PUBLICIDADE

Clássicos: Rush – “Rush” (1974) – Discos que completam 50 anos

“Rush” é o álbum de estreia da banda canadense Rush, lançado em 1974.

   

Eis o único disco a contar com o baterista John Rustey, que foi substituído em seguida pelo saudoso Neil Peart, que fez parte da banda até o encerramento de suas atividades.

A sonoridade do power trio era quase que totalmente Hard Rock 70’s, estando muito longe do Prog/Rock praticado por eles a partir do álbum seguinte, “Fly By Night”.

Reprodução / John Rutsey (R.I.P)

Grande parte das resenhas de clássicos escritas por mim fomentam minhas mais prazerosas reminiscências.

O debut homônimo do Rush faz parte desse meu acervo inicial de descoberta do mundo maravilhoso feito de Rock e Metal.

Foi na casa de um amigo que ouvi esse disco pela primeira vez e, instantaneamente, lhe pedi que me emprestasse para que eu pudesse ouvi-lo na íntegra.

Chegando a minha casa, já coloquei o álbum para rolar. Apesar de “Finding My Way” não trazer nenhuma sonoridade diferente do que eu já havia ouvido com o Led Zeppelin, ela me agradou demais.

GEDDY LEE

Os vocais de Geddy Lee transbordam Rock’N’Roll e suas linhas de baixo são incríveis. Já senti ali uma cadência diferenciada que já levava o som da banda a ser o que ele se tornou depois.

“Need Some Love” foi amor a primeira ouvida. Eu já cantei o refrão da segunda estrofe junto, pra vocês terem uma ideia do quanto essa canção me enfeitiçou.

“Take a Friend”, a exemplo da faixa de abertura, é mais uma dose de Hard Rock setentista pulsando nas artérias.

Não há como se sentir indiferente, pois isso tem a ver com os valores da minha alma musical. Já que o trio de músicos é impecável. Não há, portanto, uma vírgula de crítica que possa se fazer a qualquer um deles.

Divulgação “Rush” / Rush / 1974
   

O meu maior caso de amor nesse disco foi, e é até hoje, com “Here Again”.

Foi essa a primeira canção do Rush que eu ouvi, pois era ela que estava tocando na casa do meu amigo e que me chamou muito a atenção.

Pense em um Blues balada com 200% de feeling e musicalidade extrema. Geddy Lee mostrou nessa interpretação todos os seus adjetivos como vocalista, assim como baixista, fazendo uma linha de baixo fabulosa.

“Here Again” e “Lord Of This World” do Black Sabbath” foram as responsáveis por eu ter escolhido aprender a tocar contra baixo e, apesar de eu não ter aprendido tão bem assim (rs), ambas representam momentos importantes da minha vida.

O SOLO MÁGICO DE “HERE AGAIN”

Chegou a hora de falar do solo de guitarra dessa canção, que simplesmente está entre os dez mais bonitos que eu já ouvi em toda minha vida. Pois, ele é como uma música dentro de outra música. Ele é uma história contada sem uma única palavra, mas que é possível entender através do coração aberto e da alma livre.

Eu vou as lágrimas quase todas as vezes que escuto o solo de “Here Again”, ele é realmente mágico e muito importante pra mim, e apesar de Alex Lifeson não ser tão reconhecido como Geddy Lee e Neil Peart são, pra mim ele também é gigante.

“What You’re Doing” permanece com aquela pegada 70’s do início do disco, mas a cada faixa que passa, com audição atenta, já é possível notar a banda caminhando para o que ela iria se transformar, posteriormente. Que riffs fantásticos. Em seguida, temos “In The Mood”. Sinto nessa canção uma pegada mais americana de Hard Rock, pois é bem diferente do restante do disco, sonoridades como a do Grand Funk Railroad são remetidas a minhas mente mais claramente.

“Before And After” introduz bem diferente.

Dedilhados de guitarra e solo de baixo dão a impressão de um Rock Progressivo instrumental da segunda era do Genesis, mas essa atmosfera dura pouco mais de dois minutos. Em seguida, a faixa se transforma em um Hard Rock poderoso e cheio de gingado, com a cara de uma das décadas mais quentes da história da música mundial.

Divulgação / Alex Lifeson / John Rutsey / Geddy Lee / RUSH

Bom, para encerrar esse fantástico disco de estreia, temos a canção que ditou a exata tendência do que o Rush se tornaria doravante, “Working Man”. Pois, já na introdução podemos notar uma sonoridade diferenciada acabando de nascer.

“Bem, eu acordo as sete, sim / E eu vou trabalhar as nove / Não tenho tempo para viver / Sim, estou trabalhando o tempo todo.”…

Por essa letra fantástica temos uma vaga ideia do tamanho da força que essa faixa possui. Foi justamente “Working Man” o pontapé inicial para a guinada do Rush ao estrelato. Foi principalmente ela, a música mais trabalhada do álbum que fez com que os holofotes se acendessem para o power trio. Tanto que no álbum seguinte, com exceção da faixa título, “Fly By Night”, todas as demais já seguiram esse lado Progressivo, tendo o novo Rush substituído e, praticamente, enterrado esse que gravou o debut.

   

Lamentável?

Absolutamente, não, esse era o caminho a ser seguido, o público ditou isso, porém jamais posso deixar de salientar o valor e a qualidade da estreia fantástica da banda.

Nota: 9,1

Integrantes:

  • Geddy Lee (vocal, baixo)
  • Alex Lifeson (guitarra)
  • John Rutsey (bateria)

Faixas:

  • 1.Finding My Way
  • 2.Need Some Love
  • 3.Take A Friend
  • 4.Here Again
  • 5.What You’re Doing
  • 6.In The Mood
  • 7.Before And After
  • 8.Working Man

Redigido por Cristiano “Big Head” Ruiz

PUBLICIDADE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Veja também

PUBLICIDADE

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,583SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
261SeguidoresSeguir
1,151InscritosInscrever

Últimas Publicações

- PUBLICIDADE -