PUBLICIDADE

Resenha: Testament – “Brotherhood Of The Snake” (2016)

“Brotherhood Of The Snake” é o novo full lenght do Testament.

   

2016 foi um ano em que o Thrash Metal apresentou lançamentos de um nível absurdo. Um dos grandes destaques sem dúvidas é a grande fase que as bandas mais antigas e tradicionais vivem. Tivemos Anthrax, Megadeth, Destruction, Sodom, Death Angel e até mesmo o Exumer, apresentando os seus mais novos trabalhos, e que trabalhos! Todos com uma qualidade acima da média e demonstrando que os “velhinhos” ainda tem muita lenha pra queimar, sorte nossa.

Confirmando o bom momento do gênero, o Testament concebeu o conceitual “Brotherhood Of The Snake”. Apesar das declarações dos guitarristas Alex Skolnick e Eric Peterson afirmando que o disco seria uma espécie de “Reign In Blood”, o trabalho equilibra muito a pancadaria desenfreada com doses cavalares de melodia. Assim sendo, a comparação com o clássico do Slayer não se confirmou. Porém, isso não é nenhum demérito. O novo disco do quinteto californiano é certamente um dos melhores álbuns de Thrash do ano, o que não é pouco se somarmos a quantidade de ótimos registros lançados.

TESTAMENT / Line-up 2016 / Acervo

Composições do “Brotherhood of the Snake”

Todas as faixas foram compostas por Peterson e apesar de Chuck Billy ter mencionado que as gravações foram tensas em diversas entrevistas, o resultado final de “Brotherhood Of The Snake” é surpreendente e mostra o velho Testament em uma forma invejável. A formação atual é praticamente uma seleção de músicos gabaritados e do alto escalão da música pesada, houve apenas uma troca de integrantes com relação ao último trabalho e um dos destaques deste novo petardo é justamente relacionado a essa troca. O baixista Greg Christian deu lugar ao monstruoso Steve DiGiorgio, que repete a cozinha insana do álbum “Individual Though Patterns” do Death, com o relógio humano Gene Hoglan nas baquetas.

Essa parte rítmica é tão fantástica que precisaríamos de uma resenha completa apenas pra analisar com precisão o que esses dois caras são capazes de fazer. Se não bastasse, o Testament ainda conta com o talento inquestionável do virtuoso guitarrista Alex Skolnick e a solidez de Eric Peterson, isso sem mencionar que Chuck Billy talvez viva o melhor momento de sua carreira e consegue alternar com precisão todas as suas técnicas vocais.

Destaques do disco

É claro que ter músicos tão espetaculares não é garantia de músicas agradáveis, mas aqui os caras desfilam toda a sua técnica de maneira muito natural e nos presenteiam com faixas matadoras. A veia mais agressiva e visceral é predominante no disco e em faixas como “Centuries Of Suffering”, “Canna Business” e “The Number Game”, o grupo pisa no acelerador sem dó.

Na desenfreada “Stronghold”, a brutalidade é tanta que em alguns momentos, nota-se até mesmo alguns elementos de Death Metal. Ainda temos “Born In A Rut”, “Neptune’s Spear” e principalmente “Seven Seals” (o melhor refrão do trabalho). A cadência aparece para contrastar com a velocidade, já que nessas canções a banda se torna mais maleável. No entanto, a recordação de álbuns como “Practice What You Preach” e “Souls Of Black” é inevitável. Nas faixas “Brotherhood Of The Snake”, “The Pale King” e “Black Jack”, a banda alterna partes ultra velozes e outras bem melódicas, trazendo ao disco uma variedade de ritmos incrível e enriquecendo demais a audição.

Testament / Credit: Stefan Brending

Andy Sneap na produção mais uma vez

A produção ficou mais uma vez a cargo de Andy Sneap e realmente o cara parece saber como atingir as timbragens exatas e equilibrar de maneira perfeita aquela sonoridade mais suja e característica do Thrash, com a limpidez e clareza das produções mais atuais. Como resultado, ficou bem satisfatório e é mais um grande trunfo a ser ressaltado no álbum.

A temática de “Brotherhood Of The Snake” faz menção a uma sociedade secreta (A Irmandade da Serpente) que supostamente existiu a mais de seis mil anos atrás e teve como papel renegar todas as religiões existentes, a Irmandade também é ligada a “reptilianos” e teorias da conspiração envolvendo alienígenas. Quase todas as músicas tem o tema ligado a este assunto, porém não contam uma história sequencial. A arte da capa é do artista Eliran Kantor, assim como aconteceu com a capa de “Dark Roots Of Earth”. Ele é conhecido por seus trabalhos com Hatebreed, Soulfly e Kataklysm.

Mesmo com todos os acertos e pontos acima ressaltados, o novo registro não supera o disco anterior, considerado um novo clássico para muitos, em contrapartida, consegue ao menos se equiparar e não soar uma cópia ou uma sequência óbvia. “Brotherhood Of The Snake” é mais Thrash Metal, mais brutal e mesmo com toda a sua complexidade, é um disco mais simples, direto e cru que “Dark Roots Of Earth”. O Testament mantém o alto padrão dos seus lançamentos e consegue aqui emplacar uma sequência que impõe respeito. Confirmando, dessa forma, o momento grandioso da banda. Em suma, exaltando a capacidade criativa de um estilo que um dia ousaram blasfemar e decretar como morto, mero engano.

Integrantes:

  • Chuck Billy (vocal)
  • Eric Peterson (guitarra)
  • Alex Skolnick (guitarra)
  • Steve DiGiorgio (baixo)
  • Gene Hoglan (bateria)

Faixas:

  • 1.Brotherhood of the Snake
  • 2.The Pale King
  • 3.Stronghold
  • 4.Seven Seals
  • 5.Born in a Rut
  • 6.Centuries of Suffering
  • 7.Neptune’s Spear
  • 8.Black Jack
  • 9.Canna-Business
  • 10.The Number Game

Redigido por Fabio Reis

PUBLICIDADE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Veja também

PUBLICIDADE

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,583SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
261SeguidoresSeguir
1,151InscritosInscrever

Últimas Publicações

- PUBLICIDADE -