PUBLICIDADE

Há 27 anos, ocorria a trágica morte do baterista Ingo Schwichtenberg do Helloween

A história do Rock e Metal é repleta de acontecimentos trágicos envolvendo músicos jovens e promissores. Acidentes, overdoses, problemas com alcoolismo, mortes acidentais bizarras e suicídios, são algumas das muitas causas que levaram rockstars mais cedo do que deveriam para o caixão.

   

No caso do saudoso baterista clássico do Helloween, o alemão Ingo Schwichtenberg, podemos dizer que tivemos um pouco de tudo isso. Em uma banda que começava a despontar para o sucesso, mas que teve alguns problemas internos no percurso, o jovem músico se viu em um ambiente hostil onde não soube lidar com todas as intempéries da famigerada indústria da música.

Somando aos problemas de carreira e de convivência entre os integrantes do Helloween, Ingo possuía esquizofrenia hereditária. O diagnóstico médico, infelizmente, veio tardiamente e o baterista começou a ter crises de identidade, alucionações e alterações repentinas em seu humor. Como não sabia o que estava acontecendo, buscou refúgio no álcool e nas drogas, o que acabou agravando a doença ao ponto da sua permanência na banda se tornar impossível.

Reprodução/Youtube

Após diversos episódios pitorescos, o incidente que ocasionou o seu afastamento da banda aconteceu em 1993, na turnê do álbum “Chamaleon”, antes de um show na Espanha, onde Ingo teve uma crise aguda, se lançou ao chão aos prantos e o show precisou ser cancelado. Depois disso, seria apenas questão de tempo até que o pior acontecesse.

Sem poder tocar com sua banda, Schwichtenberg procurou se reaproximar de seus irmãos, mas a doença evoluia de forma rápida, principalmente, por que ele não aceitava o diagnóstico e estava cada vez mais se afundando no álcool e psicotrópicos. Com o falecimento de seu pai em 1994, Ingo acabou não aguentando a pressão e, pouco tempo depois, no dia 8 de março de 1995, se jogou nos trilhos do metrô, na estação de Friedrichsberg, em Hamburgo.

O álbum “The Time Of The Oath”, do Helloween, foi lançado em 1995 em sua memória, mas a homenagem mais bonita veio do ex-companheiro de banda, Kai Hansen, que compôs uma música belíssima para Ingo no clássico “Land Of The Free”, também de 1995. A canção se chama “Afterlife” e, nela, Hansen diz coisas como:

“Now you’re gone, without a word/ You didn’t say goodbye/ I miss you here, where are you now, an angel in the sky?/ Your visit here has been too short/ You left to be set free/ But I believe we’ll meet again and together we will stay…”

(traduzindo: “Agora você se foi sem uma palavra/ Você não pôde dizer adeus/ Sinto sua falta aqui, onde está você agora, será um anjo no céu?/ Sua passagem por aqui foi muito breve/ Você se foi para se libertar/ Mas eu acredito que nos encontraremos de novo e juntos permaneceremos…”).

Sem palavras….

Ingo faleceu aos 30 anos de idade e deixou como legado um talento ímpar e uma forma de tocar que influenciou uma geração de bateristas do Power Metal, principalmente, por sua atuação nos majestosos “Keeper Of The Seven Keys”, partes 1 & 2.

No ano passado, o Helloween prestou homenagem ao saudoso baterista:

RIP

Reprodução/Twitter
Kai Hansen e Markus Grosskopf visitando o túmulo de Ingo. Photo: Reprodução/Twitter
PUBLICIDADE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Veja também

PUBLICIDADE

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,583SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
261SeguidoresSeguir
1,151InscritosInscrever

Últimas Publicações

- PUBLICIDADE -