Primeiras impressões: Exodus – Persona Non Grata

PUBLICIDADE

Aviso pré-leitura: Esta não é a resenha oficial do site. É apenas um breve texto contando quais foram as primeiras impressões sobre o material. A análise mais técnica sairá dentro de alguns dias e será escrita por outro resenhista. A idéia aqui é não se aprofundar muito e por isso este texto foi escrito enquanto o álbum rolava apenas pela segunda vez.

Reprodução/Divulgação

“Persona Non Grata” é o décimo segundo registro de estúdio da pioneira banda de Thrash Metal norte americana, Exodus, o segundo após o retorno do vocalista Steve ‘Zetro’ Souza e o primeiro depois de um hiato que já durava 7 longos anos. Sem dúvida, um dos trabalhos mais aguardados do ano.

As primeiras impressões são que o disco não é tão reto quanto imaginei que seria. “Blood In Blood Out”, de 2014, por exemplo, é muito mais linear e sem tantas variações. “Persona Non Grata”, apesar de brutal, como já era esperado, traz músicas mais trabalhadas, técnicas e cheias de reviravoltas. As porradas Thrash estão presentes em abundância, mas mesmo nas mais violentas, fiquei com a impressão que a banda se esforçou para fazer com que cada música tivesse um DNA próprio que se distanciasse completamente uma da outra.

A construção do tracklist e a alocação das faixas é muito interessante e achei acertado colocar os três singles mais para o meio do álbum. Isso faz com que a audição soe como novidade desde o início e quando chega a hora de ouvir as três músicas que já conhecemos, o registro já caiu completamente nas nossas graças. Gary Holt é uma máquina de fazer riffs e Lee Altus parece ter se transformado no parceiros ideal, os vocais de Zetro estão mais agressivos do que nunca e a parte rítmica com Tom Hunting e Jack Gibson dispensa apresentações.

Reprodução/Divulgação

O início do track apresenta a proposta musical do disco com faixas absurdamente impactantes como a canção título, “Slipping Into Madness” e “Elitist”. Depois temos em sequência os três singles com as duas voadoras no peito, respectivamente “The Beatings Will Continue (Until Morale Improves)” e “Clickbait”, além da maravilhosa “The Years of Death and Dying”. No final ainda somos presenteados com mais dois destaques absolutos, “Lunatic-Liar-Lord” (com quase 8 minutos de duração) e “Antiseed”, a minha favorita por enquanto.

Pelos títulos das composições e o histórico do Exodus, ainda quero fazer uma imersão mais profunda nas letras que parecem estar mais ácidas do que nunca, mas as primeiras impressões são muito positivas. “Persona Non Grata” é o tipo de disco que você termina de ouvir e já quer ouvir de novo, e isso é um bom sinal. Não decepciona de jeito nenhum e deve entrar forte na briga pelo posto de disco do ano.

PUBLICIDADE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Veja também

PUBLICIDADE
PARCEIROspot_img

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,663SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
152SeguidoresSeguir
960InscritosInscrever

Últimas Publicações