PUBLICIDADE

DE VOLTA AO PASSADO EM 10 DISCOS

De volta ao passado traz dez bandas e discos que você precisa conhecer, antes de visitar o mundo dos mortos.

   

Aviso: antes de mais nada, é importante salientar, que o conteúdo desse artigo bem como as menções aos discos e bandas estão relacionados ao critério subjetivo único e exclusivamente do autor. Ou seja, é gosto pessoal e não tentativa de impor alguma verdade absoluta.

A importância da década de 1980 para o Heavy Metal

Na história do Heavy Metal é preciso destacar um capítulo importantíssimo: os anos 80. A época em que surgia a NWOBHM (New Wave Of British Heavy Metal), movimento musical britânico do finalzinho dos anos 70, que explodiu nos anos 80, foi igualmente a responsável pelo surgimento de bandas dos mais variados estilos. Algumas delas sobreviveram e sobrevivem até os dias atuais e em sua trajetória lançaram trabalhos primordialmente essenciais.

Por outro lado, alguns grupos mesmo lançando discos formidáveis não conseguiram seguir adiante. Neste quadro, vamos abordar alguns nomes que por diversos motivos não seguiram adiante, porém escreveram em poucas linhas seu nome nas páginas do Heavy Metal, deixando para trás trabalhos relevantes e obrigatórios aos fãs da boa música.

Explicações dadas, é hora de convidá-los a uma viagem ao passado, onde destacamos 10 bandas de estilos variados que lançaram discos excepcionais, contudo não obtiveram o devido reconhecimento.

Apertem os cintos e sejam bem vindos ao… De Volta Ao Passado!

10º Mortal Sin – “Face of Despair”

DE VOLTA AO PASSADO EM 10 DISCOS

“Face Of Despair”, que saiu em abril de 1989, é 2º trabalho de inéditas do quinteto australiano que conta na época com:

Mat Maurer (vocais), Paul Carwana (guitarras), Mick Burke (Guitarras), Andy Eftichiou (baixo) e Wayne Campbell (bateria).

Trazendo uma sonoridade que transita entre o Heavy e o Thrash Metal, o grupo lançou cinco discos oficiais, sendo “Psychology Death”, o último registro da carreira.

Em 2012, a banda anuniou o encerramento das atividades.

*Em agosto de 2017, foi divulgado o falecimento de Mark Burke. Além do Mortal Sin, o guitarrista integrou a banda Slaughter Lord.

9º – Railway – “Railway”:

DE VOLTA AO PASSADO EM 10 DISCOS
   

Lançado em novembro de 1984, “Railway” é o álbum homônimo de estreia do quinteto alemão formado na época por:

Walter Wicha (vocais), Robert Haslinger (guitarras), Herman Janowitz (guitarras), Werner Thaller (baixo) e Hasi Haslinger (bateria).

Fazendo um excelente Heavy Metal com influências de Accept, Krokus, Warlock, entre outros, o grupo lançou seis discos oficiais sendo “Persecution Mania”, o último registro de inéditas editado em 1995.

Apesar de manter-se ativa, nenhum disco foi gravado nos anos seguintes.

Em setembro de 1988, foi divulgada a morte de Herman Janowitz. Além do Railway, o guitarrista integrou a banda The Roxx.

8º – Outside – “Magic Sacrifice”:

DE VOLTA AO PASSADO EM 10 DISCOS

“Magic Sacrifice”, que saiu em 1986, é o álbum de estreia do quarteto alemão que conta na época com:

Karlheinz Scherthan (baixo vocais), Volker Gutting (guitarras), Peter Weber (guitarras), assim como Rudi Herzenstiel (bateria).

Praticando um Heavy Metal influenciado por bandas como Noisehunter e Accept, flertando igualmente com Hard Rock e o Classic Rock em algumas canções, o grupo lançou dois discos apenas, sendo “Never Security”, o último registro editado em 1988, antes do encerramento das atividades. Em 2006, o grupo foi reformulado e anunciou retorno às atividades, contudo nenhum trabalho de inéditas fora editado.

Em “Magic Sacrifice”, faixa que dá nome ao disco, a parte instrumental remete a “Head Over Hells”, do Accept.

7º – Scavenger – “Battlefields”


DE VOLTA AO PASSADO EM 10 DISCOS

“Battlefields”, que saiu em setembro de 1985, é o debut do quinteto belga, contando na época com:

   

Jan Boeken (vocais), Patrick Van Schooren (guitarras), Marc Herremans (guitarras), Roger Roscam (baixo) e Luc Ebinger (bateria).

Com sua sonoridade calcada no bom e velho Heavy Metal, trazendo algumas similaridades com os finlandeses do Oz, o grupo lançou apenas um disco (este em questão) em seu período ativo, (1984-1986), antes que encerrasse suas atividades.

Logo após reformulação em seu line up, o grupo retornou às atividades em 2018 lançando “Backslider”, single contendo duas faixas inéditas, que saiu em julho de 2020, sendo este seu mais recente lançamento.

Em janeiro de 2019, foi anunciado a morte do vocalista Jan Boeken. Além do Scavenger, Jan também integrou o Deep Throat, banda que deu origem ao Scavenger.

6º – Maxx Warrior – “Max Warrior”:

Visit my website https://vinyl-records.nl for complete album information and thousands of album cover photos – DE VOLTA AO PASSADO EM 10 DISCOS

Lançado em 1985, “Max Warrior” é o EP de estreia do quinteto americano cujo line up na época contava com:

Carl “CJ” Snare (vocais), Alton Eddins (guitarras), Scott Atkins (guitarras), Perry Richardson (baixo), assim como Bill Dorey (bateria).

Trazendo em sua sonoridade o Heavy Metal com influência nomes como Saxon, Def Leppard (fase inicial), Riot, Accept, Demon, e Judas Priest, o grupo editou apenas esse EP contendo 04 faixas.

A dissolução do grupo aconteceu no ano seguinte, porém se reuniram em 1987 para um único show antes do encerramento definitivo das atividades.

Anos mais tarde, Snare e Richardson formariam o Firehouse, banda de Hard Rock que explodiu mundialmente em 1990 com seu álbum homônimo.

*Em 7 de janeiro de 2012, o grupo se apresentou no Second Annual Cliff Jackson Memorial Jam no Lincoln Theatre em Raleigh, Carolina do Norte, para um único show. Conforme noticiamos anteriormente, Carl “CJ” Snare faleceu no último dia 5/4/2024.

5º Viva – “What The Hell Is Going On!”

“What the Hell Is Going On!”, que saiu no inicio de 1981, é o segundo trabalho dos alemães cuja formação (na época) contava com:

   

Marco Paganini (vocais), Ralph Murthy (guitarras), Andy Fach (guitarras), Andy Kawaldt (baixo) e Barbara Schenker (teclados, sintetizadores).

Trazendo em seu estilo a fusão entre o Heavy Metal com o Hard Rock, o sexteto que estreou em 1980 com “Born To Rock”, álbum voltado ao genêro Hard Rock, lançou cinco álbuns oficiais, sendo “Cream Cake Box”, o último registro editado em 1996 antes do encerramento das atividades pela 2a vez (a primeira aconteceu em 1985).

Após um hiato que durou 11 anos, o grupo anunciou, em 2007, o retorno às atividades (de novo), porém este retorno não conseguiu ir muito longe, com o encerramento das atividades em definitivo em 2012.

Logo depois da primeira dissolução do grupo em 1985, o vocalista Marco Paganini formou o Paganini, banda batizada com seu nome, que lançou 5 álbuns oficiais. Marco, faleceu em janeiro de 2019.

Ao lado dos conterrâneos do Accept e Trance, Viva é considerado uma das primeiras bandas de Heavy Metal da Alemanha.

Como bem entrega seu sobrenome, Barbara Schenker é irmã de Michael e Rudolf Schenker.

4º – Hawaii – “The Native Are Restless”:

“The Native Are Restless”, que saiu em 1985, é o segundo e último registro do quinteto cuja formação trazia :

Edward Paul Day (vocais), Marty Friedman (guitarras), Tom Azevedo (guitarras), Joe Galihsa (baixo), assim como Jeff Graves (bateria).

Com sua sonoridade calcada no Heavy/Power/Speed Metal, o grupo lançou apenas dois discos oficiais e um EP antes do encerramento das atividades em 1986.

   

Em fevereiro de 2011, foi anunciado a morte de Joe Galisha. Além do Hawaii, o músico integrou grupos como Big Dawg, Zuproc, Liquid Mirror e Slug.

A ideia nos segundos iniciais, “Aloha”, faixa que abre o disco, nos remete a “Fast As A Shark” do álbum “Restless and Wild” do Accept.

3º – Persian Risk – “Rise Up”:

“Rise Up”, que saiu em 1986, é o álbum de estreia do quinteto inglês que trazia em sua formação:

Carl Sentance (vocais), Phil Vokins (guitarras), Graham Bath (guitarras), Nick Hughes (baixo) e Steve Hopgood (bateria).

Com suas raízes fincadas no Heavy Metal e bebendo na fonte da NWOBHM ( New Wave Of British Heavy Metal), o grupo encerraria as atividades logo após o lançamento do debut. Mas, eles retornaram em 2012.

Após o retorno, o grupo lançou dois novos trabalhos de inéditas, sendo “Who I Am”, terceiro e último registro de inéditas editado em novembro de 2014.

Em 2019, a gravadora Escape Music lançou “Who I Am” e “Once A King”, compilação dupla contendo os dois últimos trabalhos, além de duas faixas bônus.

Além de integrar bandas como Krokus, Geezer Bulter Band, Don Airey, Dario’s Mollo Crossbones, entre outros, Carl Sentance é atualmente o frontman do Nazareth, banda escocesa de Hard Rock, desde 2015.

2º – Ninja – “Invincible”:

“Invicible”, que saiu em 1988, é o álbum de estreia do quinteto alemão que na épóca tinha em seu line-up:

Holger vom Scheidt (vocais), Ulrich Siefen (guitarras), Ulric Siefen (guitarras), Jörg Lennart (baixo) e Hans Heringer (bateria).

Com sua sonoridade calcada no Hard N’ Heavy, o grupo lançou 3 álbuns oficiais entre 186 e 1997. No mesmo, a banda decretou o seu encerramento.

   

Anos depois, em 2014, eles retornaram às atividades. Desse retorno, saiu novo álbum, “Into The Fire”, porém em 2016, o grupo encerrou definitivamente a carreira.

Em setembro de 2009, faleceu o baterista Christoph Segreff, na época com 46 anos.

1º – Cacophony – “Speed Metal Symphony”:

“Speed Metal Symphony”, que saiu em 1987, foi o álbum de estreia do quarteto americano cuja formação contava com Peter Marrino (vocais), Marty Friedman (guitarras), Jason Becker (guitarras) e Atma Anur (bateria).

Trazendo em sua sonoridade a fusão perfeita entre o Heavy Metal, Speed Metal e o Neoclássico, o grupo lançou apenas dois álbuns (excelentes, diga-se de passagem) em sua curta carreira. “Go Off” foi o segundo e último disco oficial de inéditas antes do encerramento das atividades no ano de 1989.

Logo depois do final do Cacophony, Friedman e Becker gravaram seus respectivos trabalhos solos (instrumentais).

Em 1990, Marty Friedman estreou no álbum “Rest In peace” da banda americana Megadeth, enquanto Jason Becker juntou-se ao ex vocalista do Van Halen, David Lee Roth, em sua banda solo.

Redigido por: Geovani “Sopinha de Pão” Vieira

PUBLICIDADE

Comentários

  1. anos 80 e 90 foram as melhores épocas da minha vida em termos de tudo!!!! Vídeo game, fimes, música e até mesmo as amizades da época sinto falta…bons tempos de antigamente!!!! Hoje em dia a música tem muita tecnologia envolvida e estou começando a sentir falta da mídia de CD e DVD, coisa que acontecia com o vinil está acontecendo atualmente até no video game!!!! A tecnologia atual deixa o som mais limpo e a voz mais potente…as vezes vc fica na dúvida se a banda está tocando aquilo ali em termos reais, isto é…usaram a tecnologia para deixar o som mais potente e voz mais aguda e agressiva????fica a pergunta, Valeu!!!!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Veja também

PUBLICIDADE

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,583SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
261SeguidoresSeguir
1,151InscritosInscrever

Últimas Publicações

- PUBLICIDADE -