Lançamento: Déluge – Ægo Templo

PUBLICIDADE

“Ægo Templo” é o segundo full lenght da banda francesa de Black Metal, Déluge, que sucedeu “Æther” de 2015. Elementos de Black Metal old school mesclados com ingredientes mais atuais e uma produção moderna e excelente. Essa é a melhor forma que encontro para explicar a sonoridade do Déluge. Um dos problemas do Black Metal nos anos 90 era a produção tosca de estúdio. No álbum “Ægo Templo”, sequer existem vestígios de tal problema, pois a produção de estúdio é o ponto mais forte do lançamento, além da musicalidade dos membros e a qualidade de suas canções. O vocalista Maxime Febvet interpreta alternadas linhas de vozes, que vão das mais limpas aos guturais mais agressivos com pitadas de Hard Core. A bateria de Benjamin Marchal é a responsável pelas mudanças rítmicas que em segundos transformam céus em infernos e vice-versa. A dualidade é um artifício muito utilizado no Black Metal praticado pelo quinteto francês da cidade de Metz. As guitarras de Richard De Mello e François-Thibaut Hordé, juntamente com o baixo de Frédéric Franczak, intercalam entre harmonias executadas de forma mais acústica com riffs pesados e sombrios. Canções como “Soufre”, “Abysses”, “Frates” e “Digue” transportam a mente do ouvinte às florestas mais macabras, geladas e cinzentas. É a força brutal da natureza presente na sonoridade da banda. “Ægo Templo”, faixa que intitula o disco, evidencia ainda mais esse contato com os quatro elementos, fazendo com que se possa sonhar mesmo desperto. Ela é a minha favorita desse surpreendente registro. “Oferecido aos porcos / Pernas separadas, de bruços, / Carne a ferros, embriagada com sujeira, / Opróbrio e arrependimento“, pela parte lírica da música “Opprobre”, que assim como todo o álbum, foi escrito em língua francesa, pode-se notar que a temática flerta com a utilizada na velha escola noventista.

“Baïne” invoca uma atmosfera ainda mais bizarra em sua introdução, a qual, porém, é desfeita assim que seu ritmo ganha aceleração. Saliento também a faixa “Béryl”, que sendo mais lenta, se assemelha a Doom Metal em alguns momentos. “Vers”, a canção a qual encerra o full lenght”, tem riffs diferenciados das demais, os quais têm uma pegada que beira o Heavy tradicional, evidenciando a dupla de guitarristas Mello e Hordé de uma forma diferenciada em relação as demais faixas. A pitada de Hard Core do som faz com que se tenha a impressão de estar ouvindo Depressive Black Metal, porém esse impressão é desfeita logo que se ouve a obra com maior atenção e profundidade.

O que mais surpreende na sonoridade do Déluge é que ouço algo que não esperava ouvir e, sair do mais do mesmo é louvável quando bem feito. “Ægo Templo” já está pré-seleciono para o meu top 10 do subgênero Black Metal dos lançamentos de 2020. Aprovado e indicado a legião de fãs do Metal das trevas. Nota: 8,6 Veja o vídeo clipe oficial da canção “Digue”:

Integrantes:

  • Frédéric Franczak (baixo)
  • Benjamin Marchal (bateria)
  • Richard De Mello (guitarra)
  • François-Thibaut Hordé (guitarra)
  • Maxime Febvet (vocal)

Faixas:

  1. Soufre
  2. Opprobre
  3. Abysses
  4. Fratres
  5. Gloire Au Silence
  6. Ægo Templo
  7. Baïne
  8. Digue
  9. Béryl
  10. Vers
PUBLICIDADE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Veja também

PUBLICIDADE
PARCEIROspot_img

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,663SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
151SeguidoresSeguir
960InscritosInscrever

Últimas Publicações