PUBLICIDADE

Melhores de 2023 – Categoria: Hard Rock

Antes de apresentar o ranking com os melhores discos de Hard Rock, gostaríamos de convidá-lo a conhecer nosso portal.

   

Todos os dias ele é alimentado com notícias, matérias especiais, resenhas, quadros e demais conteúdos relacionados ao Metal e suas vertentes. Aqui, você não vai ver artigos inúteis à respeito do “novo corte de cabelo de Max Cavalera”, “o próximo álbum de covers da cantora Miley Cirus” ou declarações aleatórias de músicos sobre alguma politicagem do momento. Aqui você não vai ver fofocas sobre Anitta ou Pablo Vittar aparecendo em algum evento mainstream irrelevante usando alguma camiseta de banda de Rock ou Metal. Neste site, prezamos por matérias que respeitam o leitor e não tentam ganhar visualizações a todo custo com títulos repletos de clickbaits fajutos.

O Mundo Metal nasceu em 2013 como uma comunidade do Facebook e, durante seus mais de 10 anos de existência, procura fugir do estereótipo de mídias convencionais lacradoras, tendenciosas, militantes e, consequentemente, desinteressantes. Aqui o papo é e sempre foi sobre Rock and Roll e Heavy Metal. Se você ama estes gêneros em todas as suas vertentes e quer conhecer novas bandas, novos álbuns e ficar por dentro de tudo o que acontece neste fabuloso universo, este é seu espaço. Depois de conferir a lista, navegue por nosso site e conheça o conteúdo, ele é 100% independente e feito com muita paixão, de fã para fã.

A evolução do Hard Rock

Para a história do Heavy Metal, se o Rock’N’Roll pode ser classificado como o elemento primordial, o Hard Rock é a explosão do Big-Bang. Foi dele que tudo expandiu formando os subgêneros que tanto amamos.

O Hard Rock teve diferentes caras e jeitos durantes as décadas. Ele nasceu na primeiro metade dos anos 70 e explodiu com nomes como Deep Purple, Led Zeppelin, U.F.O, Scorpions, Uriah Heep, Blue Oÿster Cult, Aerosmith, assim como Kiss e tantos outros.

Na segunda metade dos anos 70, mesclou com o progressivo, trazendo lendas como Rush, Rainbow, Triumph e etc. Ai veio o AOR e grupos como 38 Special, Foreigner, Asia, assim como Journey e outras, para tomar conta das paradas de sucesso. Nos anos 80, mais expansões ocorreram com o Glam Metal e o Hard & Heavy…

Para não prolongar muito a história, desde o seu surgimento, o Hard Rock nunca mais deixou de estar presente na cena musical.

Em 2023, tivemos trabalhos bastante interessantes neste gênero tão diverso. Desde verdadeiras lendas nos presenteando com toda sua classe, até jovens promessas e nomes tentando se estabelecer em uma cena cada vez mais concorrida.

Chegou a hora de conhecer os nossos favoritos de Hard Rock em 2023!

10º: Winger – “Seven”

Ninguém esperava que em pleno ano de 2023, os veteraníssimos do Winger nos presenteassem com mais um disco de inéditas. Muito menos se esperava que o disco seria tão bom e trouxesse tantas músicas memoráveis. Mas aqui está ele, um dos melhores do ano segundo nossa bancada. Se não gostar de faixas como “Proud Desperado”, “Tears Of Blood”, “It All Comes Back Around” e “Stick The Knife In And Twist”, já deve estar morto…

9º: Magick Touch – “Cakes & Coffins”

Quarto e mais ousado trabalho de estúdio do power trio norueguês que mescla de forma bastante desinibida o Hard Rock com o Heavy Metal. Outros gêneros que aparecem na audição são Classic Rock, flertes com o Grunge, assim como outros menos óbvios. Se não entrasse na nossa lista final, certamente, um dos nossos administradores (um fã de carteirinha da banda) teria um ataque de pelancas.

8º: Revolution Saints – “Eagle Flight”

   

O que dizer de um supergrupo formado por nomes como Deen Castronovo (Journey), Joel Hoekstra (Whitesnake) e Jeff Pilson (Foreigner e Dokken)? Lembrando que a banda já teve em suas fileiras, caras como Doug Aldrich (Dio e Whitesnake) e Jack Blades (Night Ranger). Como sabemos, este é o tipo de projeto que a Frontiers Records adora encabeçar e apoiar. A diferença é que em meio a diversos supergrupos com sonoridade plastificada formados apenas para render uma grana extra aos músicos envolvidos, o Revolution Saints realmente tem cara e jeito de banda séria. Não é a toa que este já é o quarto álbum da discografia e que venham mais.

7º: Alice Cooper – “Road”

Alice Cooper é uma verdadeira instituição do Rock e poder vê-lo disponibilizando material novo no auge dos 75 anos de idade já é um enorme privilégio. Pensem, o homem está chegando perto da lendária marca dos 60 anos de carreira, sim, é isso mesmo, 60 anos de carreira! Enfim, Titia Alice chegou chegando com seu mais novo álbum de estúdio que, musicalmente, faz referência a fase mais clássica de sua carreira. Jogo ganho!

“They hang me from the gallows and they chop off my head
But like Lazarus rising, I come back from the dead
The shameless pretenders have come and they’ve gone
But I stand here before you and the legend lives on

Ooh, it’s a myth, wrapped in glory that they don’t understand
Ooh, the fabulous story of who I really am

I’m Alice, the master of madness, the father of fright
I’m Alice, I’m yours forever but you’re mine tonight, oh yeah”

6º: Wig Wam – “Out of the Dark”

Banda curiosíssima formada em 2001 na Noruega… Bem, eles tem uma história fictícia onde afirmam que, na verdade, o Wig Wam foi formado no Bronx (EUA) em 1970, tendo vendido milhares de álbuns naquela época para depois se mudar para a Noruega em 1976. Alucinação ou muita criatividade? Os membros soam todos como se fossem alter-egos e, musicalmente, entregam álbuns cada vez melhores e mais grudentos. “Forevermore” é talvez o maior hino Hard de 2023. Se você ainda não ouviu, saiba que o refrão jamais sairá da sua cabeça:

“When the battle’s att your door
We paint ourselves for war
We make our stand together
Forevermore

When the devil rings the bell
We fight and give em hell
We’re all in this together
Forevermore

Oh oh oh – Oh oh
We’re all in this together forevermore”

5º: Svartanatt – “Last Days On Earth”

Já diz o ditado: se a banda vem da Suécia, já sabemos que é coisa boa! Mas e quando a banda vem da Suécia e traz influências e referências ao Hard Rock setentista e bandas como Blue Oyster Cult, Creedence Clearwater Revival, UFO, Bad Company e Grand Funk Railroad? Por acaso você acha que estamos brincando? Para de papo furado e dá play logo nessa bagaça!

4º: The Cards – “Generation Jukebox”

Contando com o vocalista/baixista Harrison Young (Doro e UDO), o veterano baterista Koen Herfst (Vandenberg) e nada menos que o lendário guitarrista Paul Quinn (Saxon), o The Cards nos coloca dentro de uma máquina do tempo e nos faz reviver aquela sonoridade mais festeira do Rock and Roll clássico. Misturando com um Hard ora visceral ora psicodélico, o trio consegue fisgar a atenção do ouvinte desde os primeiros momentos da audição.

Bronze: Uriah Heep – “Chaos & Colour”

Faz algum tempo que o Uriah Heep vem lançando bons álbuns com esta nova formação que conta, principalmente, com o talento do vocalista Bernie Shaw. Pois desta vez podemos dizer que Mick Box e sua trupe acertaram o alvo e, possivelmente, nos agraciaram com seu melhor disco em décadas. “Chaos & Colour” é o retrato de uma banda que soube se reinventar, mas em momento algum abandonou a sua identidade. Ao mesmo tempo que soa moderno, também faz referência à diversos momentos marcantes da história da banda. Certamente, um disco que chegou para deixar os fãs orgulhosos.

Prata: Black Stone Cherry – “Screamin’ At The Sky”

O Black Stone Cherry é uma banda que possui um DNA musical absolutamente próprio e, de certa forma, inovador. Não soam como cópias ou exageradamente influenciados por praticamente nenhum grande nome da cena. “Screamin’ At The Sky”, apesar de diferentão do tipo de disco que costumamos ouvir e dar atenção, nos conquistou de imediato e se tornou audição recorrente entre os membros da redação. Álbum grudento, fluído, bem tocado, classudo e repleto de melodias de extremo bom gosto.

Ouro: Twilight Road – “Trapped”

Pois é, tragam a medalha para Carl Sentance e Dario Mollo! Se não bastasse o ótimo desempenho de seu disco à frente do veterano Nazareth (no ano passado), Carl ainda arrumou um tempinho para se reunir com o excepcional guitarrista Dario Mollo (Tony Martin e Voodoo Hill) e nos presentear com esta pérola. “Trapped” é um caminho sem volta, depois que você ouve pela primeira vez ele se tornará parte de suas audições recorrentes, acredite! Se a sua praia é aquele Hard setentista com influências de Deep Purple, Led Zeppelin, Uriah Heep e UFO, se joga de cabeça na musicalidade do Twilight Road.

Audição obrigatória!

PLAYLIST MUNDO METAL

Não conseguiu acompanhar todos os principais lançamentos do gênero? Tudo bem, afinal, nós preparamos uma playlist para você ficar atualizado com o que de melhor rolou no Hard Rock durante todo o ano de 2023. Não se esqueça de seguir o perfil do Mundo Metal no Spotify.

PUBLICIDADE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Veja também

PUBLICIDADE

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,583SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
261SeguidoresSeguir
1,151InscritosInscrever

Últimas Publicações

- PUBLICIDADE -