedlund, líder da banda, sempre se mostrou ser um cabra empenhado que gosta de construir músicas de acordo com seu legado. O resultado só poderia ser uma abertura crua e direta como uma pancada de um kraken nas embarcações. Conforme se inicia a faixa “Lead Us Into War” – que recebeu um lyric video assim como a faixa-título, a convocação para a guerra de Oldaheim e a saudação ao filho de Thor se fazem presentes nas estrofes berradas por Hedlund. Uma letra simples, direta e sem nenhuma complexidade. A segunda canção, “You Will Fall” , inicia com uma leve introdução que se transforma em puro peso envolto por uma melodia que remete ao At The Gates atual, mais precisamente o disco “At War With Reality” (2014). Folkare e Olsson ditam esse ritmo mais diferenciado, sem perder a identidade e fazendo a jogada certa durante as variantes das notas. Como é dito nos versos sobre a mensagem dos guerreiros de Midgard, “Você pode correr, mas não pode se esconder”.

Terceiro hino de batalha aonde a horda sueca percorre um caminho mais voltado aos discos recentes, principalmente ao anterior a esse. “Stand Your Ground” prossegue com o peso característico sem deixar a bigorna do ferreiro cair no dedão do pé, reforçado pelos versos que contam sobre o momento de ficar firme e lutar para não perder o que fora construído. Na sequência temos três músicas que mostram a super força e versatilidade de Schultz que trabalha de forma exímia em seu kit. São elas: “Gram” – que evidencia Hel, deusa do Reino dos Mortos. “Terror Christ” – que fala por si só em seus versos: “Mulheres queimadas, crianças cortadas em pedaços/ Corpos estripados sem cabeças/ Alguns sem genitais e olhos/ Eis as obras do terror de Cristo”. E “They Rape The Land” – relacionando a santa reivindicação do deus cristão com os crimes cometidos em terra.

Reprodução

Passamos da metade do papiro musical e “The City Of Jorsala Shall Fall” traz uma faceta ainda mais densa contando sobre a busca pela vingança e queda da cidade de Jorsala. Elementos de Dismember, Asphyx e o próprio Unleashed resgatando e passando por sua própria discografia elevam ainda mais o som do trovão dessa tempestade sonora. De repente, a faixa título já está rolando e descubro através das runas que “The Hunt For White Christ” lembra e muito “To Asgaard We Fly”, faixa de abertura do disco “Across The Open Sea” já citado acima. Percebo que além de toda a história contada sobre a caçada ao Hvítakristr, é uma boa aula de geografia passando por Jorsala e pela Germania.

Se nenhuma faixa aqui desmorona a ponto de assustar os cavalos e desalinhar as tropas, “Vidaurgelmthul” chega pisando firme no solo gélido em meio ao clima temperado, fazendo com que os ouvidos sensíveis das tropas rivais sangrem fortemente. “By The Western Wall” é a canção com solos mais longos dos aventureiros Folkare e Olsson, mas que não decaem, pois o Mjölnir foi lançado junto aos versos cantados repletos de ódio e sede de vingança em busca do Cristo Branco e seus filhos.

pics by Arto Lehtinen

No final ainda temos um encerramento digno representado por “Open To All The World”, faixa que remete à vitória dos exércitos de Midgard, a fuga covarde do Cristo Branco e a abertura das fronteiras para as pessoas do mundo inteiro numa grande mistura de raças e culturas. O Hvítakristr representa o fechamento e o banimento das diferenças, e a luta indica a busca pela liberdade para todos os povos. Um grande final para mais um disco de qualidade do bom e velho Unleashed. Que sigam em frente e mantenham-se firme perante as batalhas colossais que estarão por vir. E você, caro leitor, não hesite em conferir o que consta nesse novo pergaminho de uma das melhores bandas de Death Metal deste mundo e de outras dimensões!

Nota: 8,8

Integrantes:

  • Johnny Hedlund (baixo e vocal)
  • Anders Schultz (bateria)
  • Fredrik Folkare (guitarra)
  • Tomas Olsson (guitarra)

Faixas:

1. Lead Us Into War
2. You Will Fall
3. Stand Your Ground
4. Gram
5. Terror Christ
6. They Rape The Land
7. The City Of Jorsala Shall Fall
8. The Hunt For White Christ
9. Vidaurgelmthul
10. By The Western Wall
11. Open To All The World

Redigido por Stephan Giuliano

PUBLICIDADE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Veja também

PUBLICIDADE

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,583SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
261SeguidoresSeguir
1,151InscritosInscrever

Últimas Publicações

- PUBLICIDADE -