PUBLICIDADE

Lançamento: Crystal Skull – “Ancient Tales” (2020)


“Ancient Tales” é o debut do projeto de Power Metal, Crystal Skull, o qual é executado pelo músico italiano Cláudio “The Reaper” Livera, que é baixista da banda de Heavy Metal, Sacro Ordine dei Cavalieri di Parsifal. assim como baixista da banda de Doom/Black Metal, Akroterion.

   

Claudio Livera

Antes de mais nada, Claudio Livera tem uma maneira ímpar de fazer Power Metal, sendo esse o seu principal adjetivo. A narrada faixa “The Book”, a qual abre o álbum, já eleva ao máximo o meu nível de curiosidade para todo o restante da obra, pois dá a ideia de que o disco é conceitual. Em seguida, a rápida canção “Land Of The Dead” revela os talentos de Livera, os seus riffs energéticos e seus arranjos vocais que liberam uma atmosfera, completamente, épica.

“No começo eu procurei por esse esquecido manuscrito / desde os corredores do tempo até as obscuras câmaras desta poderosa fortaleza / E agora, o livro das crônicas perdidas está na minha trêmula mão / Hoje, tentei traduzir essas páginas esgotadas, escritas em uma linguagem, contando a primeira origem do nosso mundo / Na capa consumida, apenas duas palavras: ‘Contos Antigos’”.

Claudio Livera / Reprodução / Facebook

“Stormaxe”

A batalha continua na faixa “Stormaxe”, que embora seja discretamente mais cadenciada que a anterior, é ainda mais poderosa. Além disso, o solo de guitarra está entre os mais lindos do disco. Podemos afirmar que, esse álbum não foi composto, ele foi, literalmente, forjado, ao mesmo tempo, no aço, no sangue e na fúria. Metal espadinha? De jeito nenhum! Mas sim Metal aço inox dilacerante.

“Lá em cima no céu seu grande machado da tempestade / Chama os poderes dos trovões / Roda no mal seu grande machado da tempestade / Destrua seus inimigos com seu poder”.

“Crystal Legions”

O equilíbrio entre a melodia e a intensidade que as canções do álbum transmitem me impressiona e, dessa forma, “Crystal Legions” mantém o alto patamar do full lenght. Além disso, o nível do trabalho vocal de Livera se intensifica a cada minuto da audição.

”Nós, nós somos a luz / Nós, nós somos a maré / Contra este mentiroso”.

“Tears Of The Night”

Apesar da maior influência desse projeto ser o Power/Speed alemão, nota-se uma interessante pitada de Manilla Road no contexto. Já “Tears Of The Night” não permite com que a temperatura da audição reduza, aliás, essa redução não ocorre durante toda a duração do disco, sendo ele muito envolvente do primeiro ao último acorde.

“Olhe através das estrelas no céu / Lágrimas da noite / Sentindo o toque da noite”.

Claudio Livera / Divulgação / Facebook

“The Eyes”

“The Eyes” é a mais pesada do disco. Tanto o riff de guitarra, quanto os arranjos vocais são mais agressivos nessa canção. A letra também demonstra essa mudança.

“Olhando as chamas do ódio / Aos olhos dos condenados / Deixe seus sonhos de liberdade / Aos olhos dos mortos”.

“Die By My Axe”

O ser humano em toda a sua história vive tentando se livrar das opressões que o aprisionam, sacando suas liberdades. “Die By My Axe” afunda o pé do acelerador até arrebentar o cabo. A faixa não é tão pesada quanto sua antecessora, porém se ambienta na mesmíssima atmosfera.

“Morrer pelo meu machado / Esta é a hora do seu inferno / Siga o caminho do carrasco / Sobre a escuridão sob esta bandeira / Siga o caminho dos imortais”.

“The Last King

Em “The Last King”, Claudio “The Reaper” Livera mostra, definitivamente, toda a técnica e feeling do seu vocal, sua afinação impecável, assim como sua interpretação marcante. Só essa canção já teria feito o trabalho todo valer à pena, porém ela é só a melhor entre todas as ótimas peças desse quebra-cabeça.

“Esta é a história do herói desta terra / Fogo perdido queimando no fundo de seu coração / Sorria para o céu e lembre-se de minhas palavras / O brilho das estrelas iluminará seu tempo”

Claudio Livera / Facebook – Reprodução

A derradeira canção desse excelente álbum, “Lake Of Dreams”, soa, realmente, como uma despedida, porém com a esperança de um retorno ainda mais triunfal. O solo de guitarra transborda feeling e a musicalidade de Livera conquista o seu espaço definitivo em minhas melhores lembranças. Um disco dessa magnitude, não poderia encerrar com outro nível que não fosse com esse gigantesco.

Já elogio o trabalho das One-Man-Bands há bastante tempo. Acho corajoso dar conta de todos os instrumentos e da voz na gravação de uma obra. Nos últimos anos tem sido comum surgirem trabalhos One-Man-Band de alta qualidade, porém esse ano ele se sobressaíram.

Aprovado e indicado para os fãs de Power Metal e de boa música.

   

Nota 9,1

Integrantes:

  • Claudio “The Reaper” Livera (vocal, guitarra, baixo)

Faixas:

  • 1. The Book
  • 2. Land Of The Dead
  • 3. Stormaxe
  • 4. Crystal Legions
  • 5. Tears Of The Night
  • 6. The Eyes
  • 7. Die By My Axe
  • 8. The Last King
  • 9. Lake Of Dreams

Redigido por Cristiano “Big Head” Ruiz

PUBLICIDADE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Veja também

PUBLICIDADE

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,583SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
261SeguidoresSeguir
1,151InscritosInscrever

Últimas Publicações

- PUBLICIDADE -