Resenha: Artillery – “X” (2021)

PUBLICIDADE

Gravadora: Metal Blade Records

Como o próprio nome já insinua, “X” é o décimo full lenght da banda de Thrash Metal dinamarquesa, Artillery, que foi lançado no último dia 7 de maio, pelo selo Metal Blade Records, sendo sucessor do disco, “The Face Of Fear”, de 2018 e o primeiro sem o guitarrista original Morten Stützer, que faleceu em 2019. A Kræn Meier coube a missão de substituir Morten e compor a dupla de guitarristas com Michael Stützer. Embora o Artillery pertença a uma escola de Thrash Metal menos relevante e fora dos Estados Unidos da América e da Alemanha, podemos sim incluí-los entre os pioneiros do subgênero, já que seu debut, o clássico “Fear Of Tomorrow”, é de 1985.

“The Devil’s Symphony” abre o disco com um arsenal de riffs pesados e velocidade. O vocal de Michael Bastholm Dahl se apoia muito mais na técnica e na melodia que na brutalidade, diferentemente, do que grande parte dos vocalistas de Thrash faz. A nova dupla de guitarristas não deixa nada a desejar, sendo impecável em bases e solos. A cozinha formada pelo baixista Peter Thorslund e o baterista Josua Madsen é precisa, construindo o alicerce seguro para a sonoridade atual do Artillery. “O que é proibido deve ser o meu caminho / Não devo perdoar, mas ceder à ira / Morda a mão, odeie com prazer / Envolva-me com escuridão, minha roupa é a noite.”

“In Thrash We Trust” da sequência com mais aceleração e riffs pesados. A voz de Michael conduz o ouvinte através de sua música. Alguns fãs de Thrash Metal abominam vocais mais melodiosos no estilo, porém eu não faço parte desse grupo. Quando Steve Grimmett, vocal vindo da banda de Heavy Metal Grim Reaper, gravou o álbum “In Search Of Sanity” do Onslaught, muitos fãs da banda torceram o nariz para o disco, porém ele é fantástico. Acho espetacular que o Thrash pareça tão elegante quanto Heavy e Power, claro, que vocais mais brutais também me agradam. “No Thrash, nós confiamos / Apenas um crança / No Thrash, nós confiamos / Você pode, você vai, você deve / No Thrash, nós confiamos / Apenas uma crença / No Thrash, nós confiamos / Você pode, você vai, você deve.”

Imagine se a banda de Hard Rock brasileira, Dr Sin, tocasse Thrash Metal. Imaginou? Então, desenhando na minha mente, o resultado soaria como “Turn Up The Rage”. Ela é sutilmente mais cadenciada que as anteriores, porém tem estrofes e refrãos espetaculares. “Devagar, tornando-se outra pessoa / Um rosto nos espelhos / De volta do Inferno / Olhos, que olham e não encontram / Um verdadeiro reconhecimento sem transmissão / Cruz de prata – esqueça essas regras antigas / Cruz de prata – chegou a hora dos tolos”, esses dizeres transmitem a ideia central de “Silver Cross”, quarta faixa do “X”, álbum que demonstra qualidade tanto em sua parte musical quanto na lírica. O solo de Michael Stützer mostra que o tempo faz com que ele se torne um guitarrista cada vez melhor. Os riffs e a bateria de “In Your Mind” denunciam o retorno à pegada mais acelerada do início do full lenght, canção que possui um dos refrãos mais grudentos do disco.

“The Ghost Of Me” é a balada do álbum, que é divinamente interpretada por Michael Bastholm dahl, proporcionando um sensacional momento Hard Rock em um registro de Thrash Metal. Curiosamente, até o momento, ela entraria em meu TOP 20 de Hard de 2021. O Hard Rock ficou para trás e deu lugar ao Thrash Metal. “The Force Of Indifference” trouxe a volta da violência sonora na audição. A parte instrumental dessa faixa trás a influência old school do Artillery a tona. Não, ela não é a nova “Time Has Come”, mas é bem interessante de ser ouvida. “A mais forte de todas / É a força da indiferença / Não há força alguma (que supere) / A força da indiferença.”

“Varg I Veum” tem a letra mais sombria do full lenght. “Eu sei o que te criou / Te fez, te desfez / Você é real? / Você é o portador do caos / Bem aqui, em pele de ovelha / Varg i veum (Varg, o lobo) / varg, profana o altar / Símbolo de uma entidade / Você não se importa / Você não é mesmo real / Mas eu sinto sua presença agora / Pegue minha alma / eu fiz meu arco Varg i veum – varg / Profane o altar / Varg i veum – varg, profanae o altar.” A canção “Mors Ontologica (The Death of the Spirit)” é um Thrash Metal levemente mais técnico e trabalhado e me fez lembrar da banda suíça Coroner de uma forma bem sútil, porém é fato que essa composição tem uma veia a mais de complexidade.

“Eternal Night” tem uma pegada muito mais voltada ao Heavy Metal tradicional, fato que encaixa muito bem com a sonoridade do disco por conta dos vocais e dos solos de guitarra. Esses momentos de diversidade sonora foram de muito bom gosto e combinaram com a obra. “Feche os olhos – não precisa ver / Essa escuridão é o que acreditamos / Nós que desistimos da luz / (Estamos na) Noite eterna.”

O décimo álbum do Artillery, “X”, encerra com a pesada e rápida “Beggars In Black Suits”, a qual trás de volta os ingredientes de suas primeiras canções. Separei um trecho da letra pra fazer um questionamento, “Mendigos em ternos pretos / Tiram tudo de você / Mendigos em ternos pretos / Comandam tudo o você deve fazer / Mendigos em ternos pretos / Tiram tudo de você / Mendigos em ternos pretos / Comandam tudo o você deve fazer.” A letra se refere a pastores religiosos, a políticos ou a ambos? Responda dentro de sua mente.

O saldo positivo de “X” foi superior ao seu antecessor, “The Face Of Fear”. Seria um erro esperar um novo “Fear Of Tomorrow” ou um “By Inheritance”, porém o Artillery provou que ainda está em pé e com lenha para queimar. Disco aprovado e indicado para fãs de Thrash Metal que são mente aberta.

“A mais forte de todas / É a força da indiferença / Não há força alguma (que supere) / A força da indiferença.”

Nota: 8,7

Integrantes:

  • Michael Bastholm Dahl (vocal)
  • Michael Stützer (guitarra)
  • Josua Madsen (bateria)
  • Peter Thorslund (baixo)
  • Kræn Meier (guitarra)

Faixas:

  • 1.The Devil’s Symphony
  • 2.In Thrash We Trust
  • 3.Turn Up The Rage
  • 4.Silver Cross
  • 5.In Your Mind
  • 6.The Ghost Of Me
  • 7.The Force Of Indifference
  • 8.Varg I Veum
  • 9. Mors Ontologica (The Death of the Spirit)
  • 10.Eternal Night
  • 11.Beggars In Black Suits

Redigido por Cristiano “Big Head” Ruiz

PUBLICIDADE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Veja também

PUBLICIDADE
PARCEIROspot_img

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,663SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
151SeguidoresSeguir
960InscritosInscrever

Últimas Publicações