Resenha: Blaze Bayley – War Within Me (2021)

PUBLICIDADE

Gravadora: Blaze Bayley Recordings

Tem figuras dentro do Metal, as quais suas histórias são mais conhecidas que sua própria arte. Como é o caso de Tim “Ripper” Owens, ex-vocalista do Judas Priest. Há também o caso de Paul Di’Anno, ex-vocalista do Iron Maiden. Mas sabem qual o maior problema? Estes são dois ótimos vocalistas, que têm excelente vozes, mas que infelizmente ficaram marcados por terem sido membros de bandas muito grandes, e por isso, geralmente, sua carreira fica marcada como ‘ex membro’ da instituição musical. O maior diferencial entre o primeiro mencionado e o segundo é que Ripper utilizou isso para se auto promover e continuar sendo um vocalista notável e com ótimos projetos ativos, como o Charred Walls of Damned, Spirit of Fire, e o mais novo, K.K. Priest. Mas não estou aqui para falar do Ripper, mas sim de outro artista que soube fazer o mesmo, e com uma excelência assustadora. Falo de Blaze Bayley, ex-vocalista tão odiado (sem motivos) da donzela de ferro.

Não é preciso contar a história de Blaze, ela é mais conhecida que nota de 2 reais. Mas o que preciso dizer aqui e posso garantir, é que aquela birra que os fanzetes tinham dele no Iron é puramente sem sentido. A carreira solo do homem é um compilado brutal de composições assustadoramente bem feitas e executadas com uma perfeição sombria. Caso de seu disco de estreia em 2000, o excepcional “Silicon Messiah”, um álbum completo, com peso, obscuridade e técnica. Confesso a vocês que mais novo, eu era um daqueles que falavam mal do Blaze no Iron, porém, ao ouvir esse disco, consegui entender que Bayley não foi bem aproveitado na donzela e talvez por isso, seus discos tenham ficado um pouco ‘difíceis de assimilar’. Mas chega de delongas, vamos falar do lançamento excelente do garoto, o disco “War Within Me” que viu a luz do dia em 09 de abril.

O 10° disco de estúdio de Blaze é, em um adjetivo, maravilhoso. Ele segue a mesma fórmula de Heavy Metal tradicional sem frescuras e direto que Bayley já está acostumado a fazer. As faixas são todas trabalhadas com riffs marcantes e cozinha de qualidade, haja vista a banda escolhida e que já vem sendo o apoio do músico há anos, o Absolva de Chris Appleton (Fury Uk, ex-Wizz Wizzard). O compacto já abre com o tema que o intitula, “War Within Me”, uma composição de riffs rápidos, porém bem situados dentro do conjunto completo da obra. Vale dar um ponto aqui para a produção que é muito sólida, bem agradável e ainda por cima favorece e muito para que a voz da Blaze caia como uma luva. Os riffs rápidos e trabalhados completam ainda mais o ambiente devido a distorção maravilhosa. Em “303” as bases são brutas, todavia o vocal ‘suave’ combina perfeitamente com o clima e com a letra histórica da canção. Para quem não sabe, ‘303’ se refere ao No. 303 Squadron RAF, um esquadrão polonês formado em julho de 1940 que voou e batalhou na Segunda Guerra Mundial. A terceira composição do disco é a bela “Warrior”, que inicia como uma faixa calma, mas que rapidamente muda para bases clássicas e uma cozinha extremamente simples e excepcional.

Na continuação ouvimos “Pull Yourself Up”, que é mais cadenciada, mas sem erro, com construção bem feita e completa, como todo e bom fã de Heavy Metal tradicional ama. “Witches Night” apresenta aquela composição mais épica e com bases rápidas e um som assustadoramente maravilhoso. Por fim, ouvimos “18 Flights”, uma música mais cadenciada, mas sem deixar de lado o peso das cordas de Chris e Karl. Além disso, a cozinha de Martin é assustadoramente clássica e bem construída. Uma faixa completa para ninguém botar defeitos.

Chegada a trilogia conceitual dos cientistas, as faixas ” The Dream Of Alan Turing”, “The Power Of Nikola Tesla” e “The Unstoppable Stephan Hawking” é uma tríade maravilhosa que não tem como encontrar defeitos. Como que se completando, as faixas formam um momento bem interessante do disco de Bayley. Convido vocês a ouvir esta trilogia fantástica e deixar seus comentários. Analise cada detalhe, cada nota, as letras e claro, preste atenção em como a voz de Blaze está bem madura combinando perfeitamente com a ambientação das composições. Ao final do álbum, temos a excelente “Every Storm Ends”, uma power ballad sentimental e com um punch magnífico. Os vocais de Blaze combinam perfeitamente com a climatização da obra, e com as doces cordas. Além disso, a letra tem uma mensagem muito bonita para passar, como no trecho:

“Seu coração vai se curar,
E suas lágrimas vão secar,
Cada tempestade termina…”

Chega ao fim o compacto, altamente, viciante e completo. Blaze mostra novamente ao mundo que soube levar sua carreira como um verdadeiro mestre, e que não deixou o passado suprimir as suas qualidades. Ele levantou sua face e decidiu continuar fazendo músicas com qualidade. O passado não pode definir quem você é agora, mas pode te ajudar a consertar os erros e focar somente nos acertos. É claro que alguns músicos não seguiram esse pensamento, mas os que seguiram, nos brindaram com ótimos lançamentos e com uma qualidade acima da média.

Nota: 8,9

Integrantes:

  • Blaze Bayley (vocal)
  • Chris Appleton (guitarra, vocal de apoio)
  • Karl Schramm (baixo)
  • Martin McNee (bateria)

Faixas:

  • 1.War Within Me
  • 2.303
  • 3.Warrior
  • 4.Pull Yourself Up
  • 5.Witches Night
  • 6.18 Flights
  • 7.The Dream of Alan Turing
  • 8.The Power of Nikola Tesla
  • 9.The Unstoppable Stephen Hawking
  • 10.Every Storm Ends

Redigido por Yurian ‘Dollynho’ Paiva

PUBLICIDADE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Veja também

PUBLICIDADE
PARCEIROspot_img

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,663SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
152SeguidoresSeguir
960InscritosInscrever

Últimas Publicações