PUBLICIDADE

Clássicos: Anvil – Metal on Metal (1982)

Attic Records

   

Se auto intitulando como os criadores do Speed Metal, Lips e sua turma podem ser um pouco ‘arrogantes’ demais pensando assim. Mas com toda certeza, eles foram um dos maiores influenciadores para a criação do estilo. De qualquer forma, os canadenses são influentes em muito mais coisas que apenas o Speed.

O Anvil possui uma carreira de dar inveja em muita banda das antigas. Apesar de serem um pouco mais underground (em comparação a outros nomes da época), eles possuem uma sólida formação que conta com duas peças essenciais na existência do trio (atualmente). Steve “Lips” Kudlow, o guitarrista e vocalista, e Robb Reiner, o baterista old school que sabe muito bem como tocar com qualidade. A terceira peça desse conjunto, atualmente, é Chris Robertson, o baixista da banda desde 2014, e que combinou muito bem com o estilo que eles têm apresentado.

Desde 2016, a banda vem apresentando uma busca pelas suas raízes, trabalhando com discos que, apesar de conterem elementos mais atuais, trouxeram o velho Anvil de volta à tona. Um som mais Hard n’ Heavy com peso e também velocidade. Para falar da era onde a banda realmente fez barulho, temos que falar do clássico “Metal On Metal”, um disco que trouxe ao mundo o embrião do Speed Metal e apresentou peso, velocidade e aquele gostinho de quero mais a todos.

O compacto apresenta 10 músicas bem distribuídas e com bastante força, como o caso da primeira faixa, que carrega o título do álbum. As bases graves e pesadas são acompanhadas da bateria bem simples e cravada no Hard Rock. Já o vocal ‘diferente’ de Lips é uma peça chave para agradar aos ouvintes. Hora a voz é grave e forte, hora ela se torna mais leve e até mesmo meio aguda. Na sequência temos “Mothra”, a canção que explica o porquê a própria banda acha que criou o Speed Metal. Rápida, com bases ferozes, solos bem presentes, uma bateria mais clássica e direta, além de um vocal que brinca bastante com tons mais agudos. A faixa é contagiante e rápida, com certeza fará muitos de nós banguearmos como loucos.

Como 3° música do disco, ouvimos “Stop Me”, a influência Hard Rock do Anvil. Podemos chama-la de power ballad, pois a composição é doce e possui personalidade, dessa vez, o vocalista principal se trata do outro guitarrista da banda, Dave Allison. A combinação de uma faixa suave a um disco pesado serve para preparar os ouvintes para o que em breve será apresentado. E de fato, “March of the Crabs” é um instrumental de respeito. O trabalho nos pratos e conduções da bateria são excepcionais! As bases rápidas acompanhadas de um solo simples, mas pesado, são de cair o queixo, se levarmos em conta que até aqueles anos, basicamente, ninguém havia apresentado uma sonoridade assim! O peso das cordas de Ian Dickson é exatamente o que a bateria precisa para manter seu trabalho sem perder espaço para os outros instrumentos. Uma composição digna de ser relembrada.

Para fechar o lado A, temos a composição rápida e direta chamada de “Jackhammer”. Aqui eles uniram as bases pesadas e fraseadas de composições anteriores e adicionaram mais velocidade e vocais mais agudos. Passagens e pontes onde apenas a bateria e o vocal aparecem são um prato cheio para amantes do clássico Speed. É óbvio que aqui o som não é tão requintado e trabalhado como de bandas como Razor, Exciter ou Raven. Por se tratar do embrião, vemos claramente que o som pode ser mais brutal, mas com o passar do tempo, isso seria trabalhado.

A segunda parte do disco é um pouco mais suave, afinal, tivemos 3 composições rápidas e pesadas. O lado B apresenta logo de cara “Heat Sink”, que apesar de ser um pouco mais ‘hardoza’, não deixa de lado as passagens bem trabalhadas e que marcariam o estilo quase que único da banda. Os vocais de Lips novamente dão um show, afinal, o seu timbre não é nem tão agudo e nem tão grave, por isso as músicas são únicas e fenomenais. Novamente o solo é clássico do começo ao fim.

Na sequência ouvimos 3 composições bem Hard’n’Heavy (curiosamente o primeiro disco do Anvil se chama “Hard n’Heavy”), sendo que “Tag Team” e “Scenery” são mais cadenciadas e bem leves, mas mesmo assim, não deixam de ser ótimas para ouvir tomando aquela cerveja no churrasco com os amigos. Já “Tease Me, Please Me” trata de ser mais agitada e bem agradável, com bases rápidas e bateria clássica, os vocais de Lips são novamente uma atração ótima. O baixo de Ian novamente dá um show à parte, além do suporte aos outros instrumentos, ele aparece bastante e deixa a faixa mais pesada.

Por fim, fecha-se o disco com a ótima “666”. Uma canção com toda a veia Speed Metal e que claramente influenciou diversas bandas ao redor do mundo. Rápida, pesada, e direta, com solos rápidos e bem executados, a faixa é extremamente agradável. Outro detalhe é que pelo timbre de voz de Lips, você pode esperar aqui uma composição bastante empolgante, mas sem ser enjoativa.

Não me importa quem tenha sido o criador de tal estilo, uma coisa que eu tenho certeza absoluta, é de que pelo menos o embrião de tudo começou com esses caras. Hoje em dia, a banda segue relevante, lançando bons discos e fazendo o que sabe fazer de melhor.

Metal de qualidade!

   

Nota: 8,8

Integrantes:

  • Lips (vocais, guitarra)
  • Robb Reiner (bateria)
  • Ian Dickson (baixo)
  • Dave Allison (guitarra, vocal faixa 3)

Faixas:

  • 1. Metal on Metal
  • 2. Mothra
  • 3. Stop Me
  • 4. March of the Crabs
  • 5. Jackhammer
  • 6. Heat Sink
  • 7. Tag Team
  • 8. Scenery
  • 9. Tease Me, Please Me
  • 10. 666

Redigido por: Yurian ‘Dollynho’ Paiva

PUBLICIDADE

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Veja também

PUBLICIDADE

Redes Sociais

30,849FãsCurtir
8,583SeguidoresSeguir
197SeguidoresSeguir
261SeguidoresSeguir
1,151InscritosInscrever

Últimas Publicações

- PUBLICIDADE -