PUBLICIDADE

Resenha: Ankerkeria – Matriarch (2021)


“Matriarch” é o debut da banda cearense de Death Metal, Ankerkeria, que nasceu na cidade de Fortaleza em 2013. O álbum foi lançado no último dia 1º de fevereiro, de forma independente.

   

Desde que comecei a escrever para o Mundo Metal, em todos os anos, sem exceção, há trabalhos de estreia de bandas nacionais que me impressionam muito. Esse ano não será diferente, pois meus ouvidos deram de encontro com o incrível “Matriarch” do Ankerkeria.

Matriarch / Divulgação / Facebook – Resenha: Ankerkeria – Matriarch (2021)

“Baph Metra”

O álbum abre a canção “Baph Metra”, a qual foi um dos seus singles. Antes de falar da parte musical, preciso mencionar a excelente qualidade de produção do vídeo clipe.

Ele é um curta-metragem fantástico, o qual reúne suspense, terror e ritual de magia, tendo aproximadamente quatro minutos só de filme, até que a banda aparece em cena; a música começa e a história se estende até a finalização do clipe. Ao todo ele dura 10m03s.

Agora, falando de música, “Baph Metra” introduz com riffs marcantes e matadores, daqueles que fazem a cabeça, instantaneamente.

Line-up competente

A dupla de guitarristas, Marcelo Louco e Felipe Facó, faz um trabalho impecável, que reúne, ao mesmo tempo, técnica, feeling, solos rápidos e melodiosos. Enquanto que Vicente Ferreira faz tudo o que me agrada em um baterista de Death Metal. Já que ele sabe usar a sua técnica sem fazer com que a sonoridade perca o seu peso. A baixista Alessandra Castro dá sustentação harmônica a toda essa avalanche de Death Metal, usando de sua competência e sendo precisa.

Os guturais de Joice Lopes são nítidos, o que é fundamental para mim. Por outro lado, seus vocais sombrios colaboram para compor essa atmosfera macabra, a qual é emanada pela sonoridade do Ankerkeria.

Matriarch / Divulgação / Facebook – Resenha: Ankerkeria – Matriarch (2021)

“Mother Of Horrors”

“Mother Of Horrors” é ainda mais acelerada que sua antecessora. Destaque para o trabalho da dupla de guitarristas, que faz valer a pena o fato da banda ter duas guitarras, pois muitas bandas, que possuem mais de um guitarrista, acabam não aproveitando isso de forma adequada. Marcelo Louco e Felipe Facó, inegavelmente, fazem valer a pena o fato de formar uma dupla.

“Lord Of Flies”

“Lord Of Flies” já é completamente diferente das duas anteriores, já que ela é muito mais técnica, cheia de quebradas e contratempos insanos. Ou seja, Death Metal tocado com o coração e com maestria é um dos subgêneros mais apaixonantes que existe.

Os guitarristas transbordam técnica nessa faixa, mais ainda que nas primeiras. A baixista Alessandra Castro, igualmente, faz um belíssimo solo, sendo o destaque absoluto da canção.

“Alis Mortis” / “Feeding Fools”

A sina infernal segue com “Alis Mortis”, que é rápida, brutal, assim como aniquiladora de ouvidos de pelúcia. A cada audição do álbum, eu escuto “Feeding Fools“, que também ganhou uma versão em vídeo, pelo menos duas vezes.

   

Passam delírios em minha mente. Eu penso: “parece uma banda de Jazz Fuzzion tocando Death Metal”, não que virtuosismo seja algo fundamental para a minha visão subjetiva sobre música, mas quando se trata de Metal extremo, a técnica é um elemento que, quase sempre, faz a diferença.

“Descerebrate”

“Descerebrate” inicia com aquele tipo de riff “sabbathico” que nunca erra, pois então, esse tampouco errou, pois pegou na veia. A faixa intercala momentos mais cadenciados e mais rápidos, mas o extremo peso prevalece sempre.

Matriarch / Divulgação / Facebook

A audição consegue prender a minha atenção 100% do tempo e cada faixa me surpreende de modo diferente.

“Key Of The Abyss”

“Key Of The Abyss” é a referência perfeita que eu tenho para Death Metal, pois é uma canção complexa, cheia de alternâncias rítmicas e visceralmente pesada.

“Blessed Be Thy Shame”

Destaco também suas variações vocais. “Blessed Be Thy Shame”, mesmo não sendo single oficial do álbum, também foi tema de vídeo clipe. Aliás, ele foi lançado em março de 2016, muito antes da conclusão e do lançamento do debut.

“Regras punitivas / Mantendo-os com medo / Doença fanática / Esquizofrenia em alto grau / Óh suprema bondade / Santa justiça / Te imploro, teu sangue sobre mim”.

“Widow”

“Widow” é o penúltimo capítulo da primeira obra completa do Ankerkeria. Contudo, o alto nível de todos os elementos musicais da banda continua sendo mantido.

“Brain Griding Factory”

A sonoridade do quinteto cearense traduz um Death Metal moderno com influência old school. “Brain Griding Factory” é a página final dessa obra prima musical. Os riffs, variados como sempre, são de qualidade indiscutível. Como resultado, todos os ingredientes desse disco formam uma receita adequada para uma sonoridade conquistadora.

Espero que a banda siga no mesmo caminho nos registros futuros e, é claro, que eles não tardem a ser lançados. Tanto o Death Metal nacional, como o da região nordeste, me deixaram boquiaberto mais uma vez.

Death é um subgênero que não tem meio termo para mim, ou eu gosto demais, ou tenho ojeriza. Porém dentro aqueles que eu gosto, há os que eu adoro e “Matriarch” do Ankerkeria se encaixa num desses exemplos.

   

Aprovado e indicado para fãs de Death Metal e de música de qualidade.

Nota: 9,1

Integrantes:

  • Joice Lopes (vocal)
  • Alessandra Castro (baixo)
  • Marcelo Louco (guitarra)
  • Vicente Ferreira (bateria)
  • Felipe Facó (guitarra)

Faixas:

  1. Baph Metra
  2. Mother Of Horros
  3. Lord Of Flies
  4. Alis Mortis
  5. Feeding Fools
  6. Decerebrate
  7. Key Of The Abyss
  8. Blessed Be Thy Shame
  9. Widow
  10. Brain Griding Factory

Redigido por Cristiano “Big Head” Ruiz

PUBLICIDADE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Veja também

PUBLICIDADE

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,583SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
261SeguidoresSeguir
1,151InscritosInscrever

Últimas Publicações

- PUBLICIDADE -