PUBLICIDADE

Resenha: Hate – “Rugia” (2021)

Dois anos após o lançamento de “Auric Gates of Veles”, a banda polonesa de Blackened/ Death Metal, Hate, disponibilizou seu décimo segundo full lenght, “Rugia”, no último dia 15 de outubro, pelo selo Metal Blade Records. A história do quarteto começou no ano de 1991 na cidade de Varsóvia. Seu primeiro registro, “Daemon Qui Fecit Terram”, saiu cinco anos depois.

A sonoridade do grupo me remete ao Behemoth, outra reconhecida banda de Blackened/Death polonesa, me fazendo crer que exista uma marca registrada polaca desse estilo de música infernal. O vocalista Adam The First Sinner, que também é um dos guitarristas, sustenta seus guturais com brutalidade e nitidez, como os mesmos devem soar. Sem trocadilhos propositais, o guitarrista Domin domina os seus riffs, fazendo dupla perfeita com Adam, e quanto aos solos, os encaixa com perfeição, preferindo melodia à técnica. Todo esse peso se mantém firme com a ajuda do alicerce construído pelo baixista Tiermes e o baterista Nar-Sil, que demonstra ser um conhecedor das técnicas necessárias para executar Metal extremo em seu instrumento.

   

O álbum abre com a canção que o intitula. “Rugia” tem uma introdução com uma atmosfera épica e soando mais Black Metal, porém logo que a baterista acelera o ritmo, a sonoridade Blackened/Death assume o comando. Interessante citar que há quase sempre uma das guitarras fazendo riffs e a outra dedilhando e isso funciona muito bem. Excelente abertura, digamos assim. A mais curta “The Wolf Queen” é também uma das mais aceleradas do disco. São dois minutos e meio de pura pancadaria sonora, que são desaconselhados para ouvintes sensíveis. O single “Exiles Of Pantheon”, que também foi tema de videoclipe, começa na mesma pegada da faixa anterior, porém sofre alternâncias, sendo mais complexo. Destaque para os blast beasts de Nar-Sil à partir dos 2h30 de duração.

Os guturais de Adam começam bem mais sombrios que o costumeiro em “Saturnus”. Ela é mais cadenciada que suas antecessoras, porém é macabra ao extremo. “Chapado de vinho venenoso! / Em uma bebida sagrada / Estamos embrigados de vinho venenoso! / Na psicosfera / Para sempre entrelaçados!” A velocidade volta a dar as cartas em “Awakening the Gods Within”. Por volta de seus dois minutos, um breakdown lhe impõe uma absoluta beleza, elevando o nível de interesse da audição. Todos os músicos são autoridades em suas performances, porém Nar-Sil se sobressai com suas linhas de bateria durante toda a obra. Outro single, que também ganhou versão em vídeo oficial, encerra a segunda trinca do “Rugia”. “Resurgence” soa majestosa aos ouvidos amantes do Metal extremo, principalmente, do Blackened/Death Metal. Ela é elaborada em uma fórmula que dificilmente dá errado, estando entre as minhas favoritas, porém ainda não é a campeã.

“Velesian Guard”, a qual abre o derradeiro tridente do décimo segundo capítulo forjado no calor do fogo do inferno, é a dona do melhor solo de guitarra e também minha favoritíssima. Verdadeiramente, Domin esteve inspirando nesse take e seus ouvintes que ganham o prêmio a cada vez que digitam o “play”. “Sun Of Extinction” sequencia o trabalho em uma canção na qual as guitarras se destacam bastante, tanto nos riffs, quanto nos solos. Há contratempos que deixam a dinâmica rítmica fantástica. “O mundo está atormentado / Por suas mentes imprudentes / Por seu dogma cinza / Está devorado! / Eles queimam na ausência da luz das estrelas / Eles clamam por lealdade além do túmulo / Eles reciclam a morte na malícia secreta que mantêm / Eles fizeram um juramento ao sol da extinção.” O full lenght encerra com a pegada acelerada de “Sacred Dnieper”, talvez tão rápida quanto “The Wolf Queen” . Algumas guitarras “limpas” entre os riffs pesados dão uma clima Melodic/Death, porém tal estilo não chega a florescer no registro, mas, inegavelmente, existe essa semelhança.

“Rugia” superou, mesmo que timidamente, o lançamento anterior, “Auric Gates of Veles”. Aprovado e indicado a fãs de Death Metal que não exijam tão somente o Metal da Morte old school. Vale à pena escutar. Nas duas primeiras vezes que o ouvi, confesso que o mesmo não me impressionou, porém, após novas degustações, assimilei as composições e consegui desfrutar seu conteúdo.

Nota: 8,7

Integrantes:

  • ATF Sinner (vocal e guitarra)
  • Domin (guitarra)
  • Tiermes (baixo)
  • Nar-Sil (bateria)

Faixas:

  1. Rugia
  2. The Wolf Queen
  3. Exiles Of Pantheon
  4. Saturnus
  5. Awakening the Gods Within
  6. Resurgence
  7. Velesian Guard
  8. Sun Of Extinction
  9. Sacred Dnieper
PUBLICIDADE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Veja também

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PARCEIROspot_img

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,583SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
222SeguidoresSeguir
1,151InscritosInscrever

Últimas Publicações