PUBLICIDADE

Fleshgod Apocalypse: “as melhores histórias sempre vêm da dor, é uma verdade amarga, mas inegável”

Fleshgod Apocalypse irá lançar seu sexto disco de estúdio no dia 23 de agosto desse ano, finalmente. A inspiração desse registro vem do acidente que aconteceu com Francesco Paoli, vocalista da banda, em 2021, enquanto ele praticava alpinismo.

   

O álbum será lançado via Nuclear Blast Records e foi estruturado como uma peça teatral em 10 atos. Tal disposição de faixas traça um paralelo claro com a tradição eterna do teatro musical clássico italiano+, mas nunca abandona a brutalidade épica de Death Metal executado pelo grupo.

O nome escolhido para o lançamento é “Opera”. O disco foi mixado e masterizado pelo produtor Jacob Hansen (Volbeat, Epica, Arch Enemy). A parte externa do disco também conta com o trabalho da artista Felicita Fiorini e o fotógrafo Francesco Esposito. A arte da capa retrata “Verônica”, uma entidade superior que derrota a decadência social e artística da era moderna.

Francesco comentou o seguinte sobre o disco:

“As melhores histórias sempre vêm da dor, é uma verdade amarga, mas inegável. Conseguimos transformar uma das piores coisas da vida numa obra de arte, que encarna o nosso crescimento pessoal e artístico e leva os ouvintes a uma montanha-russa de emoções, onde podem vivenciar o que passei de mãos dadas comigo. É um pesadelo acordado, mas é assim que a vida às vezes é, simplesmente assustadora. Na minha representação visionária desta jornada que começa com a minha experiência de quase morte e culmina num tão desejado renascimento físico e psicológico, quis enquadrar cada passo do meu calvário, como se fossem actos de uma ‘Ópera’. Uma Ópera Lirica, com diálogos ou mesmo confissões e personagens imaginários, que têm sido presenças constantes ao longo de toda a minha (des)aventura.”

Banda renovada para mais uma etapa neste ano!

Paoli conta mais sobre a temática:

“Este álbum joga você em um vórtice de desconforto e sentimentos incontroláveis, onde você pode experimentar dor, medo, desespero, raiva, frustração, mas também determinação, coragem, esperança e um profundo desejo de redenção. é um manifesto sólido de resiliência, e espero que minha história inspire pessoas que se ‘perderam’ por qualquer motivo. Mal podemos esperar para você ouvir o álbum completo e queremos tocá-lo ao vivo nos quatro cantos do mundo. Estamos planejando levar todos a ‘Opera’ com um novo show enorme, então preparem-se!”

O primeiro single lançado foi “Bloodclock”, Paoli fala sobre isso:

“O que vemos logo antes de morrer? Bem, com ‘Bloodclock’ presto meu testemunho e revelo as visões pessoais que tive enquanto estava pendurado em uma corda, inconsciente, algumas centenas de metros acima do solo. É uma loucura como a realidade pode ser muito mais aterrorizante e esmagadora da alma do que a imaginação. Logo após minha alta hospitalar, eu e Francesco Ferrini começamos a escrever imediatamente, mesmo que eu ainda estivesse acamado e incapaz de tocar. A ideia era capturar o clima daqueles dias dramáticos e manter intacta a sensação de desespero e medo que ainda corria em minhas veias após o acidente. Mais tarde, trabalhamos com os outros para desenvolver essas ideias e criar a música que na verdade se tornou uma história tão forte, uma música que tira o fôlego e joga você em um vórtice de sentimentos confusos e desconforto, acredito que acertamos em 110%.”

Por fim, sobre a parte visual do single, ele continua:

“E o vídeo é uma representação espetacular desse desastre. Levei Martina McLean, diretora de vídeo, ao limite porque sabia que ela poderia encontrar uma maneira poética, metafórica, mas extremamente impactante, de combinar a fúria da música com imagens inspiradoras. Ela fez um trabalho incrível e temos orgulho de afirmar que este é o melhor videoclipe que já fizemos em nossa carreira. Mas essa música não é apenas sobre a morte, é também sobre a vida. ‘Ainda não estou morto’, foi uma espécie de mantra que se tornou meu grito de guerra. No momento em que acordei, comecei minha guerra para permanecer vivo, que com o tempo se transformou em um calvário verdadeiro e sem fim, pois ainda carrego a cruz pelo que aconteceu naquele dia. Mas isso é outra história e sua hora ainda está por vir…”

O outro single lançado se chama “Pendulum” e também pode ser conferido:

“Opera” terá o seguinte tracklist:

01. Ode to Art (De’ Sepolcri)
02. I Can Never Die
03. Pendulum
04. Bloodclock
05. At War With My Soul
06. Morphine Waltz
07. Matricide 8.21
08. Per Aspera Ad Astra
09. Till Death Do Us Part
10. Opera

Fleshgod Apocalypse – Opera / via Nuclear Blast Records
PUBLICIDADE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Veja também

PUBLICIDADE

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,583SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
261SeguidoresSeguir
1,151InscritosInscrever

Últimas Publicações

- PUBLICIDADE -