PUBLICIDADE

Lançamento: Warbringer – “Weapons Of Tomorrow” (2020)

“Weapons Of Tomorrow” é o sexto full-lenght da banda californiana de Thrash Metal Warbringer, o qual é sucessor do álbum “Woe To The Vanquished” de 2017. A sonoridade do Warbringer segue a flertar com o old school, porém sem rejeitar as modernidades do subgênero.

   

“Firepower Kills” é a primeira arma a ser exposta no mais recente combate. Já nessa acelerada canção, pode-se notar o quão felizes foram os guitarristas Chase Baker e Adam Carrol na execução de seus riffs, solos e em sua produção sonora.

“Weapons Of Tomorrow”

Nesse disco, os vocais de John Kevill lembram os trabalhos mais atuais de Mark Osegueda, vocalista do Death Angel. O baterista Carlos Cruz assim como o baixista Chase Bryant são os responsáveis pela cozinha que combina com um Thrash Metal bem tocado.

“The Black Hand Reaches Out”, a qual foi single em formato de vídeoclipe, é mais cadenciada, com arranjos e solos das guitarras ainda mais bem trabalhados e complexos que da canção que a antecede, além de um refrão mais grudento.

WARBRINGER / Divulgação / Faceboook

Em seguida, “Crushed Beneath The Tracks” parece uma mescla de fórmulas das duas primeiras músicas. Pois, o pedal duplo de Cruz evidencia a bateria na faixa. A canção “Defiance Of Fate”, com seus 7m8s de duração, introduz bem lenta e sombria, permanecendo assim por cerca de quatro minutos, até que acelera um pouco, porém é a mais cadenciada do full-lenght. Não que ela seja ruim, mas achei desnecessária no contexto, por destoar demais do restante.

“Unraveling”

“Unraveling”, por sua vez, volta a ser mais Speed/Thrash Metal, tendo riffs e bateria capazes de quebrar os pescoços de tanto fazê-los banguear. “Heart Of Darkess” é a música mais trabalhada do “Weapons Of Tomorrow”. Além disso, a linha de baixo de Bryant é sensacional, sendo o destaque da mesma. Ela é a minha favorita!

WARBRINGER / Reprodução / Facebook

O riff introdutório de “Power Unsurpassed” me remete a Exodus na primeira era com Zetro Souza, mas essa semelhança se resume ao riff, pois Warbringer mantém sua personalidade durante todo o trabalho.

A artilharia permanece pesada com “Outer Reaches”. Peso e velocidade em harmonia, dando ainda mais vigor a audição. Em “Notre Dame (King Of Fulls)” temos a manutenção da receita utilizada aqui, o que não significa que a canção seja fraca, pelo contrário. Ela mantém o nível elevado da obra, contando ainda com um lindo solo de guitarra limpa quase em sua finalização.

O disco encerra com o outro single, “Glorious End”, que foi antecipado pela banda em forma de lyric vídeo. Bela canção e um merecido encerramento para um trabalho muito bem feito. A nova geração do Thrash Metal tem nos trazido muitos bons nomes. Warbringer faz parte desse grupo de boas bandas de Thrash da atualidade e apesar do álbum anterior ter sido um tanto quanto inferior a esse atual, eles sempre mantiveram um bom nível em todos os seus lançamentos.

Indico aos fãs de Thrash Metal norte americano, principalmente aqueles de mente aberta e receptiva.

Nota 8,7

Integrantes:

   

  • Adam Carroll (guitarra)
  • John Kevill (vocal)
  • Chase Bryant (baixo)
  • Carlos Cruz (bateria)
  • Chase Becker (guitarra)

Faixas:

  • 1. Firepower Kills
  • 2. The Black Hand Reaches Out
  • 3. Crushed Beneath The Tracks
  • 4. Defiance Of Fate
  • 5. Unraveling
  • 6. Heart Of Darkness
  • 7. Power Unsurpassed
  • 8. Outer Reaches
  • 9. Notre Dame (King Of Fools)
  • 10. Glorious End

Redigido por Cristiano “Big Head” Ruiz

PUBLICIDADE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Veja também

PUBLICIDADE

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,583SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
261SeguidoresSeguir
1,151InscritosInscrever

Últimas Publicações

- PUBLICIDADE -