Resenha: Kvaen – “The Funeral Pyre” (2020)

PUBLICIDADE

Gravadora: Black Lion Records

Que a Suécia tornou-se referência quando o assunto é música pesada, isso é tão certo quanto a soma de dois mais dois. Não é de hoje que o país surpreende através da qualidade musical de suas bandas, sejam elas de Hard, Heavy, Thrash, Death, Black e por aí vai.

O simples fato de descobrir que um determinado grupo tem como origem a Suécia, então é certo que seu disco será ouvido, apreciado e certamente o nível de satisfação irá beirar os cem por cento. Dito isso, é hora de falar do Kvaen, banda sueca formada em 2019 na cidade de Kalix, Norrbotten e que lançou, em fevereiro de 2020, seu álbum de estreia, o excelente “The Funeral Pyre”, via Black Lion Records.

Abordando temas como natureza, paganismo e guerras, o disco contém apenas 45 minutos de duração divididos em oito faixas inéditas calcadas no Black, Melodic Black, Viking e Pagan Metal. Apesar da amálgama de estilos, é importante frisar, que tudo aqui é devidamente sincronizado, arquitetado e executado, de forma sublime e inteligente, resultando em um trabalho honesto, relevante e obrigatório aos fãs dos estilos supracitados.

Antes de adentrarmos nas melodias profanas do CD, é preciso dar nome ao gênio por trás da arte, Jakob Björnfot (ex, Duskfall, Autumn Death, Devil’s Force, Ghost Chip Octavius), responsável por todos os instrumentos e também pelos vocais que trazem aquele ar “lírico” e “sutil” tal quais as famosas canções de ninar.

Considerações feitas é hora de mergulhar no lado negro da força e se por ventura o dia estiver chuvoso, denso e escuro, então teremos o clima perfeito para aumentar o volume, torcer para que bolas gigantes de fogo sejam lançadas na superfície terrestre, causando caos, destruição e desespero, enquanto você alheio a tudo com seus fones conectados aos ouvidos não enxergará o planeta sucumbindo do outro lado da porta.

A destruição sonora tem início com a estupenda “Revenge By Fire”, faixa que abre o disco trazendo, em seis minutos de duração, a trilha sonora perfeita para o apocalipse. Rápida, agressiva e com seus vocais ríspidos que nos remetem ao que fazem os noruegueses do Immortal, somos envolvidos por melodias brutais, riffs sensacionais de guitarras e em dado momento uma atmosfera branda regida por um piano que se une as linhas incríveis de contra baixo, fazem deste o grande destaque da música.

Como é de costume dizer: Excelente faixa de abertura e trilha perfeita para nossos mais terríveis pesadelos.

As linhas cortantes de guitarras de “Yee Naaldlooshii” nos remete aos bons tempos do Satyricon, quando estes lançaram na metade dos anos 90 o magistral “Nemesis Divina”, um dos grandes trabalhos dos noruegueses.


Falando de “Yee Naaldlooshii”: Sem tempo para perceber o que nos atacou, somos atingindo com um chute na cabeça através das melodias perturbadoras aliadas aos vocais insanos e vomitados de Jakob. Em mais uma excelente composição, o músico consegue unir numa única faixa elementos de Black Metal, Heavy Metal e Atmospheric, já que em dado momento somos envolvidos por breves e singelas melodias lembrando a sonoridade do Eldamar.

Sem perder a linha e a qualidade sonora, é hora de conferir a estupenda “The Funeral Pyre”, faixa que batiza o disco. Com seu início despretensioso e atmosfera voltada ao Ambient/Dark, somos envolvidos por melodias e harmonias que nos remetem aos noruegueses do Vintersorg.

Logo, a calmaria cede espaço para os riffs pesados, sonoridade brutal, vocais rasgados e agressivos de Jakob que profere palavras sutis e encantadoras como: “Deus do fogo / Deus da morte / Mostre-me o caminho para a iluminação / Se você precisar de um sacrifício / Então eu irei providenciar e deixar este mundo para trás / Deus de chamas e sombras / Espalhe sua doença sobre aqueles que o negam / Dance com o fogo e abrace o beijo da morte / Ouça as palavras além do vazio, toque cada acorde dissonante / Lindas na cor, assim como no tom/Eu vi minha morte diante dos meus olhos / Eu vi o fim deste mundo / Acenda a tocha e toque o sino/Pois estou a caminho”.

Além do já citado Vintersorg, nomes como Lord Belial e Old Mans Child, também servem como referência musical neste que é um dos grandes momentos do Kvaen.

Como um trator em total demolição, “Septem Peccata Mortalia” é mais um momento glorioso do álbum. Com suas melodias rápidas e brutais, estamos diante um híbrido de Heavy/Thrash e Black Metal, numa junção perfeita e muito bem distribuída. Apesar de sua essência girar em torno do Black Metal, Jakob aposta em vocais rasgados e modernos, lembrando bandas como Soilwork, Dark Tranquility, At The Gates, The Crown e In Flames (fase inicial).

Ainda no campo de referências, The Duskfall e Borknagar (fase inicial) também integram a lista.

Ao som de lobos uivantes, “The Wolves Throne”, anuncia mais um daqueles hinos profanos e perturbadores, nesta que é mais uma das melhores faixas do disco.


Em mais uma composição perfeita e cadenciada (em seu início), descambando para o Melodic Black Metal nos instantes seguintes, Jakob Björnfot consegue transportar o ouvinte ao “trono dos lobos”, descritos em sua letra como “seres supremos, nascidos do sêmen da serpente”.

Em suas harmonias e instrumental é possível encontrar elementos harmoniosos e flertes com a sonoridade de nomes como, Ihsahn, Demonaz, Immortal, I, Abbath e Mossgiver, banda de Atmospheric Black Metal da Eslovênia. Aqui, as linhas de vozes nos remetem a nomes como Dimmu Borgir (fase, “Enthrone Darkness Triumphant”), Seth, Gorgon (ambos da França) e Dissection.

Como dito anteriormente, esta é indiscutivelmente uma das mais belas faixas do disco, cujos destaques ficam por conta das linhas sutis de teclados e as guitarras que aqui fazem uma dobradinha deveras interessante.

Mantendo o equilíbrio musical e em alta, “As We Serve The Masters Plan” é a próxima paulada no crânio. Apesar de seus vocais mais rasgados e sonoridade voltada aos Black Metal emanado em todo o álbum, é possível notar uma pegada Death Metal nas vozes agressivas de Jakob. Acredito que não seria nenhum exagero dizer que ouvindo atentamente e por diversas vezes, é possível notar algo de Chuck Schuldiner, provavelmente uma das influências do músico.

Diante dessas suposições cabe a seguinte pergunta: Seria o Kvaen, um discípulo do lendário DEATH?

Como um verdadeiro chute nas costelas “Bestial Winter”, é mais uma composição vibrante e sem dúvida a música mais Heavy Metal do álbum.

Soando diferente das faixas anteriores (apesar dos vocais ásperos) e galgando por outras paisagens, somos levados ao encontro do Heavy Metal com o Black e o Death Metal numa composição a qual podemos classificar como Death/Black.

Em seus “seis minutos e meio” de duração, um passeio por riffs pesados, bateria veloz, vocais insanos e solos de guitarras soando “melódicos” para os padrões do disco.

Porém, não se deixe enganar e achar que temos aqui uma música leve e/ou comercial. Definitivamente não! A verdade é que a bateria veloz e os vocais vomitados fazem toda a diferença e no final o que seria uma música simplória, transforma-se em mais um momento genial de “The Funeral Pyre”. Ou seja, nada aqui é o que de fato parece ser.

O golpe final veio com “Hymn To Kvaenland”, faixa instrumental que também foge um pouco do Black Metal praticado em quase todo o trabalho. Com suas linhas de guitarras pesadas e solos puramente Heavy Metal, temos aqui uma música simples e sem a agressividade presente em todo o disco onde as linhas de guitarras parecem ter sido feitas por Øystein G. Brun do Borknagar. Com suas harmonias mais cadenciadas e mergulhadas no Atmospheric/Ambient Black Metal, uma composição “mediana” fecha um trabalho excepcional.

Apesar de seu encerramento brando, é preciso lembrar que acabamos de ouvir um trabalho excepcional voltado ao Black Metal, idealizado e conduzido pela mente brilhante, criativa de um músico promissor que com maestria lidera um projeto recém-nascido, mostrando que musicalmente o futuro pode ser denso e perturbador.

Trabalhos como “The Funeral Pyre” jamais deveriam passar batido e/ou ficar de fora das listas dos apreciadores de Metal extremo, já que o jovem Jakob Björnfot demonstra toda facilidade de unir numa mesma canção a agressividade do Black Metal com o lado mais soft do Ambient, Atmospheric, Black e Death Metal.

Numa avalanche de discos lançados diariamente, é fato que muitas bandas passam batido e por vezes seus registros (excelentes) atingem meia dúzia de ouvintes, já que a dificuldade de acompanhar os inúmeros lançamentos torna-se um fato recorrente.

Diferente de algumas bandas do estilo, o Kvaen consegue, através de suas melodias sombrias e obscuras, prender a atenção do ouvinte que sem perceber viaja nas harmonias ácidas e agonizantes de faixas como “Revenge By Fire”, “Yee Naaldlooshii”, “The Funeral Pyre” e “Septem Peccata Mortalia”, que juntas formam a trilha perfeita para saudar a chegada dos quatro cavaleiros do apocalipse. Em síntese: “The Funeral Pyre” representa um verdadeiro mergulho nas profundezas do desconhecido e suas melodias soam como trombetas precedendo o Dia do Juízo Final.

Observações acerca do disco:

* Em junho de 2019, a banda lançou “Yee Naaldlooshii”, primeiro single que estreou na coletânea “Afterlife In Darkness Part I”.

* Em janeiro deste ano foi lançado “Northbothnia”, single inédito numa edição limitada de apenas 100 cópias. O single divide um Split ao lado do Mother Of All, projeto dinamarquês capitaneado por Martin Haumann.

* Em junho deste ano, a faixa “The Funeral Pyre” integrou o segundo volume da coletânea “Afterlife in Darkness Part II”.

  • Nota: 9,0
  • PS: Banda e disco indicado por Henrique Figueiredo.
  • Integrantes:
  • Jakob Björnfot (vocal, baixo, guitarra, teclado, bateria)
  • Faixas:
  • 1.Revenge By Fire
  • 2.Yee Naaldlooshii
  • 3.The Funeral Pyre
  • 4.Septem Peccata Mortalia
  • 5.The Wolves Throne
  • 6.AS We Serve The Masters Plan
  • 7.Bestial Winter
  • 8.Hymn To Kvaenland
  • Redigido por: Geovani Vieira

PUBLICIDADE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Veja também

PUBLICIDADE
PARCEIROspot_img

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,663SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
151SeguidoresSeguir
960InscritosInscrever

Últimas Publicações