PUBLICIDADE

Metal sem fronteiras: conheça a incrível história da banda Arsames!

O universo da música é algo fascinante e de fato um labirinto infinito de informações. Com o advento da internet, ficou muito mais fácil explorar, conhecer um pouco da música regional de um país ou continente e isso acontece em poucos minutos de pesquisas.

Se no passado lidamos com a ausência dessas informações rápidas, hoje, em um piscar de olhos é possível saber se em Marte, Netuno ou Saturno, existe bandas de Heavy Metal, que tipo de músicas fazem, em qual idioma cantam e numa pesquisa mais detalhada, somos capazes de saber “O Que Elas Fizeram No Verão Passado”.

   

Senhoras e senhores, sejam bem vindos ao…“Metal Sem Fronteiras”.

Nossa viagem começa no Irã, mais especificamente na cidade de Mashhad, província de Razavi Khorasan, situada no nordeste do pais, próximo da fronteira com o Afeganistão e Turcomenistão. Aqui, nasceu em 2002 o quinteto ARSAMES.

Formado inicialmente por Ali Madarshahi (vocais), Morteza Shahrami (guitarras), Ahmad Tokallou (guitarras), Rouzbeh Zourchang (baixo) e Saeed Shariat (bateria), estrearam em 2006 com “Cyclopia”, EP contendo duas faixas de um Death Metal de excelente qualidade, flertando também com o Thrash.

Em 2007 , lançam “Homo Sapiens”, EP que traz as duas faixas presentes em Cyclopia e mais duas faixas inéditas, seguido de “Immortal Identity”, single de 2008 que daria nome ao álbum oficial de estreia lançado dois anos depois. Finalmente em novembro de 2010, o quinteto lança “Immortal Indentity”, álbum oficial de estreia, contendo 08 faixas, divididas em exatos 35 minutos.

Mostrando que beberam na fonte das bandas oitentistas de Death Metal e também de Thrash, o disco traça uma sonoridade que remete o ouvinte a nomes como Carcass, Cannibal Corpse, Deicide, Benediction, Slayer, Monstrosity, Entombed, Malevolent Creation, Sepultura, etc, além de destacar faixas como “Cyrus The Great”, “Homo Sapiens”, “Immortal Identity” , “Xerxes” e “Persepolis (History of Iran). Faixas grandiosas, pesadas, extremas, riffs cortantes tal qual lâmina na pele e os vocais de Ali Madarshahi, uma preciosidade à parte dando uma aula de gutural. E como nao mencionar a arte brilhante do disco? Que capa sensacional.

O próximo passo foi dado no ano seguinte ao gravarem “Persian Death Metal Tribute to Warriors”, EP contendo cinco faixas. Como entrega o título, trata-se de um disco de covers e versões do quinteto para, Phobia (Kreator), Roots Bloody Roots (Sepultura), Polarized (Carcass) e The Pursuit Of Vikings (Amon Amarth). O disco ainda traz uma nova versão para “Testament Of Kings”, faixa extraída do trabalho anterior.

Em dezembro de 2014 o grupo lança mais um single. Na verdade, um cover e desta vez a música escolhida foi “Raining Blood”, clássico absoluto do Slayer e até então, o último registro da banda, que continua em atividade.

Recentemente os integrantes do Arsames, tiveram que lidar com uma situação complicada e totalmente ignorante. A banda teve que fugir de seu país após ser condenada a 15 anos de prisão. O crime? Tocar Heavy Metal!

Segundo o governo local e suas leis esdrúxulas, a banda está ligada ao satanismo e sob tal acusação foram impedidos de tocar, vender qualquer produto relacionado a merchandising contendo o nome do grupo, conceder entrevista e/ou qualquer declaração feita por algum dos integrantes. Não contente, o mesmo governo mandou que todas os contatos via redes sociais envolvendo o Arsames, fossem retirados do ar. Após pagamento de fiança, os integrantes se viram livres das acusações, porém, ao criarem novas páginas e reativarem seus contatos, o governo manteve a condenação, sentenciando-os a 15 longos anos de prisão.

Em entrevista, os integrantes contaram o que de fato aconteceu: “Eles nos levaram para a prisão naquele dia e não contaram à nossa família onde estávamos por uma semana. Finalmente, quase um mês depois, pagamos fiança para sair da prisão”.

Distantes de seu país e tomando todo o cuidado para não serem localizados e presos, a banda postou um vídeo no seu canal de Youtube, em que os membros levantam alguns questionamentos sobre a terrível situação vivida por eles.

Trechos do depoimento: “É um crime que estejamos tocando metal? É crime falarmos da história persa? É um crime pensar que somos satanistas quando temos canções sobre Ciro, o Grande, e o monoteísmo? É um crime amarmos a música e o nosso país?”.

Opinião Mundo Metal

Lamentável que em pleno século XXI, a liberdade de expressão que é nosso bem maior, seja vista de forma equivocada ou mal interpretada por governos hipócritas, pseudos defensores da ética e dos bons costumes. Em nome de Deus, ou mesmo usando a miséria de seu povo como trunfo, governos matam, saqueiam, sequestram e roubam, sob argumentos pífios e tiranos. Nenhum tipo de repressão ou terrorismo disfarçado de “Lei”, deveria ser aceito de forma pacífica.

Que os músicos acordem deste pesadelo, voltem a ser livres e possam mostrar sua arte aos fãs e ao mundo. Que suas vozes não sejam caladas e que o direito de ir e vir, seja de fato respeitado.

PS: Em 2016, a banda encontrou os integrantes do Sepultura, em um show realizado na Armênia.

Ficha técnica

Banda: Arsames

   

Integrantes:

Ali Madarshahi (vocais)

Morteza Shahrami (guitarras)

Ahmad Tokallou (guitarras)

Rouzbeh Zourchang (baixo)

Saeed Shariat (bateria)

Àlbuns:

Ciyclopia (EP) – 2006

Homo Sapiens (EP) – 2007

Immortal Indentity (Debut) – 2008

Persian Death Metal Tribute to Warriors (EP) – 2011

Raining Blood (Single) – 2014

Ouça o Arsames:

Assista o Arsames:

Redigido por Geovani Vieira

PUBLICIDADE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Veja também

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PARCEIROspot_img

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,583SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
194SeguidoresSeguir
1,151InscritosInscrever

Últimas Publicações