PUBLICIDADE

Judas Priest: como a banda lidava com a homosexualidade de Rob Halford? KK Downing contou tudo!

Durante uma nova aparição no programa “No Fuckin’ Regrets With Robb Flynn”, o lendário guitarrista KK Downing, ex-Judas Priest e atualmente com o KK’s Priest, relatou diversas coisas interessantes sobre o que acontecia nos bastidores da banda, principalmente, nos anos 70 e 80. A primeira revelação foi quando ele mencionou que todos na banda sabiam sobre a sexualidade de Halford. KK Downing disse o seguinte:

“Sempre soubemos que Rob era gay. Porque isso meio que voltou nos anos 60 e particularmente no início dos anos 70, quando tudo ainda era meio a portas fechadas e coisas assim. As pessoas se sentiam um pouco mais confortáveis ​​perto de nós porque nós nos juntávamos como um tipo de gangue, e nós sempre saberíamos que aquele cara é diferente de nós e aquela garota é diferente. Na verdade, eu mesmo parecia uma garota, vamos ser honestos. Quando eu tinha, tipo, 17 ou 18 anos, eu tinha o cabelo até a cintura e lembro-me de estar em uma jukebox uma vez em um bar, eu devia ter 18, e um grande caminhoneiro apareceu por trás de mim e ele colocou as mãos por baixo dos meus braços para sentir meus seios. Eu fiquei, tipo, ‘Com licença, cara, o que você está fazendo?’, foi o melhor que pude fazer na época. Ele apalpou o que pensava ser uma menina. Mas quase tudo era meio andrógino naqueles dias.”

Reprodução

Segundo o guitarrista, a sexualidade de Rob nunca importou para ele ou qualquer outro integrante da banda:

   

“O principal é… Obviamente, para mim, independente de Rob ser gay, além de ele ter uma ótima voz, eu pensei que Rob ficaria na banda para sempre, e ele obviamente seria teatral, ele obviamente seria articulado com as palavras e ele era, ele era tudo isso. O lance de ter sensibilidades e tudo isso, e ser o showman, todos esses ingredientes eram ótimos atributos para se ter como frontman. E eu provei estar certo.”

Quando questionado sobre um trecho que se encontra no livro de Rob Halford, “Confess”, onde o cantor diz que nos anos 80 e início dos 90, quando a banda estava na estrada, ele passava as noites vagando em bares gays, “cruzando” em banheiros públicos e saindo com outros gays em locais de encontro, o guitarrista confirmou:

“Sim, com certeza. Meus olhos viram muito (Risos). Mesmo em meados dos anos 70, se você saísse do palco e Rob estivesse no banho com um dos membros da equipe, fazendo as coisas… Quero dizer, isso é o que é. Você não tem que entrar lá até que ele termine e tudo o mais. É o que é. Porque Rob teve que aguentar muitas coisas de nós também. É a mesma coisa, não é diferente… É a mesma coisa, é como quando digo ‘justo é justo’. Por exemplo, se estamos todos na van, estamos prontos para ir e ‘OK. Onde está a porra do Dave?’. ‘OK, ele ainda está lá com uma garota. Alguém vá buscá-lo.’ Nós precisamos ir, oras. Precisávamos ir ao show ou sair do show. E essas coisas acontecem. É Rock and Roll. Muitas coisas foram atribuídas ao Rock and Roll porque era Rock and Roll de verdade naquela época.”

Reprodução

KK Downing ainda comentou sobre o esforço do Judas Priest de manter tudo isso fora da mídia:

“Para ser justo com Rob, Rob sempre foi um jogador que pensava na equipe. Ele sabia o que sua imagem causava, e o jeito que ele era durante o dia e tudo mais, isso agradava aos caras e agradava às meninas também. E ele foi legal com isso. Eu pensei nisso e entendi, porque seu público é o seu público, tinha tantas pessoas ali que você nem tem consciência, obviamente, de volta naqueles tempos, mas somos artistas e éramos tratados como artistas. Nós tivemos uma grande crença na música e na imagem e ficou apenas tudo em torno dele. Eu ainda tinha imenso orgulho de Rob como um grande frontman e animador e um grande vocalista. E ele desempenhou o papel também, da mesma forma, quando pensamos que ele poderia fazer aquela imagem de machão que era o que o Judas Priest precisava. Nós tínhamos feito as roupas, tínhamos o couro e os tachas, e acho que qualquer coisa a ver com qualquer outra coisa auxiliar, sexualidade ou qualquer outra coisa, simplesmente não era uma parte que queríamos ali… não estava no palco conosco. Na mente de Rob, talvez estivesse aqui e ali, mas, para nós, era tudo tão feroz, o que fazíamos e o pensamento total era entregar essa música da maneira como nós fizemos, para mim, eu me senti tão orgulhoso de todos os companheiros de banda. Porque, tínhamos feito o uniforme, e era único na época, e era uma sensação muito forte. Porque estávamos começando com isso e era o que tínhamos. O público podia sentir isso, eu acho. E é por isso que nunca tivemos medo de tocar com banda nenhuma, porque tínhamos o uniforme que ninguém mais podia vestir na época.”

Photo: Steve Joester
PUBLICIDADE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Veja também

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PARCEIROspot_img

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,583SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
222SeguidoresSeguir
1,151InscritosInscrever

Últimas Publicações