Resenha: Marcelo Souza – “Human vs Machine” (2021)

PUBLICIDADE

“Human vs Machine” é o segundo full lenght do guitarrista taubateano Marcelo Souza, que sucedeu o debut “Circle Of Fire”, que foi lançado em 2011. “Human vs Machine” saiu no último dia 7 de maio de forma independente.

Trabalhos solos de guitarristas são, inexplicavelmente, subvalorizados. Nessa esfera musical, álbuns clássicos nasceram e guitarristas se eternizaram como lendas, Steve Vai, Joe Satriani, Yngwie Malmsteen, Vinnie Moore, Marty Friedman, Jason Becker, entre outros. No Brasil temos nossas próprias lendas, Edu Ardanuy, Kiko Loureiro, Wander Taffo, Mozart Mello, Marcos Pópolo e muitos outros. Não nos faltam guitarristas geniais. Recentemente resenhei o álbum de Kiko Shred, “Rebellion”, e hoje farei o mesmo com o segundo full lenght solo da carreira do talentoso Marcelo Souza.

O tema instrumental “Duel Of Serpents” abre o trabalho, mostrando toda a competência de Marcelo Souza, que é acompanhado pela super cozinha formada pelo baterista Argos Danckas e pelo baixista Lucas Barbosa. A canção sofre muitas alterações rítmicas em diversas passagens. A riqueza melódica oferecida pelos solos de Marcelo é fantástica e transborda musicalidade.

A faixa título, que foi tema de vídeo clipe, é puro Power Metal e conta com os vocais do aclamado Mario Pastore. Na ocasião do lançamento do seu vídeo clipe, ela foi elogiadíssima, inclusive por grandes nomes do mundo da música, e todos esses elogios são muito merecidos. Seus riffs são destruidores e seus solos são igualmente impressionantes. Destaco ainda a linha de baixo de Lucas Barbosa e bateria de Danckas. Ademais, “Human vs Machine” me remete as canções com vocal dos primeiros álbuns do Malmsteen, as quais aprecio demais. “Vida social deu seu último suspiro / Vá dar uma olhada dentro de você / Vá se distrair mais na multidão / Procure um mundo de notícias / Humano contra máquina, esteja preparado para a mudança, o passado se foi / Humano tentando novamente, esteja preparado para o jogo / A vida real é apenas uma.” Além de toda a maestria em seu instrumental, temos um tema lírico muito interessante e atual. A tecnologia nos trouxe muitas facilidades e melhorias em nossa qualidade de vida, mas por outro lado nos afastou uns dos outros e é sobre isso que trata a letra de “Human vs Machine”. Vale a pena dar toda a atenção a ela.

“Take A Chance” dá sequência na obra. Ela me parece uma mescla de influências entre Steve Vai e Joe Stariani. Distintamente da faixa de abertura, ela é mais simples sem tantas mudanças rítmicas, porém não menos agradável. Lucas, novamente, desenvolve linhas de baixo que se sobressaem e merecem destaque positivo. Mais uma tema instrumental, “Secret Code”, pouco mais cadenciado que a faixa antecessora, dá continuação a esse ótimo full lenght. Marcelo Souza executa alguns de seus solos e riffs mais complexos do registro, evidenciando seu alto nível técnico. Mais uma vez, Pastore cede o seu talento, dessa vez para a balada “Stronger”, que introduz com dedilhados e bonitos arranjos de baixo. O solo de guitarra de Marcelo Souza é puro feeling como deve ser. Pastore faz uma interpretação à altura do seu nome como vocalista, proporcionando um dos melhores momentos da audição.

“High Tension” tem aquela pegada mais Fuzzion, que é presente nos discos mais recentes do Joe Satriani. Marcelo Souza demonstra que esse tipo de pegada mais “gingada” também é a sua praia. O pequeno tema “Artificial Intelligence” pode ser definido como uma bela balada instrumental, possuindo uma veia Prog Rock dos anos 70, algo entre Genesis e Yes. Essa é a melhor forma que encontro de definir sua sonoridade. “Dangerous Game” introduz mais lenta e ganha um pouco mais de velocidade cerca de dois minutos depois. Mais um tema que remete a Satriani. Será Joe Satriani a principal influência de Marcelo Souza? Não temos como saber. Essa dúvida continuará, mas o importante e termos certeza da qualidade de suas composições. Isso, eu afirmo com toda a certeza. Quase no fim dessa estrada, o tema “74’ White Maverick”, que tem uma veia mais Rock’N’Roll, chega para abrilhantar ainda mais o caminho e ainda conta com a participação muito especial do guitarrista Luiz Carlini.

O segundo álbum solo de Marcelo Souza termina com o pequeno instrumental acústico “Tomorrow”. Foi uma audição muito prazerosa para mim, pois me lembrei de todos aqueles discos mais voltados ao instrumental que escutei em minha juventude e foram boas essas lembranças.

Fiquei muito contente em ter a oportunidade de escrever essa resenha e lamento o fato desse tipo de trabalho não receber o devido valor que mereceria. Aprovado e indicado para fãs de Heavy Metal, Power Metal, Prog, Fuzzion, Joe Satriani, Yngwie Malmsteen e Steve Vai. Se você é um daqueles que aprecia tudo isso, esse disco foi feito pra você.

Nota: 8,8

Integrantes:

  • Marcelo Souza (guitarra)
  • Mario Pastore (vocal)
  • Argos Danckas (bateria, teclado)
  • Lucas Barbosa (baixo)
  • Luiz Carlini (guitarra em “74’ White Maverick“ )

Faixas:

  • 1.Duel Of Serpents
  • 2.Human vs Machine
  • 3.Take A Chance
  • 4.Secret Code
  • 5.Stronger
  • 6.High Tension
  • 7.Artificial Intelligence
  • 8.Dangerous Game
  • 9.74’ White Maverick
  • 10.Tomorrow

Redigido por: Cristiano “Big Head” Ruiz

PUBLICIDADE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Veja também

PUBLICIDADE
PARCEIROspot_img

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,663SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
152SeguidoresSeguir
960InscritosInscrever

Últimas Publicações