PUBLICIDADE

Resenha: Hatriot – “The Vale of Shadows” (2022)

Massacre Records

Após dois anos do lançamento de “From Days Unto Darkness”, a banda californiana de Thrash Metal, Hatriot, lança seu quarto full lenght, “The Vale Of Shadows”, no último dia 22 de julho, pelo selo Massacre Records. Ele é o segundo álbum depois da saída do vocalista original, Steve Zetro Souza, que se juntou novamente ao Exodus em 2014, substituindo o então frontman Rob Dukes. Zetro formara a banda em 2010 com seus filhos, Cody e Nick, tendo lançado com eles, “Heroes Of Origin” (2013) e “Dawn of the New Centurion” (2014). Quem apostou que os garotos não seguiriam bem sem o pai se enganou redondamente. Os irmãos Souza gravaram um ótimo registro em 2019 e o atual tampouco deixou a desejar.

   

É necessário repetir algo que eu já disse na resenha do disco anterior. A voz de Cody Souza seria facilmente confundida com a do seu pai, não fossem os guturais que ele intercala e são exatamente eles que o tornam diferenciado de Zetro. Estamos falando de uma sonoridade altamente agressiva, a qual traduz um Thrash Metal atual que pouco flerta com a velha escola americana do subgênero. A dupla de guitarristas formada por Kosta Varvatakis, responsável pelos solos, e Kevin Paterson, proporciona um instrumental de altíssimo nível, o qual é alicerçado pelos irmãos Souza, Cody no baixo e Nick na bateria. Sabemos que Zetro soube transmitir aos seus filhos o seu legado no Thrash e o fez de maneira muito eficiente. A pancadaria sonora foi transmitida geneticamente.

HATRIOT / Divulgação / Facebook

As canções do atual registro, em relação ao seu antecessor, são mais curtas, porém, mantém a mesma pegada brutal. A primeira trinca, “Horns & Halos”, “The Hate Inside” e “Forceful Balance”, dura um pouco mais que a faixa de abertura do “From Days Unto Darkness”, que é “One Less Hell”, e talvez por essa razão, há um sabor de quero muito mais, pois temos três músicas aceleradas, recheadas de riffs matadores e lindos solos que só aguçam o desejo de qualquer thrasher apaixonado. “Verminious And Vile”, “Clemency Denied” e “The Twenty Fifth Hour” compõe uma segunda trinca um pouco mais duradoura e ainda mais estupenda. Destaco “Clemency Denied”, que tem uma curta introdução acústica e é mais cadenciada, porém não perde no quesito peso. As guitarras dão um show à parte. O quarteto tem um impecável nível instrumental. As variações vocais de Cody chegam a dar pitadas de Death Metal na sonoridade, fato que torna o resultado ainda mais sensacional, porém é bom deixar claro que, de maneira geral, o Thrash não sai de cena.

“Only Red Remains” inicia com uma narração e acelera na sequência, paquerando o Groove Metal. É a vez de mencionar as dinâmicas rítmicas de Nick, que soam criativas e muito bem executadas. A bateria segue fazendo a diferença na próxima faixa, “Mark Of The Tyrant”, trabalhando harmonicamente com o baixo e as guitarras, em uma formidável precisão. Talvez o único ponto negativo a ser citado por mim é o exagero da alternância drive vocal/gutural, no registro anterior isso ocorria com menos frequência e parecia soar melhor, porém, claro, é pura análise subjetiva. A canção-título soa perfeita, mesmo utilizando a mesma receita do restante da obra. Ela serve como resumo do que se pode encontrar em todas as músicas.

HATRIOT / Photo By: Harald Oimoen

O tema instrumental “Murderous Tranquility” prepara o fechamento da track list. Os guitarristas só confirmam o alto nível que já havíamos notado sobre eles. Tema muito bonito e bem feito, porém sem maiores surpresas. “Hymn For The Wicked”, canção do encerramento, é talvez o único tema mais próximo de ser old school que é encontrado aqui, mas, ainda assim, a banda impõe a sua pegada característica. São apenas dois minutos e cinco segundo que lembram a velha escola? Talvez sim, mas não é algo explícito e esse compromisso do Hatriot em manter o próprio estilo é louvável.

Todos os músicos do quarteto estão de parabéns, todavia, Nick e Cody merecem congratulações especiais por terem cortado o “cordão umbilical” e mantido, em pé e firme, a banda da família Souza.

Nota 8,7

Integrantes:

  • Kevin Peterson (guitarra)
  • Kosta V (guitarra)
  • Cody Souza (vocal e baixo)
  • Nick Souza (bateria)

Faixas:

  • 1.Horns & Halos
  • 2.The Hate Inside
  • 3.Forceful Balance
  • 4.Verminious And Vile
  • 5.Clemency Denied
  • 6.The Twenty Fifth Hour
  • 7.Only Red Remais
  • 8.Mark Of The Tyrant
  • 9.Vale Of Shadows
  • 10.Murderous Tranquility
  • 11.Hymn For The Wicked

Redigido por Cristiano “Big Head” Ruiz

CONFIRA A RESENHA DO ÁLBUM ANTERIOR, “From Days unto Darkness”, DE 2019:

PUBLICIDADE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Veja também

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PARCEIROspot_img

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,583SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
194SeguidoresSeguir
1,151InscritosInscrever

Últimas Publicações